Grandes poderes

escrito por Tiago da Rocha    &    arte de Eliel Ribeiro

Ele acordou se sentindo estranho naquele dia, ficou assim o dia todo. Não estava
doente, só estava se sentindo estranho. Na sua casa, seus pais estavam brigando
novamente, isto era rotineiro nas refeições familiares, mas hoje ele não brigava junto.
Ele estava estranho… Se comentasse isto em casa provavelmente as respostas seriam as
mesmas de sempre, são os hormônios da adolescência. “Ele não tem nada, é este o
problema da juventude hoje, se cansam sem fazer nada, ser adolescente é muito
aborrecido nos dias de hoje”, ironizaria o pai, mas ele não lhes falou nada, estava se
sentindo estranho.

Estava comendo quieto, nem ouvia a briga desta noite, seu nome foi citado uma
ou duas vezes, ou mais, mas isto não importava, estava daquele jeito desde de manhã
naquele dia… O que seria? Seu pensamento foi interrompido pela mão pesada de seu pai
em seu ombro. “A culpa da falta de dinheiro é deste vadio, não faz nada da vida e vive
pedindo dinheiro…”, Bom, isto bem que era verdade, ele tinha 17, quase 18 anos e não
fazia nada da vida, só estudava, não ia muito bem na escola, tirava notas azuis, mas não
altas, era como seu pai sempre dizia, um cara médio. A mão do pai no seu ombro
começava a irritar e ele não tirava, estava quieto até agora, porque seu pai tinha que
envolvê-lo na briga?

A mão não saia e sua cabeça começou a doer. Em um acesso de raiva ele gritou.
Houve um momento de silêncio então todos os vidros da casa se quebraram e ele sofreu
um corte na altura de seu cotovelo. Seus pais ficaram atônitos, não falaram nada, mas
seu pai pelo menos soltou seu ombro. Ele levantou da mesa, colocou seu prato na pia e
deixou seus pais ali, quietos e assustados.

Naquela noite ele dormiu bem. Na manhã seguinte ele acordou um pouco
melhor, mas ainda se sentindo estranho. No colégio começou a ouvir vozes. “Coisas da
minha cabeça” pensou ele. Foi para casa ouvindo muitas vozes, como se todas as vozes
do mundo falassem ao mesmo tempo cabeça. Aquelas vozes não paravam, ele já estava
pensando estar louco. Decidiu sair para arejar a cabeça, avisou sua mãe e saiu, quando
deu a costas,  a ouviu falando algo, olhou para ela, mas sua mãe continuava
assistindo a novela. Ficou a observando então a ouviu mais uma vez, mas ela não havia
falado nada, será que ele havia lido a mente dela? Não, isto não é verdade, isso era
impossível, não era? Foi para a rua, se ele podia mesmo ler pensamentos, então deveria
testar com outras pessoas.

Não passava muito do meio-dia, as pessoas iam para seus trabalhos. Ele parou ali no
meio da multidão, quando um homem baixo e careca esbarrou nele. “ Estou atrasado, se
não chegar na hora serei demitido.” Seu coração disparou, não podia ser verdade,ele lia
pensamentos! O teste continuou, uma mulher alta e muito bonita passava . “ Será que
meu chefe vai dar encima de mim hoje? Tomara, ele é lindo.”Passou boa parte da tarde
ali testando seu recém adquirido poder mental.

À noite chegou cedo em casa, esperou a janta que desta vez foi pacífica, jantou, olhou
um pouco de televisão e na hora de deitar foi ao banheiro escovar os dentes, fechou a
porta e pensou em pegar a escova. Como por um passe de mágica, a porta do ármario se
abriu e sua escova veio até sua mão. Era bom demais para ser verdade: além de ler
pensamentos ele era telecinético, isso era um sonho. Não, não era, ele estava bem
acordado, lembrou dos vidros se quebrando e foi dormir feliz, iria testar seu novo poder
no outro dia.

Seu dia foi ótimo, ele lia pensamentos e tinha o poder de mover os objetos com a força
de sua mente, o que mais poderia querer? Voar! Ou ficar invisível, imagine entrar em
um vestiário feminino, com todas aquelas deusas nuas? Um sonho!

O dia passou como um raio, à noite foi ao centro da cidade, estava um pouco
cansado, vai ver que seus novos poderes estavam desgastando muito ele, mas não tinha
problema, nada que uma boa noite de sono não resolvesse.

Naquela noite viu que também podia voar, não por muito tempo, mas já era
ótimo. Os deuses só podiam estar do seu lado, senão que outra explicação teria para os
seus novos dons?

A praça estava muito cheia naquela noite, ela sempre lotava na sexta feira. Lá
ele viu o garoto que mais detestava, agora era sua chance: com estes poderes poderia dar
uma lição que ele jamais esqueceria. Chegou perto dele e o chamou. Quando ele se
virou, uma pedra que estava levitando acertou em cheio sua cabeça. O rapaz caiu na
mesma hora, desmaiado. Olhou seu desafeto no chão, deu um sorriso e foi embora.
Estava feliz, queria voar… Começou a flutuar quando sentiu uma forte dor no peito, caiu,
se machucou um pouco, mas estava bem. Precisava descansar, recarregar suas forças.
A dor foi ficando mais forte, chegou à frente de sua casa. As luzes estavam
acesas, seus pais deveriam estar assistindo televisão. Quando chegou à porta ele caiu,
seus olhos fitavam a luz que vinha do quarto de seus pais, seu coração estava parado, ele
estava morto. Seu corpo foi encontrado por sua mãe na manhã seguinte. Ela entrou em
pânico se perguntando por que ele estava ali daquela forma. Ela estava aos prantos
abraçada em seu marido, uma ambulância já havia chego e os médicos não podiam fazer
mais nada, ele havia falecido.

Sua mãe se perguntou por que, mas ela sabia a resposta, estava o tempo todo ali,
mas ela não queria ver. No quarto de seu filho foram encontradas duas seringas usadas,
três papelotes de cocaína e duas pedras de crack. Ele havia morrido de overdose.
“Super heróis” também morrem.

site: PALITOS NERDS   &   site: ELIEL RIBEIRO

Anúncios

15 comentários sobre “Grandes poderes

  1. isso aconteceu com um familiar meu ele vivia ouvindo vozes que sempre se concretizavam…. chegou o dia que chamou o pastor e graças ao pastor ele esta livre AMEM

    Curtir

  2. Um excelente conto, breve e com um final surpreendente. Final este, aliás que traz uma brusca transição de uma fantasia onírica que todos nós já nutrimos em algum momento da vida (ter superpoderes) para uma crua realidade. Destaque também para os primeiros parágrafos, onde o autor consegue traçar, em poucas linhas, o retrato bastante verossímil da vida de um jovem às voltas com os conflitos de sua família e os problemas típicos da idade. E, de quebra, temos a bela ilustração do Eliel, que também é excelente e faz jus ao conto!

    Curtir

  3. Fico orgulhoso com a oportunidade de postar aqui um texto do Stephen King de Porto Alegre! Meu amigo paliteiro!!!! Parabéns pelo trabalho, cara e outra: Feliz do cara que escreve tendo o Eliel para materializar o trabalho! 🙂 😉 🙂

    Curtir

    1. heheeh Valeu pela oportunidade também cara:D
      E concordo contigo, tenho muita sorte do Eliel gostar das minhas ideias e desenhar elas:D
      E já vou adiantando que vem outras coisas por aí eheh
      Abs meu.

      Curtir

  4. A dura realidade que às vezes nos faz querer viver uma fantasia para escapar dos dissabores da vida, às vezes podem também fazer uma curva errada no caminho, levando a essas “fantasias artificias” que acabam da forma como descrito no conto, mas geralmente demora muito mais tempo – e mais sofrimento – para a pessoa e todos os envolvidos. Parabéns ao Tiago por nos brindar com esse texto que, quem sabe seja também um alerta, ao Eliel pela linda ilustração!

    Curtir

  5. EDITORIAL SANTUÁRIO:

    SEGUNDA: Conto de Tiago da Rocha com arte de Eliel Ribeiro

    Terça: Resenhas DC/Marvel

    Quarta: Resenhas de outras editoras

    Quinta: Macacos & Quadrinhos

    Sexta: Capitão Átomo!

    Sábado: Novos Deuses & Jack Kirby

    Domingo: O Sombra

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s