PARA O HOMEM QUE TEM TUDO – Quem tem amigos, tem tudo?

Por Venerável Victor  “o homem que tem todos os macacos”  Vaughan

Hoje vamos a fundo de uma história sem spoilers, novidades ou crises globais. O argumento básico  é conhecido, e nem por isso menos surpreendente e cativante: Super-Homem, o último filho de Kripton, mimguém menos que o onipotente Kal-El, recebe um… presente de aniversário! Que por sinal é um parasita mental, que suga o ser do hospedeiro enquanto o encarcera numa realidade sugestionada que é tão somente… o maior sonho da pessoa! E qual seria o maior sonho do Super-Homem, o homem que tem tudo? Alan Moore trabalha esse tema de maneira sublime, criando uma emoção ímpar no leitor ao descobrirmos o real sonho do alienígena e depois a raiva do mesmo ao ser obrigado a renunciar a esse sonho.

Super-Homem: Levante-se verme! Você percebe o que fez comigo?

Mongul: Perfeitamente! Eu elaborei uma prisão que você não poderia abandonar sem abrir mão de seu maior desejo. Escapar dela deve ter sido como arrancar o próprio braço…

O “Passado”

Entre 1980 e 1984, Alan Moore se tornou uma presença recorrente nos créditos das revistas em quadrinhos publicadas na Inglaterra, tanto que a divisão britânica da Marvel e outras editoras do país contrataram-no para roteirizar histórias publicadas em suas revistas.

O início da década de 80 é apontado por estudiosos como um período marcado pelo aumento da popularidade dos quadrinhos no Reino Unido. Um público cada vez menos infantil estava consumindo as revistas e Moore era o escritor mais produtivo e conceituado dessa época. Em mais de uma oportunidade seria Dave Gibbons quem desenharia suas histórias, numa parceria que vinha agradando ambos.

Alam Moore & Dave Gibbons

O talento de Gibbons chamou a atenção da DC ainda em 1982, e já naquele ano o lendário Len Wein o contratou para desenhar a revista Green Lantern Corps. No ano seguinte seria a vez de Moore ser contratado por Wein, que buscava um escritor que pudesse assumir a função de roteirista da revista Swamp Thing, que vinha enfrentando baixas vendas. Moore não apenas faria o título voltar a ter bons resultados de vendas, como seria o responsável, ao lado de outros artistas, por reinventar o personagem Monstro do Pântano, introduzindo em suas tramas uma temática até então inédita, tratando de forma experimental questões sociais e ambientais. Moore assumiu a revista em 1984 e seus roteiros logo atraíram a atenção de público e crítica, impulsionando a editora a contratar outros roteiristas europeus, como Grant Morrison, Peter Milligan e Neil Gaiman, para escreverem outras séries de apelo similar que posteriormente marcariam o início do selo Vertigo de quadrinhos adultos.

Publicada originalmente em Superman Annual 11 de 1985, e recentemente aqui em Grandes Clássicos DC, “Para o Homem que tem tudo” é uma das histórias do britânico que, sempre à frente de seu tempo, também esteve à frente do Homem de Aço.

Considerada uma obra-prima e certamente uma das melhores histórias em quadrinhos já publicada (assim como A Piada Mortal), foi magistralmente ilustrada por Dave Gibbons, o mesmo de Watchmen, parceiro recorrente de Moore.

Tanto antes quanto enquanto trabalhava com o Monstro do Pântano, Moore submeteu à editora inúmeras propostas, buscando trabalhar com personagens como o Caçador de Marte e os Desafiadores do Desconhecido , uma das criações de Jack kirby para a DC, mas todas acabavam rejeitadas por já estarem sendo desenvolvidos projetos com outros escritores envolvendo esses personagens. Pouco depois, o editor Julius Schwartz questionou Gibbons sobre a possibilidade de desenhar uma história de Super-Homem. Gibbons declarou-se disponível, mas perguntou a Schwartz quem ele colocaria para roteirizar a história. Quando lhe foi dito que ele poderia escolher quem escreveria , imediatamente apontou Moore, e rapidamente For the Man Who Has Everything começou a ganhar forma.

Essa história faz parte da cronologia pré-Crise nas Infinitas Terras e prova o argumento de Moore de que o problema da DC não era a cronologia zoada e nem o Multi-verso, e sim a falta de criatividade . For the Man Who Has Everything é vista como uma obra representativa na “Era de Bronze” dos quadrinhos –  entre 1970 a 1986 – por sua abordagem e ineditismo, vindo a ser quase vinte anos após a sua publicação, adaptada pelo também genial escritor J. M. DeMatteis para a série de animação Liga da Justiça Sem Limites.

Participam da história Batman, Robin – aqui o insuportável Jason Todd que substituía Dick Grayson – e a Mulher-Maravilha, todos em suas encarnações pré-crise, ou seja, não espere um Batman sombrio, no entanto esse Batman funciona maravilhosamente, como Dennis O’Neal e Neal Adams tinha mostrado em Contos do Demônio, é um Batman mais detetivesco, como o que Grant Morrison tenta recuperar nos quadrinhos atuais

Repleto de cenas memoráveis, diálogos sublimes, como de praxe nas obras de Alan Moore, além da arte fenomenal de Gibbons, essa é uma leitura obrigatória para qualquer fã de quadrinhos, pois se configura como uma das maiores obras-primas do gênero. E se isso não o convenceu a ler, um último argumento: Moore deve ser o único roteirista a utilizar Jason Todd de maneira inteligente antes da morte do pivete.

O “Presente”

Em 29 de fevereiro, no Círculo Polar Ártico, Batman e Jason Todd, o novo Robin, encontram-se com a Mulher-Maravilha na frente da Fortaleza da Solidão. Batman apresenta Jason a Mulher-Maravilha.  Ao entrarem no local, deparam-se com Super-Homem num estado vegetativo e com uma grande planta alienígena presa ao seu peito, com tentáculos em volta de seu corpo.

Paralelamente, é retratado o que passa no interior da mente de Super-Homem… como “Kal-El”, ele vive feliz em um planeta Krypton que jamais foi destruído. Casado com a ex-atriz Lyra Lellol e pai de duas crianças, Van e Orna. Kal-El trabalha no Instituto de Geologia da cidade. Para seu aniversário, seus entes queridos lhe fazem uma festa surpresa, no qual estão presentes sua prima Kara Zor-El, e quase todos os seus familiares, mas não seu pai, Jor-El. No dia seguinte, Kal vai ao trabalho de seu pai, e o encontra em reunião com Lor-Em, líder de uma seita nomeada “Espada de Rao” e Dax-Ar, major do exército kryptoniano. Jor-El pretende se aproveitar do prestígio dos dois para obter maior poder político. Pai e filho começam a discutir, e enquanto Kal tenta expor que se associar com grupos extremistas pode ser ainda mais prejudicial para a já debilitada carreira de Jor-El, este começa a reclamar da deteriorização dos valores em Krypton, com o aumento do tráfico de drogas e o surgimento de problemas raciais com os imigrantes da Ilha Vathlo. É revelado que Lara, a mãe de Jor-El, havia falecido anos antes e que Jor-El havia sido expulso do Conselho de Ciência de Krypton após sua previsão de que o planeta iria explodir se mostrar uma inverdade.

Na Fortaleza da Solidão, Batman analisa a situação, e presume que o embrulho com o “presente” deve ter chegado pelo Canal de teletransporte, enviado por um dos muitos mundos agradecidos pela ajuda de Super-Homem, que não devia saber dos efeitos da planta. Nesse instante, Mongul surge, e revela-se o responsável pelo envio do presente, cuja nome é “Clemência Negra”. Ele explica que a Clemência atraca-se à sua vítima de forma simbiótica, alimentando-se de sua aura e, em contrapartida, provocando um transe que havia colocando o kryptoniano num estado comatoso, vivendo um sonho extremamente realista e plausível com base em seu “desejo do coração”. Mongul, então, ironiza os três heróis, perguntando para Batman qual deles deveria morrer primeiro: “Sei que sua sociedade faz distinções com base em gênero e idade. Talvez, então, devam me orientar sobre qual de vocês a etiqueta pede que morra primeiro!“. Batman e Mulher-Maravilha se entreolham, e ela avança contra o monstro. Enquanto a Mulher-Maravilha tenta conter o vilão, Batman e Robin buscam uma forma de remover a Clemência de Super-Homem

Em seu sonho, “Kal” vê-se parte de uma sociedade kryptoniana cada vez mais polarizada, vítima de forte agitação política. Enquanto Jor-El tornou-se líder de um movimento reacionário extremista, buscando um retorno ao Krypton “nobre e imaculado” do passado, um grupo rival, contrário à existência da Zona Fantasma – a dimensão paralela que serve de sistema prisional perpétuo para os condenados kryptonianos – agride brutalmente Kara Zor-El e começa a manifestar-se cada vez mais contra “o clã dos El”. O momento em que Batman consegue remover a Clemência do peito de Super-Homem coincide com o instante em que o sonho de “Kal” se dissolve: durante uma visita à cratera de Kandor, um pressentimento lhe faz questionar se seu filho, Van-El, era mesmo real.

A Clemência solta o corpo de Super-Homem, agarrando-se ao de Batman, que começa a viver o seu “desejo do coração”: Quando criança, ao invés de ver seus pais serem assassinatos na sua frente durante um assalto, o jovem Bruce Wayne apenas presencia seu pai desarmar o assaltante, e a partir daí passa a viver uma vida relativamente normal, chegando a se casar e ter uma filha. Clark pergunta para Robin quem foi o responsável pelo ataque. Enfurecido ao saber quem havia enviado o “presente”, ele voa através da Fortaleza, avançando contra o vilão enquanto Jason usa o equipamento esquecido por Mongul para retirar de Batman a Clemência que o controlava.

Super-Homem esmurra o rival buscando vingar-se pelo que havia passado, numa emblemática sequência. Conforme os dois trocam ataques tão fortes que interferem em sismógrafos, Mongul detalha a perversidade de seu plano. O combate entre os dois persiste, destruindo largas porções da Fortaleza da Solidão, mas como ambos são virtualmente indestrutíveis, o embate se torna frustrante para os dois.

Por um segundo, Super-Homem fraqueja, ao lembrar de Krypton e nesse instante Mongul tenta matá-lo, mas é então surpreendido por Robin, que solta sobre o corpo do vilão a Clemência Negra.

Enquanto Mongul, dominado pela planta, começa a viver o seu sonho de conquistar o universo, Super-Homem joga-o num buraco negro e Batman e Mulher-Maravilha enfim entregam seus presentes.

O presente de Batman – uma rosa produzida em laboratório chamada “Krypton” – havia sido destruído durante o combate, e o da Mulher-Maravilha – uma réplica da cidade miniaturizada de Kandor, feita pelas “projetistas de joias” da Ilha Paraíso para lembrar Super-Homem da verdadeira, que havia sido ampliada e enviada para outra dimensão nessa época da cronologia . No entanto era algo que Clark Kent já tinha. Sem que ninguém perceba, ele, fazendo uso de sua super-velocidade, esconde a réplica que já possuía e gentilmente agradece o presente, afirmando ser aquilo “o que sempre quis”. O “homem que tem tudo”, então, abraça seus amigos e diz: “Alguém prepara café enquanto eu dou um jeito na casa?

Anúncios

72 comentários sobre “PARA O HOMEM QUE TEM TUDO – Quem tem amigos, tem tudo?

  1. Só uma correção: a última publicação dessa história por aqui foi na coleção DC 75 Anos, mais precisamente no número 3. Sei disso porque foi nessa revista que eu tive contato com a história, já que até então o meu conhecimento se resumia a matérias de revistas, menções em textos sobre HQs e a adaptação em LJU.

    A história é realmente muito boa e envolve bastante o leitor. A única coisinha que me incomodou foi o beijo entre a MM e o Super pois nunca fui fã desse casal. Mas gostei da piadinha da Diana “óbvio, demais?”.

    De qualquer forma, nem tinha percebido o lance da réplica de Kandor. Obrigado pela curiosidade.

    Abraços!

    Curtir

  2. É ótimo ver pessoas boas em algo fazendo o que sabem de melhor. Afinal, é óbvio pensar que não daria certo o Dave Gibbons sendo comentarista de hóquei no gelo ou o Alan Moore falando sobre política ou sua visão sobre o mercado cinematográfico…

    Curtir

  3. O.O o meu deus é isso mesmo a mulher maravilha beijo o Super Homem ?
    nossa o bat ficou com siumes em ^^
    hahahaha
    muito boa a materia !
    eu queria ter o poder de uma prisao desa só pra mim jogar ela no
    presidente do EUA !

    Curtir

    1. Eu não me preocuparia muito com o presidente dos EUA, artístico Gabriel, afinal em “Ultimates” da Marvel, agora a pouco, Washington virou poeira e em Action Comics desse mês descobrimos que na Terra 23 (?) o Super-Homem de lá é o Obama… Eu não quero dar uma de vidente, mas por si só a coisa fica sempre complicada para ele.

      Curtir

  4. Chronos me segura!!! Bons tempos esse! Em que antes e principalmente após um reboot eu tinha valor na DC comics!!! Tudo bem que logo após essa história, assim que a Crise nas Infinitas Terras acabou, meu martírio rumo ao Tártaro apenas tinha começado…

    Curtir

  5. História genial. Aquilo que poderia ser classificado de brilhante, pois quando junta um roteirista fantástico com um desenhista muito competente temos uma obra prima para alimentarmos o nosso vício por hqs.

    Curtir

  6. Tem uma coisa que pouca gente percebe, uma analogia genial no fim da história.
    Quando o Super olha a planta chamada krypton pisoteada, e fala pro Batman “talvez tenha sido melhor assim”, ele pode estar falando não apenas da planta, mas da destruição de seu planeta natal. Ou seja, ele acaba aceitando que é melhor ser o Super Homem aqui na Terra, onde ele vive feliz com seus amigos, do que em uma Krypton cheia de problemas, se tudo aquilo realmente acontecesse. Com certeza, esse é o motivo maior da raiva com que ele ataca o Mongul depois. Ele não estava “p” por que o sonho com Krypton era falso, mas porque tudo aquilo era ruim demais pra se viver.

    Curtir

  7. Ótimo texto. Fortalece ainda mais a minha opinião de que nem tudo precisa ser muito alterado para contar boas estórias. Basta ser criativo… Isso o Moore tem de sobra.

    Curtir

  8. Uma história importante, emblemática e muito atual. Esse epílogo não foi usado na animação, o que foi uma pena, mas assim mesmo o resultado ficou bem satisfatório. Só tomem cuidado com uma coisa: aqueles que lerem “Before Watchmen” não poderão mais ler e nenhuma obra dele, conforme ele pediu. Ou poderão, por sua conta e risco…

    Curtir

  9. Você reúne um bom desenho e um bom texto e obtem um ótimo quadrinho. Agora quando vc reúne um texto fantástico( Moore) e uma arte sólida (Gibbons) …o resultado é um clássico!

    Curtir

  10. Boa lembrança. Mas para ser bem sincenro, eu prefiro a passagem de Moore pelo Monstro do Pântano e numa HQ entre o verdoso e o Superman do que A Piada Mortal e outras. O legal foi também a reprodução desta HQ para os desenhos animados.

    Curtir

      1. Sincero Joubert! O cavaleiro defensor de nossos “ouvidos”, lógico que suas palavras são sinceras, mas concordando ou não, prefiro o barulho da sua discordância sobre a relevância dessa história que o silêncio frio de uma omissão opinativa sua! 🙂

        Curtir

  11. Momento nostalgia sempre é bom quando não se mete o pau no que é atual. Talvez é o que os fãs antigos devem fazer: libertar-se do parasita que os prende num mundo de fantasia que não mais existe e encarar a realidade que não é tão dura. Mesmo recebendo presentes (as coisas novas) de bom grado e de braços abertos, mesmo que a gente já tenha visto antes e nos pareça inútil.
    A arte de Dave tão inconfudível, tem a facilidade de nos remeter a um ambiente mais ingênuo, simples e infantil até…
    Ouvindo MPB e escrevendo essas linhas agredecidas ao trabalho de meu amigo carioca macaco…parabéns Vic!

    Curtir

  12. Salve V.V.V.,Mr.Monkeyman,faz tempo q me dedico aos quadrinhos ‘udigrudi’…..ando lendo poucos heróis de ‘cueca por cima das calças’,mas essa matéria me deixou com MUITA vontade de ler esta historia,apesar d conhece-la das animações……valeu cara,sempre bem escrito e claro,,,,Santuário acertando na ‘moleira’ sempre,,,,,,,

    Curtir

  13. Sou Marvette assumida, mas Alam Moore está acima do bem e do mal, de DC ou Marvel!!! E o Dave Gibbons não está no reboot da DC??? Eles deveriam buscar o cara para uma mensal! Ele está em Before Watchmen??? 🙂

    Curtir

    1. Penso de forma semelhante… também sou marvete e também acho que o Alan está acima do bem e do mal, da Marvel e DC… pena que ele tenha tão poucos trabalhos pela Marvel…

      Sobre o Gibbons creio que ele não esteja em Before Watchmen DESENHANDO… creio que ele tenha participado do planejamento e coisa e tal… eu sei que o Higgins (o colorista original de watchmen) está participando nos desenhos do análogo beforewatchmeniano do conto do cargueiro negro.

      Curtir

      1. A opinião de Dave Gibbons sobre BEFORE WATCHMEN:
        “After that we were ready to see other ideas that we hadn’t seen before but instead we saw our own idea come back to us again and again.”
        🙂

        Curtir

  14. Cara essa é uma das minhas Historias Favoritas do azulão! juntamente com o que aconteçeu com o homem de aço tambem do Moore! foi bem adaptada pra Animação! tinha o formatinho da abril (superpowers) e o encadernado GRANDES CLASSICOS DC enfeita com orgulho a minha estante!

    Curtir

  15. Para o homem que tem tudo é uma das histórias do homem de aço q eu mais gosto !
    3V’s sempre escrevendo textos ótimos !
    muito massa !
    Assistir o episódio da Liga da justiça ! Muito bom essa história^^

    Curtir

  16. O Toddynho andando com sua cuequinha verde no frio do Ártico é sacanagem! BWAHAHAHAHAHAHAHA

    Excelente texto VVV! Lembro dessa história no desenho da Liga.

    Curtir

  17. Essa é na minha opinião a melhor historia do Super fora da era Byrne. Apesar da inocencia (sem ser piegas) ela é a grande historia do Super. Não é uma daquelas revistas que se descobre novos detalhes como outras do mestre Moore, o desenho não e cheio de detalhes e por isso o argumento é que se sobressai. Penso que se fosse o George “Paulo Joubert” Perez ou o John “Rodrigo Antonio” Byrne ou ainda um Brian Bolland não teria sido tão bom pois a arte talvez tivesse deixado a historia em segundo plano.
    Mas agora falando em Brian Bolland… a maxiserie Camelot 3000 merece uma materia com a seu magistral modo de expor as ideias…
    Vllw brother.

    Curtir

  18. Eu não li essa história, mas assisti no desenho “Justice League Unlimited”… sem dúvida uma história muito boa!

    Curtir

  19. Um grande presente VVV! Lembrar da última história boa do Super antes da Crise e do Byrne é uma ótima vitamina prá dar um gás nessa semana. Ainda bem que mamãe guarda o exemplar dessa aqui com muito zelo pois não só de tosqueira vive o homem inteligente! Época boa de Superpowers!!!!

    Curtir

  20. E o nosso querido Jason Todd salvou o dia!!! Chega fiquei feliz!
    Gostei da história e apesar do final feliz de comercial de margarina, parece ser uma boa pedida para quem quer conhecer boas histórias do Alan Moore com os melhores personagens da DC!

    Curtir

    1. Depois dessa, queridíssimo Erico, o garoto Jason Todd pode morrer de forma horrorosa , mas feliz nas mãos do Coringa, naquela história sacrílega do Jim Starlin… que já tinha cumprido sua função no universo DC

      Curtir

  21. Salve a Era de Prata! Lógico que esa história merece espaço em todos os sites que falarem de quadrinhos e até de cultura pop no geral, lógico que essa história merece ser revisitada todos os anos, como agora foi com muito carinho e dedicação por você, Venerável e lógico, mas lógico que a DC é idiota, prepotente e não gosta de ganhar dinheiro, ao ter deixado escapar e ainda criar problema não dando liberdade criativa para o Alan Moore. Realmente a DC acha que ganha dinheiro com ele, mas não ganha nem metade do que poderia…

    Curtir

  22. ESSA história eu conheço!! Mas eu vi em desenho animado. E confesso que senti muita pena deles. Pq maior crueldade, não?

    Muito bom. =)

    Curtir

  23. Essa com certeza é a melhor história do Super Homem entre uma meia dúzia de outras memoráveis, alguns dizem que O Reino do Amanhã seria uma história dele e não do Universo DC, tem a memorável também edição 775 de Action Comics do Joe Kelly (ali fiquei fá desse roteirista)…mas essa marca realmente o fim de uma Era, uma era muito mais inocente.
    Abraço pra todos!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s