AQUAMAN – Seus olhos são, são verdes bofetadas no meu coração!

Por Venerável Victor Vaughan

Resenha de Aquaman #6 SPOILERS

Essa edição deveria se chamar “Mera #1”, valorizando o fato que a noiva de Aquaman ganha o papel de personagem principal desse capítulo. E da mesma forma que as edições #1, #2, #3, #4, #5 foram usadas para reestabelecer Aquaman como um verdadeiro peso pesado, essa é a vez de Mera mostrar porque ela é tão fabulosa. Sua habilidade de manipular água sempre foi impressionante no passado e de várias formas muito mais útil e ofensiva que os poderes de Arthur. Mas o roteirista Geoff Johns realmente deu um salto à frente com a personagem agora, utilizando suas habilidades em novas formas.

Nós também temos aqui um pouco da história pregressa de Mera, no início e no fim da edição um pouco do passado negro da personagem é revelado. Mantendo o que foi estabelecido em “O dia mais claro” – convenientemente, afinal também é um trabalho de Johns – ela foi mandada de sua dimensão natal, para a nossa no intuito de matar Aquaman, mas acabou por descobrir sua natureza nobre e se rebelou, sendo banida de seu reino no processo.

Agora no presente, Mera vai até uma pequena mercearia na cidadezinha de Amnesty Bay a fim de comprar ração de cachorro – o aqua-cão, lembram? – o animal que eles resgataram durante o arco da “Trincheira”. Infelizmente – não para nós – aconteceu que o gerente da loja não passava de um porco tarado, que costuma assediar sua empregada chamada Jennifer – que tolera essa situação por alguma razão – até que a estonteante rainha do mar entra na loja.

O gerente “cai matando” na mulher e toca Mera de forma inapropriada – Janette diria que ele a estaria bulinando – até que ela reage de uma maneira menos contida que Aquaman reagiria – se fosse bulinado também -, um segurança tenta prender ela, mas ela se altera, destruindo grandes recipientes de água e detonando tudo ao redor com vortex de água para se defender. As coisas só complicam quando a policia local é acionada e tenta intimidar a mulher de Aquaman com armas em punho. Ela enfrenta todos de uma vez, até que uma chamada de rádio na frequência da polícia informa que um homem chamado Ryan Slayter, que é acusado de matar a mulher, escapou da delegacia e está em sua casa, fazendo sua filha de refém. Mera imediatamente se rende e permite que seja levada em custódia.

Uma vez lá, Mera e a polícia descobrem que o tal Slayter está fazendo exatamente o que foi relatado no rádio. Ela para de interpretar que está resignada, arrebenta facilmente as algemas e arremessa a porta da viatura longe e enfrenta Slayter. Que está apontando uma pistola para a cabeça de sua filha. Ele debocha: “Você não pode fazer nada contra mim, eu tenho uma arma e você é um peixe fora d’água”.

Mera responde: “Eu não sei como Arthur suporta essa constante ignorância e comentários inapropriados, eu não vou fazer isso” e continua: “Por que todo mundo pensa que água é a nossa fraqueza? A falta de água não é minha fraqueza, é a de vocês.” Não quero destrinchar todos os diálogos dessa edição, mas sem um reserva suficiente de água próxima, ela tem que tirar água do lugar mais próximo. Ela rapidamente captura Slayter. Mas fica frustrada com a atitude da polícia e principalmente da filha do marginal e pula para o alto (não encontrando expressão melhor) chateada.

Sua aventura não termina de uma forma tão frustrante como ela acredita. Chegando ao farol onde mora com seu amado, Ela se senta em uma pedra de frente ao mar e pensa em seu pai, sua case e o quanto ela se sente isolada. Jennifer, a moça que trabalha na mercearia do início da história, aparece com comida de cachorro para ela, além de outros mimos para o animal do casal aquático. Ela dá para Mera seu número de telefone e lhe diz que pode ligar sempre que precisar de mais

“Eu apenas quero que você saiba… que nem todos nós somos maus” Ela explica.

“Não, vocês não são”.

Geoff Johns: roteiros

Aquaman finalmente chega e lhe diz que eles precisam ver o Dr. Steven Shin atrás de algumas respostas sobre quem afundou Atlântida (continuando a trama da edição anterior) e eles partem.

O artista da revista, nosso virtuoso Ivan Reis, não segurou a “onda” da revista inteira e Joe Prado teve que se molhar para finalizar as páginas. Ele faz um bom trabalho, mas seu estilo e traço não são o do Ivan, apesar de tão detalhista quanto. Os efeitos com água não estão tão reais quanto foram em edições anteriores, mas continuam muito bons.

Ivan Reis : desenhos

Mera assumiu uma atitude não tão simpática e política como seria de se apreciar pelos fãs da revista e por quem entrar em seu caminho, então em minha opinião, parabéns para Johns, é preciso muito peito para retratar uma personagem extremamente passiva e dócil do passado numa nova personalidade muito mais ativa e de pavio culto, como uma guerreira de outra cultura deveria ser, ao lidar com a ignorância e atraso terrestre. Ela aqui mostra a “badass” que realmente é e que em “Blackest Night” já tínhamos presenciado de relance, agora usado seus poderes de maneiras mais interessantes.

Ela aqui deixa bem claro que nem ela, nem Aquaman são dependentes do oceano para agirem com eficiência e não devem ser subestimados em nenhum ambiente. Serie

Joe Prado: Arte final

essa uma experiência para um possível novo título com ela? Talvez com Rob Liefeld escrevendo e desenhando? Eu duvido, mas se ela tivesse, se sairia bem, afinal Batman consegue estar em quatro, mais todos os títulos da Liga, ela com certeza conseguiria estar tranquilamente em dois.

Um conselho para você que é metido a valentão e gosta de mexer com as pessoas na rua, principalmente com mulheres com super poderes. Elas são, quase que sempre, muita areia para o seu caminhãozinho.

Anúncios

15 comentários sobre “AQUAMAN – Seus olhos são, são verdes bofetadas no meu coração!

  1. Eu discordo totalmente desse adjetivos que vcs deram a Mera, dócil e passiva, ela sempre foi o está sendo mostrado agora, mas como ela mesmo disse certa vez, ela estava aposentada de aventuras e este foi o grande erro de todos os roteiristas do Aquaman no passado, ter uma grande coajuvante e anula-la. Quanto aos poderes dela, se olharem revistas dos anos 70 pra baixo nas poucas vezes que ela age efetivamente ela fazia com água o que bem entendia similar aos constructos dos lanternas verdes. Agora ela está incrível.

    Curtir

    1. Disse tudo! Meu medo é ela ficar tão interessante que o Diddio mande matar ela e dê os poderes parar o Aquaman, em alguma comunidade do Orkut li algo assim, pensado por um fã e vou te falar, conhecendo aquele cara safado, não é tão absurdo assim a ideia.

      Curtir

  2. Ainda não sei o que pensar dessa edição… a arte caiu um pouco mas nada que pertubasse a leitura.

    A personalidade de mera ficou legal, ela vivia no fudno do mar, não estão acostumada com a vida na superfície; assim como seu marido é uma pária, o que fortalece os laços do casal; ela é “cabeça quente”, se irrita com facilidade e faz questão de confrontar quem a desrespeita, muito diferente desse Arthur; sinto um racismo nela, achando que o povo da superfície é inferior; ela é uma assassina treinada, então matar naõ é um problema, muitas vezes é a única solução que ela enxerga, e pelo que dá pra ver pelo flashback, ela só mata se achar que o motivo é justo.
    Ela tem senso de justiça e de seus poderes mais fica claro que ela se tornou uma “super-heroina” por causa do Aquaman.

    Gostei dos poderes dela também, não sabia que tinha toda essa extensão. Chegou a me lembrar da Katara, da Lenda de Aang.

    Gostei de terem introduzido a Jennifer, espero que ela e o policial dos primeiros números sejam frequentes.

    Mas a investida do gerente sobre um mulher super-poderosa, num mercadinho com funcionários e clientes, me pareceu forçado. Sei que isso pode acontecer, porém ele foi sem cautela, medo nenhum…

    Ela ter arrebentado a tubulação da loja para desarmar o segurança, sendo que aquela arma iria no máximo arranhar a pele dela, não sei, talvez ela pudesse ter achado outro jeito, mas talvez tenha sido o jeito mais seguro, ou signifique que o estilod e combate dela seja baseado no uso dos poderes e não no embate físico.

    E por mais que ela tenha o perfil acima, achei exagerada a reação dela no encontro com o o sequestrador… por amsi que aceite que ela tenha problemas com o pai dela e que isso pudesse ter influenciado, ficou a idéia que ela fez tudo aquilo porque o ele ficou rindo da cara dela. E se ela faz aquilo com tanta facilidade, naõ existe muitos desafios para ela.

    Por fim, fiquei achando que assim com a turma da Mônica, os Atlantes tem o hábito de possuírem várias roupas iguais, sempre usando o mesmo modelo todos os dias e todas as ocasiões heeheh

    Ficou muito grande isso aqui! Enfim, fiquei com uma sensação estranha, não digo que não gostei mas… sei lá rs

    Curtir

    1. Adorei seu ponto de vista Wbr, eu penso quase que exatamente igual, existe uma crítica no Geoff Johns de que ele costuma tornar todos os heróis, cópias do Adão Negro, pois foi uma fórmula que fez sucesso, no caso de Mera, que está sendo acusada disso agora por colegas fãs nossos, eu acredito que você defendeu muito bem as atitudes dela. E sim, ela é racista e se tornou “heroína” por causa da paixão pelo Arthur, uma vez que eles se separem, acabou…já não é o caso da Mulher Gavião, que conhecíamos antes do reboot, ela independente do casamento ou relação, tem o espírito heróico.

      Agora, o Maurício de Sousa, sim desenvolve todo o guarda-roupa dos Atlantes…

      Curtir

  3. Concordo que os poderes da Mera são mais úteis que os do Aquaman. Mesmo assim, o trabalho do Johns a frente do personagem parece muito bom e achei legal que ele mostrou uma história solo da Mera para variar.

    Em tempo: também acho essa nova caracterização da Mera interessante. De certa forma, o Johns deveria ter feito algo parecido com a Mulher Maravilha no seu título da Liga.

    Curtir

  4. Eu to vendo que vem aí uma Liga de personagens aquáticos, liderados por Aquaman, acho isso ótimo. Tem diversos interessantes, tanto do passado, da época Peter A. David (a Dolfin era um espetáculo a parte como coadjuvante), como outros criados mais recentes, tanto que temos um novo Aqualad (no desenho da Young Justice ele tá com um visual muito melhor). Vilões também, Arraia Negra de O Dia Mais Claro, eu adorei. E o Mestre do Oceano era interessante nas mãos do Morrison na época da LIga da Justiça dele. Essas criaturas da Trincheira marinha, não deram ainda o que podiam dar e são um elemento agressivo nota 10. Se o Johns tiver a boa vontade de expandir a mitologia aqui como fez com o Lanterna Verde, mais essa equipe criativa de três brasileiros TOP DE LINHA, ninguém segura essa revista.

    Curtir

    1. Tem o Deep Six, lembram? O Peter David trouxe a tona (rs) eles durante a passagem pela revista do Aquaman “Wolverine” dele (nesse arco as capas eram do Mignola, putz, fodas) e caso eu não esteja falando uma besteira muito grande, são criações de Jack Kirby! Taí outros vilões…

      Curtir

  5. Quando se pensa em grandes mulheres dos quadrinhos da DC, quem vem a cabeça? Mulher Maravilha. Supergirl. Batgirl. Os fãs mais assíduos vão lembrar de muitas outras, mas o grande público mantém essa trinca no inconsciente coletivo, o que é muito pouco. Desde os eventos de A noite mais densa, Mera tem sido colocada como uma guerreira admirável e pronta para atuar na linha de frente de qualquer Liga da Justiça, sem deixar nada a desejar a Mulher Maravilha. Não basta existirem muitas personagens femininas se elas não tem profundidade. Palmas a Geoff Johns pelo que ele tem feito com a Mera.

    Curtir

  6. “Bendito seja o santuário,
    Em que achei consolação!
    Meu bom Deus, o teu sacrário
    A paz me trouxe ao coração!”

    Adoro suas resenhas! Beijos!!!!

    Curtir

  7. Mera é uma personagem mais interessante que o Arthur…e gostei de como ela foi mostrada, nunca achei legal ela ser uma guerreira e de outra dimensão e ser tão dócil e passiva com essa galera da superfície da Terra,como era antes, quase sem personalidade e livre arbítrio. Não concordo que para se ter boas histórias se tenha que matar ninguém e não concordo que o herói tem que ficar ” badass” para ser COOL… mas no caso da Rainha do Mar, ficou ao meu ver perfeito. Também senti falta do Ivan Reis a frente de tuoos os desenhos, aqui.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s