Homem Animal # 4 – A fera que existe em mim

Ou: “Sr. Meias, o gato, veio ajudar”.

Por Rodrigo Garrit

É mais um número desse já clássico folhetim moderno de terror em quadrinhos, escrito por Jeff Lemire e desenhado por Travel Foreman. Acompanhe também as resenhas de Homem Animal #1Homem Animal #2 e Homem Animal #3

Este artigo contém espaguete. Spoilers. E algumas coisas bem nojentas.

Dentro das entranhas conceituais das artérias invisíveis que pulsam a vida da Terra em vermelho, Buddy Baker e sua filha Maxine descobrem os segredos ocultos nas frestas da carne. Existe vida e consciência por trás de tudo o que pulsa vividamente ao redor do mundo. Existe um conselho de anciões controlando e mantendo o equilíbrio da vida desde tempos imemoriais. Os Totens do Parlamento dos Membros. Existem avatares, humanos ou não que se erguem contra seus inimigos naturais, a corrupção da vida, a deterioração da carne, o câncer e o tumor que brotam sob órgãos e sangue. Aquilo que vem antes da morte. O estágio final. O Podre.

Maxine está destinada a ser a avatar do Vermelho, aquela que comandará essa força primordial contra as hordas da podridão. Cabe ao seu pai, Buddy Baker, vulgo Homem Animal, apenas a missão de protegê-la e garantir que ela cumpra esse destino.

Eles são atacados por entidades enviadas pelo Podre, e empreendem uma batalha brutal, e embora sejam muitos, os agentes do podre são derrotados, pois dentro do coração do Vermelho, o poder de Buddy e principalmente, Maxine é muito grande. Uma vantagem que eles não terão na Terra. Buddy fica ferido, mas Maxine o “conserta”; ela cura a ferida no corpo dele como quem brinca de massinha. Para ela, a sensação foi exatamente essa. Embora tenham derrotado momentaneamente seus inimigos, a verdadeira batalha se forma no horizonte.

As entidades principais do Podre são antigos avatares do Vermelho, que após suas mortes, foram seduzidos pela promessa de poder. O Podre é uma força primordial consciente que deseja destruir tudo o que é vivo. Quero crer que ele não assiste novelas nem acessa as redes sociais, mas ele não está alheio ao que acontece no mundo, ao contrário, ele está bem ciente das relações interpessoais e elos afetuosos estabelecidos pelos humanos na instituição da família. E se aproveita disso, comendo pelas beiradas, atacando onde se é mais frágil; focando sua mão forte contra aqueles que ele ama.

Enquanto Buddy e Maxine continuam sua jornada espiritual xamanista e/ou alucinógena, Sua esposa Ellen e seu filho Cliff estão em rota de fuga após serem atacados por pessoas horrendamente deformadas pela influência do Podre. Ellen decide buscar ajuda de um detetive de policia conhecido e segue com ele para a fazenda de sua mãe, onde previamente havia combinado com Buddy, usaria como refúgio em caso de emergência. Mas o verdadeiro detetive está no porta-malas do carro, e quem guia o volante é uma cópia estável do podre, prestes a revelar sua verdadeira aparência aterradora.

No mundo imaginário (ou não) do Vermelho, O Parlamento dos Membros instruiu Buddy e Maxine sobre os perigos e obrigações eminentes; eles dizem também que há tempos fizeram um pacto com o “Verde”, unindo forças com ele prol do equilíbrio da vida e na luta contra o podre. Eles revelam que um homem chamado Alec Holland também está envolvido na luta contra o Podre, embora talvez ainda não saiba disso.  E pode vir a ajudar Buddy e Maxine. Se ainda estiver vivo. Ou livre da corrupção do Podre. Isso confirma minhas expectativas de interligação entre essa revista e a do Monstro do Pântano, como mencionei nas resenhas anteriores.

Um dos integrantes do Parlamento dos Membros decide se juntar a Buddy e sua filha em sua jornada, a fim de ajudar a treinar a garota, mesmo sabendo que nunca mais poderá retornar ao Vermelho. Para felicidade de Maxine, ele assume a forma de um gatinho falante, que explica que nem sempre os humanos são usados como avatares do Vermelho. Ele se chama Ignatius, mas já ganhou um apelido de Maxine: “Sr. Meias”.

No mundo real (ou não), Ellen conversa com sua mãe na fazenda, quando de repente dá falta de seu filho Cliff. Ela ouve um barulho no lado de fora da casa, e armada com um rifle, vai até lá para salvar sua cria, num misto de Sarah Connor com Desperate Housewives.

O que ela encontra, no entanto, é uma versão deformada e caricata de humano, devorando parte do corpo do detetive. A criatura se vira, fita seus olhos e diz:

“Mamãe”?

Continua no próximo número e na próxima resenha.

Nota: 10

Ah sim, onde está o “espaguete” que eu disse que haveria neste post? Reveja a primeira imagem deste artigo. Está lá.

Anúncios

8 comentários sobre “Homem Animal # 4 – A fera que existe em mim

  1. O personagem DC com mais cara de Marvel que eu conheço é o Homem-Animal (isso é um puta elogio vindo de mim) tenho acompanhado essa, que considero a melhor revista das 52 com muito orgulho. Jeff Lemire é o cara! Se esse material no Brasil tiver um encadernado, eu compro fácil. Maxine, a “Filha Animal” é quase o nosso Franklin Richards (filho do Sr. Fantástico) a criança mais poderosa da Terra.

    Curtir

    1. Concordo com você, Victor, e até hoje ainda espero por um encadernado decente da fase do Homem Animal de Grant Morrison e também sua passagem pela Vertigo, que foi igualmente foi muito boa. E já que mencionou o Franklin, um encadernado com a fase John Byrne no Quarteto Fantástico também seria legal! Ou será que isso já foi lançado e eu tô falando besteira? rsrs

      Curtir

  2. Tenso!!! Só isso que eu posso dizer!!! Cliff que sempre teve a vontade de ser um grande herói como o pai ter um fim assim….. Poderia até dizer que é covardia colocar o Swamp Thing nessa farofa toda, mas com o desenrolar das ações me parece uma consequência mais que óbvia. Me apareceu um clima de TWD nesse final….

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s