NOVA LIGA DA JUSTIÇA + JACK KIRBY + DC RELAUNCH = BOA E VELHA DIVERSÃO!!!

Ou: “Não é assassinato quando você está salvando o mundo”.

Por Rodrigo Garrit

Comemorando os três meses de existência do Santuário, hoje teremos uma resenha tripla de Liga da Justiça #1, #2 e #3, na qual lançaremos um olhar tão minucioso quanto descompromissado naquela que é a pedra fundamental da nova estrutura da DC Comics Pós-Relaunch.

Esse artigo contém spoilers. Caso não queira saber o que vai acontecer, pegue o próximo tubo de explosão e visite nossa Sexta Maldita ou qualquer outro aposento deste humilde Santuário.

Aqui começa a base na qual se reinicia todo Universo DC. Esta é a Liga da justiça, a maior equipe de super-heróis de todos os tempos. Mas por enquanto, para o mundo eles não passam de estranhos com superpoderes. A história começa cinco anos no passado, e é quando se dá início a Era Heroica da DC. Esses são os primeiros encontros, as primeiras batalhas, as primeiras aparições. Ninguém sabe o que esperar deles, nem eles próprios. Vemos os personagens ainda dando seus primeiros passos, um pouco mais imaturos e inseguros, cometendo erros primários de julgamento e ao mesmo tempo mergulhando de cabeça na adrenalina dos acontecimentos.

“O mundo nos teme”.

“Você diz isso como se fosse uma coisa boa”.

“É necessário”.

Batman e Lanterna verde

Os novos deuses de Jack Kirby inauguram a nova era de guerras espaciais na DC Comics Pós -Relaunch. São as forças de Apokolips e seu soberano Darkseid que atacam a Terra, forçando uma aliança involuntária entre alguns recentemente intitulados super-heróis. Eles mal se conhecem, e na verdade eles nem têm certeza se querem se conhecer. Mas no meio do vendaval causado pela invasão, acabam colocando-se todos na mesma arena.

“Dark Side? O que é isso? Uma banda?”

Lanterna Verde

Batman futucando a caixa do mal…

A Terra está sendo invadida por criaturas misteriosas que atacam diversos pontos ao mesmo tempo, espalhando caixas de tecnologia estranha em diversos lugares diferentes, esses cubos explosivos plantados em vários pontos da cidade, desencadeiam terríveis tubos de explosões e abrem caminho para o exército de Darkseid na Terra. Seus objetivos ainda são incertos, mas suas intenções hostis ficam óbvias. 

 “Barry, você está expondo sua identidade”!

“E você acabou de me chamar de ‘Barry’, gênio”.

Lanterna Verde e Flash

Em meios as batalhas contra os demônios de Apokolips, o caminho de alguns heróis vai se cruzando, como foi o caso de Batman e Lanterna Verde (Hal Jordan). Depois eles decidem procurar o Superman em Metropolis, já que houve boatos de que ele era um extraterrestre, então talvez fosse uma boa ideia perguntar para ele se sabe de algo, ou se talvez ele seja o responsável por toda a bagunça. Mas não foi uma boa ideia. O tempo fecha entre eles,  e até explicar que fucinho de porco não é tomada, temos mais um clássico “heróis-lutam-e-depois-se-unem-contra-ameaça-em-comum”. O Lanterna demonstra conhecer o Flash, já tendo trabalhado com ele no passado e inclusive o chamando por seu verdadeiro nome.

“Ele me bateu de verdade. Ai”.

Flash

Novos uniformes para uma nova geração…
A Caixa nada Materna…

Batman como sempre é o personagem soturno e o único que realmente parece seguro de si. Pelo menos no time dos meninos, porque Diana está radiante, está em casa. Hal Jordan encontra-se no auge da sua inexperiência, contando vantagem e sendo muito dependente do anel. O Superman surpreendeu pela sua ferocidade ao atacar os demônios de Darkseid, arremessando carros e postes contra eles, mutilando e matando muitos. Algumas pessoas podem ficar escandalizados com a violência excessiva empregada por ele, mas eu não me surpreendi. Eu não vejo como ele pode ficar menos heroico só porque não pegou os demônios no colinho e ofereceu um leitinho com pera. Ele ainda é o Superman, porque ele pode fazer todas essas coisas… mas escolheu fazer o bem, ajudar as pessoas em vez de se voltar contra a humanidade. Não é assassinato quando você está salvando o mundo.

“Alguém anotou o número daquele trem? Aquilo estava vestindo uma capa”!

Lanterna Verde

Além do mais, as pessoas no caminho das criaturas são mortas como moscas, sem dó nem piedade, embora pareça que estão mais preocupadas em sequestrar espécimes humanos do que matar. Uma das vítimas da onda de ataques é Victor Stone, que tem seu corpo atingido por uma descarga de energia que o deixa à beira da morte. Porém, seu pai, o cientista Silas Stone, um estudioso dessa nova leva de superseres que assolam o planeta, decide não desistir de Victor e o remove para um laboratório restrito do Star, onde usa a tecnologia que reuniu em suas pesquisas para manter o jovem vivo, embora boa parte de seu corpo tenha sido severamente comprometido. É basicamente a essência da origem clássica do Ciborgue, que atacado por seres de outra dimensão tem parte de seu corpo reconstruído pelo gênio científico que é seu pai. A principal mudança fica por conta de que nesse relaunch, os seres alienígenas que causam seus ferimentos são de Apokolips e ele parece desenvolver uma espécie de ligação telepática com Darkseid, tendo visões do mesmo em seu planeta natal. Um personagem riquíssimo que merece estar no panteão da Liga da Justiça há tempos, desde que ensaiou sua entrada na equipe no clássico desenho animado “Superamigos”, mas claro sem nunca esquecer sua marcante participação nos Novos Titãs. (Que continua valendo na nova cronologia).

“Eu já vi a mãe dele morrer. Me recuso a vê-lo morrer também”!

Silas Stone

A Mulher Maravilha é uma atração à parte. Diana parece ter acabado de chegar ao mundo do Patriarcado, e tudo é uma grande novidade pra ela. Ela nunca assistiu televisão nem comeu sorvete; é a guerreira amazona em seu estado bruto, pronta para se juntar aos outros guerreiros e morrer lutando se for preciso. Com um sorriso no rosto.

“Alguém viu uma Hárpia”?

Mulher Maravilha

Jim Lee homenageia Jonh Byrne, que desenhou a primeira aparição de Diana na série “Lendas”, na cronologia pós Crise nas Infinitas Terras.

Mas é claro que o rei dos mares e personagem extremamente bem sucedido do relaunch, Aquaman, não poderia ficar de fora. Ele surge de forma imponente. Ele é o novo maior herói de todos os tempos da última semana. Mas pretende ficar nesse posto por muito tempo. Ele aparece logo depois que um enorme aerolito monolito se ergue do mar, fruto das maquinações de Darkseid. Aquaman não gosta nada dessa situação e vem tirar satisfações com o povo da superfície.

“Quem está no comando aqui? Eu voto em mim”.

Aquaman

Verdade seja dita, as três edições trazem histórias bem simples, então não espere mesmo um roteiro super elaborado, mas a revista é ágil e divertida, não requer nenhum esforço para compreensão nem carece de pesquisa externa para ser entendida. Não é uma obra prima literária em quadrinhos, mas é um gibi de super heróis muito bem feito, com diálogos afiados de Geoff Jonhs e os competentes desenhos de Jim Lee, que amem ou odeiem, nasceu para fazer isso.

“Quais são seus poderes afinal? Você não pode voar”.

“Não”.

“Super força”?

“Não”.

“Espera um segundo… você não é só um cara numa fantasia de morcego é? VOCÊ TÁ DE BRINCADEIRA COMIGO”?!

Lanterna Verde e Batman

Até o fechamento desse artigo, Liga da Justiça estava indo para quinta reimpressão…  uma façanha que há anos não acontecia com um gibi da DC Comics.  Com toda essa visibilidade e oportunidade, torço para que a QUALIDADE dos materiais apresentados não caia, e que os quadrinhos saiam desse perigo de quase extinção pelo qual passaram e voltem com força total, conquistando também as novas gerações.

Os ventos da mudança são bem vindos quando levam embora os erros do passado e proporcionam novos recomeços.

Anúncios

10 comentários sobre “NOVA LIGA DA JUSTIÇA + JACK KIRBY + DC RELAUNCH = BOA E VELHA DIVERSÃO!!!

  1. Como ficou explícito no próprio post:”Podemos esperar muita diversão.”E concordo plenamente com essa máxima.Tendo esse reboot uma função de aprocimar/atrair novos leitores.Ou seja,uma estratégia “massa-véia” da DC.Bom,li alguns números por mera curiosidade.Posso dizer que são divertidos.Com desenhos bacanas e “moderninhos”.Nada de mais.Nesse momento estou lendo os clássicos,então C# para essa nova leva.

    Curtir

  2. Tenho gostado do título da Liga até o presente momento.

    Fiquei muito feliz por ver o Ciborgue ganhando um espaço no grupo, pois o personagem merece essa “promoção” a anos e como nunca fui fã do Ajax, posso dizer que a substituição me agradou muito.

    Parabéns pela matéria. Ficou muito boa 😉

    Curtir

  3. Li essa matéria show de bola que você escreveu como um verdadeiro fã-caco (o equivalente macaco de fã boy). Parabéns Garrit, é isso aí. Essa revista é feita exatamente para entreter e faz isso bem. Roteiros mais elaborados encontramos nos títulos regulares de cada um deles. E para terminar, nada vale mais que ver os 6 grandes reunidos e ter o Aquaman chegando já “acontecendo”, botando banca como o soberano fodão que é.

    Curtir

    1. Valeu amigão… e vc tá certo eu sou fã mesmo, e creio estar me tornando um macacoide também… vai entender…
      A nova Liga é isso, pura diversão sem muitas reflexões profundas, mas se todos os gibis fossem um “Watchmen”;… ora… seria legal…né?
      Abs!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s