Homem Aranha, não há lugar melhor que o lar!

Por Lucas  “cabeça de teia”  Assis

Já estava mais do que na hora do nosso Amigão da Vizinhança dar as caras por aqui no Santuário. Por isso, pedimos licença ao Terço Secreto e esticamos nossa teia aqui nesse humilde cantinho deste vasto território sagrado que passaremos a chamar de  “O Muquifo do Aranha”.

Calma, intrépidos aracnofãs internáuticos, já trato de explicar o estranho nome desse nosso espaço. Para começar, “muquifo” não é “mosquito” escrito errado. É tão somente como Peter Parker, na tradução da Editora Abril, se referia carinhosamente – às vezes nem tanto – ao seu pequeno apartamento no prédio de número 410, em Chelsea Street, New York.

Tá, e daí?

Peter Parker morou naquele apartamento entre as edições #139 ( lançada em 1974) e #300 (de 1988) da revista The Amazing Spider-Man. Esse período de 14 anos cobre algumas das minhas fases preferidas do personagem, inclusive a Era do Uniforme Negro, que se inicia em 1984, maravilhosamente escrita por Tom DeFalco em parceria com vários artistas, dentre os quais destaco Ron Frenz e Rick Leonardi, e termina em 1988.

Cena típica: Parker chega em casa de madrugada, após passar a noite combatendo super-vilões pelas ruas de Nova Yorque (ou depois de dias combatendo os mesmos caras em outras dimensões) ou desbaratando quadrilhas de contrabandistas em armazéns abandonados pela cidade (sempre os armazéns abandonados… talvez precoces sintomas da atual crise imobiliária americana no Universo Marvel 616), e encontra a geladeira vazia. Nunca esqueço das entradas e saídas do Aranha pela clarabóia do banheiro daquele apartamento. Do cuidado que ele tinha para não topar com suas vizinhas Candi, Randi e Bambi, que adoravam tomar banho de sol no terraço. Das manobras ainda mais radicais para evitar a rabugenta Sra. Muggins, a proprietária do apartamento, já que quase sempre o pagamento do aluguel estava atrasado, certa vez ao se deparar com uma incauta Gata Negra usando fantasia completa pelos corredores do edifício a coroa não titubeou: ”você, sua punk louca, só pode ser amiga do Parker! Eu vou reclamar com ele, absurdo, blablabla”.

Agora, você, meu querido amigo que lê estas mal escritas linhas, perceba que interessante: na referida edição #300 da The Amazing Spider Man, de 1988, na qual Peter e Mary Jane, recém-casados, se mudam de Chelsea Street para um luxuoso apartamento em Bedford Towers, surge pela primeira vez um inimigo que faria o sangue de nosso herói gelar.  Ninguém menos que Venom.  Após sua primeira aparição traumatizante, MJ exige que Peter não use mais o uniforme negro que a fazia lembrar do episódio, marcando o fim dessa fase do Aranha. Temos, então, um marco histórico importante, fiel aracnofã. A mudança de Chelsea Street simboliza o fim de uma era, Parker não é mais um solteirão que entra pela clarabóia do banheiro todas as madrugadas alternando os uniformes ao acaso. Peter Parker, agora, só vai usar um único uniforme, o bom (ótimo!) e velho (clássico!) uniforme vermelho e azul, que já fazia sucesso desde a época que era um menino exemplar que morava com a Tia May em Forest Hills, Queens. Um verdadeiro homem de família, enfim.

Não convenci ainda? Sem problema. Vamos lembrar de mais coisas, então.

Voltemos mais ainda no tempo. Se sair do muquifo significou a transformação de Peter de solteirão aventureiro para um homem com responsabilidades matrimoniais, o que significou ele se mudar para o nosso adorável muquifo?

Bem, originalmente, como já dissemos, Parker morava com seus tios em Forest Hills, no Queens, um pacato subúrbio. Ali o pequenino Parker e mais tarde o intrépido mas inexperiente aracnídeo, comia seus cereais e ovos com bacon preparados pela Tia May antes de ir para o colégio. Sua próxima moradia foi em Manhattan, em função do ingresso na faculdade, dividindo um apartamento com seu velho amigo de escola, e aprendiz de Duende Verde, Harry Osborn. Era em East Village, bem próximo do campus da Empire State University, onde ambos estudavam.  Poderíamos marcar isso como o fim definitivo de Parker como o jovem e delicado (sempre tão doentinho!) sobrinho (neto!) da adorável (pegajosa!) Tia (avó!) May Parker.

Após sair do apartamento que dividia com Harry, Peter mora por um brevíssimo período no apartamento de Flash Thompson e então Liz Allen consegue achar o apartamento da Chelsea Street para o cabeça de teia. O nosso pobrinho, mas aconchegante muquifo. Nesse momento, nosso herói já não é mais um garoto, já acumulou experiências, culpas e perdas traumatizantes, como a morte de Gwen Stacy. Naquele apartamento, Peter se afirma como indivíduo, criando uma biografia separada de sua família e seus amigos de infância,  antes disso, até um de seus principais inimigos também era um antigo amigo do colégio e morava com ele! Isso não quer dizer, contudo, que ele romperia naquele momento os importantes laços familiares e de amizades, já que sempre estava a visitar a Tia May;  Flash e, principalmente, MJ eram presenças freqüentes nas histórias, para não falar do onipresente Tio Ben nos sonhos e no padrão moral de Parker (afinal, com grandes poderes…é você sabe).

No nosso muquifo, presenciaríamos a saga do simbionte alienígena, os dilemas envoltos em torno da Guerra de Gangues, a morte da Capitã Jean DeWolff, entre outras histórias que pretendo relembrar aqui no futuro. Um dos episódios que considero mais relevantes daquele período é quando o Aranha revela sua identidade verdadeira para a Gata Negra, o que se torna o início do fim do relacionamento dos dois, já que ela considera Peter um fracassado, sendo ela capaz de amar somente o Aranha. Na mesma época e no mesmo apartamento, MJ revela que já sabia há muito tempo que Peter era o Aranha, mas não suportava conviver com ele sabendo que arriscava sua vida como Homem-Aranha. A diferença das perspectivas das duas é crucial para as escolhas de Parker e tem a ver com a escolha do título dessa coluna.

Peter Parker assume a identidade alternativa de Homem-Aranha, não o contrário.

Enfim, nós, amigos e leitores do Aranha, acompanhamos seus infortúnios como fotógrafo fracassado do Clarim Diário, suas peripécias para pagar o aluguel, suas dificuldades para equacionar as cobranças da vida universitária com o combate ao crime. Vimos sob a máscara quando ele falhou em salvar Gwen da morte certa e sofremos juntos com ele… odiamos Duendes de qualquer tipo e ficamos confusos com a loucura de Kraven… tivemos medo da proximidade do Venom porque sabíamos o quanto Peter fica vulnerável sem o sentido de Aranha. E, claro, vibramos quando ele distribuiu sopapos em quem muito merecia! Ao contrário da musiquinha infame, o Homem-Aranha não só apanha, mas bate pra caramba também! E participou de batalhas memoráveis… sendo respeitado até pelos pesos-pesados do Universo Marvel.

Estamos em casa. Aqui o Homem-Aranha tira a máscara e recebe seus amigos. Espero que todos se sintam à vontade para comentar os posts, fazer críticas, sugestões e falar sobre o Aranha.

Esse foi um primeiro post pra inaugurar mesmo, um primeiro fio de teia. Estarei aqui de volta, tanto com minha nostalgia falando sobre o passado do Aranha, como para comentar sobre novidades na vida daquele escalador que considero nada menos do que um grande amigo. Entrem, sintam-se à vontade, o muquifo é nosso!

Anúncios

19 comentários sobre “Homem Aranha, não há lugar melhor que o lar!

  1. 14 anos de muquifo do Peter! Sempre me identifiquei com ele chegando em casa de madruga e ter a geladeira vazia. No final, acredito que esta foi a melhor fase aracnídea, mesmo com a tão criticada fase do uniforme preto (que também quer dizer uns dias ali de Guerras Secretas). Hoje confesso que cansei do Aranha, mas reviver o passado seeeeempre é bom 😉

    Curtir

    1. Ah, não canse não Thais!! Mas eu entendo o cansaço…nos últimos 15 anos houve muitas revoluções editorais pro Aranha, um verdadeiro samba do criolo doido em um personagem que tinha uma linha cronológica tão acertadinha. Tb acho que essa fase do muquifo foi uma das melhores fases ( e uniforme negro inclusive)… e as histórias atuais do Aranha estão muito parecidas com as daquela fase – tem até um muquifo e não é a toa!- e estou achando bacana pra caramba. No próximo post falarei sobre isso. Beijao!!

      Curtir

  2. Muito bom o texto! Não conheço nada de Homem Aranha, mas a forma com que você escreveu me fez sentir íntimo dele. Fiquei com vontade de finalmente sair da casa dos meus pais também! hehehe
    27 anos… ta na hora né?

    Curtir

    1. Hahahaha…Arthur, brigadão!!
      Mas no que depender de comparações com o Aranha não se aflija… nas histórias recentes ele tem essa idade ou um pouco mais e há pouco tempo voltou a morar com a tia no Queens por uns tempos..hehehehe

      Curtir

  3. ” Homi Aranha… Homi Aranha… Nunca bate… Só apanha…” Não resisti e me lembrei do Didi cantando isso!
    Bom, o que falar a estrela da Marvel?
    Apesar que meu coração é todo DC, me rendo ao encanto desse herói ,sua excelente galeria de vilões, aos seus dramas pessoais e suas piadinhas.
    Amo a relação e o carinho dele com a Tia May… Nossos jovens leitores com certeza não tem essa atitude com os idosos… Ou tem?
    Sem falar na Mary Jane… Eu vivo uma relação de amor e ódio com a Lois, mas a Mary Jane… Ah! Essa é perfeita!
    E podem me xingar que meu desenho da Marvel favorito é Homem Aranha e seus incríveis amigos. Adoro ele trabalhando em grupo. A formação dos Vingadores em que ele esteve era excelente…
    Ah! Eu goxxxto. Tú goxxta?
    Vamos lá meninos do Santuário e falem do Aranha e sua “turma”

    Curtir

    1. Meu queridão, eu como jovem leitor nos meus idos 20 anos peguei uma mulher de 50…isso seria uma atitude de carinho com os idosos? …hã.. ou lascivia?…nunca soube.Se eu esperasse mais um ano pra chegar junto teria sido uma boa idéia!

      Curtir

      1. Gosto muito do Aranha com o Demolidor, rola uma certa complementaridade entre as personalidades. Com o Tocha o jogo é bom também, são engraçados, na verdade uma dupla muito forte mesmo, muito difícil de ser batida fisicamente…
        Aranha e Avengers…. sempre gostei tb…e Aranha e New Avengers estava legal, mas aquela coisa Peter/MJ/Tia May tomando café da manhã com todos os Vingadores reunidos como uma grande família vestida de lycra me incomodou bastante…como se anos e anos de escolha por divisão entre vida de herói e vida íntima fosse uma inconveniência, como se não fosse uma mega escolha que fazia muito sentido pela personalidade do Aranha. Peter e MJ se pegando na frente do Capitão, Tony Stark e Cia me deu uma impressão de “Big Brother Avengers”. Mais um motivo pra estar adorando a fase depois de “One More Day” em que NINGUÉM mais sabe quem é o Aranha… mas existem dezenas de outros ótimos team-ups interessantes envolvendo o Aranha que poderiam ser comentados….

        Curtir

    2. E Aloysio, vc tem razão, a relação carinhosa do Peter com sua tia idosa chama muuuto a atenção pelo respeito e o carinho. Essa relação, no entanto, também tem um outro lado, mais sombrio, em que culpa e sentimento de responsabilidade se misturam em via de mão dupla… afinal Peter se sente culpado pela morte do tio, por ter deixado May “sozinha”no mundo, e por esconder dela uma parte enorme de sua vida, além do sentimento de gratidão, obrigação, por ter ido acolhido pelos tios. May tb se sente eternamente culpada, já que sentiu Peter como um fardo quando seus pais biológicos pediram para que ela tomasse conta dele- Ben e May haviam optado por não ter filhos. Some a isso a dependência afetiva que ela cria em relação ao sobrinho com a morte de Ben…. uma coisa que não se pode negar é que são sentimentos muito fortes. Não me veja como crítico maldoso, mas acho que nem tudo são flores na família Parker- e por isso é tão interessante.

      Curtir

  4. O Homem Aranha é a melhor criação do Stan Lee e muito antes da mania mutante, o carro chefe da editora Marvel! Wolverine é o escambáu!!! E depois do Batman acho que é ele que tem a melhor galeria de vilões .Que tal um crossover do Peter Parker com o Monte Castelo, Henry Garrit? Todos nós amamos o Aranha! Ah Victor…ta bom, até a Ana Carolina também, lógico.

    Curtir

    1. Crossover Parker/Monte Castelo: O fotógrafo Peter Parker é enviado pelo DB para fotografar valiosíssimas relíquias, porém seu repentino desaparecimento o leva a se enredar numa trama de ocultismo e assassinatos. Um misterioso playboy chamado Diego Monte Castelo poderia realmente ajudá-lo nessa investigação ou ele sabe sobre os crimes mais do que está disposto a revelar? Ele não parece ser uma ameaça mas por que seu sentido de aranha toca toda vez que Castelo está por perto?

      auhsuhaushuauahshuau Concordo, Fred!! o Aranha está no coração de todo marvelete e a ideia do crossover seria ótima, gostei muito do Monte Castelo, seria um encontro interessantíssimo, quem sabe o Garrit não se empolga???

      Curtir

    2. O Aranha foi meu herói favorito da infância e embora eu não acompanhe o gibi dele há alguns anos, sempre vou ter boas lembranças… (já deixei de comprar muitos lanches na escola pra levar o gibi do aracnídeo pra casa também…) Mas CLARO!, Escrevo um crossover entre Aranha e Monte Castelo agora! Será que o Todd Mcfarlane tá disponível pra desenhar? rsrsrs
      Mas sério, com o Aranha só se fosse algo muito DESAUTORIZADO mesmo pela Marvel… por outro lado, existem roteiros dele com personagens nacionais, devidamente consentidos pelos seus criadores. São as histórias Monte Castelo e Penitência (do Marcos Franco) e Monte Castelo, Crânio (do Francinildo Sena) e Frankenstein! Roteiros devidamente prontos, só falta aparecer alguém disposto a desenhar. Aceito voluntários! 😉

      Curtir

      1. Ó, boto fé! Desenhistas, manifestai-vos!

        PS:Garrit, , não espalha, mas se quiser depois te mostro meu portfolio de desenhos de palitinho, to trabalhando num estilo super peculiar. É uma releitura de uns trabalhos que fiz uns anos atrás, entre o Maternal e o Jardim.

        Curtir

  5. O Aranha foi meu primeiro herói favorito, colecionei muitas revistas, gastei meu primeiro salário TODO em revistas do Aranha !!! Revistas essas que foram parar na mão de um amigo, depois de uma crise de identidade na qual doei todo meu acervo na esperança de, assim, amadurecer e não ficar mais lendo aquelas porcarias…. pura ilusão, continuei a ler as porcarias, mantendo o vício nos quadrinhos e a amizade com o tal aracnofã que levou minha coleção hehe.

    Adorei o post, me fez lembrar de porquê gostava tanto do Aranha – por ele ser comm, não ter comida na geladeira, ficar dividido entre namoradas complicadas e vizinhas chatas… um herói comum, que só vai a outras dimensões compbater o fim do universo de vez em quando…

    Espero que o muquifo nunca cesse com suas crônicas, e que todas tenham esta pegada irônica de quem sabe do que está falando. Parabéns !!!!!!!!!!!!!!!

    Curtir

  6. Pra mim, um menininho classe média alta é muito difícil entrar nesse muquifo…é nada! Longa vida Aranha e seu lindo muquifo.Eu também já me vi adolescente e identificado com todos os dramas de Peter Parker, principalmente quando juntava os trocadinhos pela casa, que meus avós deixavam para comprar as revistas deles. Era viciado em Aranha, que nem a cantora Ana Carolina!

    Curtir

    1. HAHAHAHA Cara, claro que vivi exatamente a mesma coisa…lembro de guardar o dinheiro do lanche da escola pra comprar a revistinha Homem-Aranha do mês na volta pra casa….foda era quando ficava com fome e a revista não saía no dia previsto… mas tinha tb a revistinha Teia do Aranha pra aplacar a ansiedade até sair o título principal…

      Realmente, Ana carolina é nossa aracnofã número 1 uahushauhsuahushua

      Curtir

  7. Texto acolhedor, certamente vou frequentar esse muquifo.
    Um dos primeiros quadrinhos do aranha que comprei, o camaleão se fingiu de Peter e tentou viver no seu lugar. Seus planos falham quando ele leva uma surra de MJ, que percebeu ser um impostor assim que entrou em casa. Ela conhece Peter Parker. Nós que dividimos (e dividiremos) com ele, seu muquifo, também o conhecemos.

    Curtir

    1. Valeu, xará!!!- no melhor estilo de gíria do Aranha

      Concordo totalmente! MJ conhece o Peter melhor do que qualquer um. Em breve falaremos mais dela com certeza. De certa maneira, dentro todo o elenco de personagens da vida do Peter, ela é a que tem uma perspectiva dos acontecimentos mais próxima do leitor- claro que isso varia imensamente de acordo com os roteiristas, etc. Se somos amigos do Aranha, de alguma forma somos todos cúmplices dela tb…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s