O Incrível Hulk #6 – O velho tem que acabar para que o novo possa começar!

_0004_Midgard

por Venerável Victor “tratador de macacos ginates verdes” Vaughan

Escrito por Stan Lee com arte de Steve Ditko

Img-de-CapaIH#6Nos anos sessenta, os distribuidores da Marvel apenas permitiam que eles publicassem certo número de revistas por mês e já que eles estavam planejando introduzir uma nova revista no mercado, alguém ia ter que ceder. Esse é um caso Darwiniano de “sobrevivência do mais forte” e o Hulk dessa vez não foi o mais forte que existe na Terra.

Incrível Hulk – criado por Stan Lee & Jack Kiby

Stan Lee & Steve Ditko
Stan Lee & Steve Ditko

Hulk6 - CoverMas quem estiver lendo essa matéria do passado, não se preocupe! Vocês os verão participando de diversos outros títulos e eventualmente ele irá dividir espaço com o Gigante na revista: Tales to Astonish. E o melhor? Um pouco tempo depois ela irá ser rebatizada de O Incrível Hulk. Mas essa edição acima seria a última de sua publicação inicial.

Não vamos perder muito tempo discutindo o sexo dos anjos, é suficiente dizer que uma nova ameaça alienígena decide provocar caos no planeta, seu nome é Mestre do Metal e o Hulk acaba por se tornar a primeira vítima de seus imensos poderes. No final da edição, a combinação da força do Golias Esmeralda mais a super inteligência de Bruce Banner são mais do que páreo para derrotar o vilão. E no fim a ordem é restaurada no planeta, coisa difícil de acontecer, não?

O que é mais interessante de falar aqui hoje são as coisas que aconteciam ao mesmo tempo em que a história era publicada. Porque elas nos ajudam a entender a razão do Hulk nunca emplacar no passado como um dos maiores defensores da Humanidade, como seus outros colegas dos Vingadores são conhecidos pelo planeta. O mito do Hulk sofreu de uma praga chamada inconsistência e essa última história da sua antiga revista nos ajuda a entender isso.

Para começar, vamos deixar claro de que não sou nenhum especialista no tema, no personagem e o Vaughan erra. Eu nem mesmo era um projeto de tratador de macacos quando essa série foi lançada pela primeira vez. Então tudo o que vou escrever aqui são apenas as minhas impressões como fã e escritor.

Como disse no início, me parece que os criadores do Hulk: senhor Stan Lee e o maravilhoso, espetacular e genial Jack Kirby, não tinham a mínima ideia do que fazer com ele. Ele supostamente deveria ser um super herói, mas em muitas maneiras ele foi caracterizado como um vilão. Ele é feio, rude e completamente incompreendido. Ele não tem o mínimo desejo de fazer o bem, apenas de se proteger. Em muitas oportunidades, ele acaba agindo altruisticamente – como na vez em que ele resgata uma família de um prédio em chamas. Mas como era de se esperar, ele não recebe um mero obrigado por seu esforço, apenas gritos de horror e no fim acaba perseguido pelo exército para variar. Quantas vezes vemos isso acontecer? Quando “auto preservação” acaba sendo a única motivação de um anti-herói, a história acaba ficando cansativa rápido. Dan Didio – desculpem por escrever palavrão aqui – fez isso desenfreadamente com sua versão de OMAC (o Hulk da DC) e teve ainda menos sucesso que Lee & Kirby, lógico.

Entretanto, com o passar das edições, o Hulk foi demonstrando uma qualidade que definitivamente o redimiria: uma preocupação legítima por seu jovem companheiro, Rick Jones – tá, ficou meio estranho, quem tem jovem companheiro é gay tia velha. Lógico que muitas vezes o gigante o chama de “idiota”, mas quando a coisa fica feia, ele faz o que for preciso para salvar o garoto.

Lindo. Mas isso é o suficiente para dizer que o Hulk era um herói?

Na primeira edição de O Incrível Hulk, Banner se transforma na criatura quando o sol se põe. Depois, o franzino doutor desenvolve uma máquina que o possibilita a transformação com o apertar de um botão. Isso talvez fosse ir do ruim para o pior! O conflito que torna interessante o personagem é que você nunca sabe quando a criatura vai perder o controle e se transformar. É interessante também o conceito mais recente de que Bruce Banner está o tempo todo com ira, apenas escolhe quando liberar. Mas depender da falta da luz do sol ou de uma máquina para isso?

Os mais “experientes” e com boa memória se lembram da frase de Bill Bixby no seriado de TV do personagem: “Não me faça ficar zangado”, isso um pouco antes de seus olhos ficassem esverdeados e o grande e pintado de verde, Lou Ferrigno aparecesse ? Isso com certeza provocava boa parte de todo o barato e drama e expectativa do programa. Totalmente diferente de apertar um botão e um monstro vitaminado aparecer.

Stan – sintam a intimidade com o safado – deve ter entendido isso em algum momento. E por fim, como um último recurso, tentou novas alternativas. Em um determinado momento, quando Banner sofre a transformação da máquina (a pergunta é…Para quê…), seu corpo se transforma no Hulk, mas sua cabeça continua de Bruce!

Estranho, não? Em outra vez, é o Hulk que aperta o botão da máquina, mas não se transforma imediatamente em Banner. O quê? Estaria Bruce Banner fadado a terminar seus dias como o Incrível Hulk?

É claro que Banner dá as caras novamente. Então porquê nos preocuparmos com essas anomalias bizarras temporárias? Elas não acrescentam em nada para o roteiro da época, apenas pareciam para um leitor mais atento, mesmo um garoto, que era uma forma de tentar colocar um pouco de drama na vida do bom doutor. Mas o que interessava, se no fim tudo acabava bem?

A essa altura Stan deve ter descoberto que ele criou um monstro – tradição das editoras de quadrinhos da época – mas que não precisava de uma grande máquina idiota para torná-lo interessante. E esse personagem estava levando um tempo considerável para cair no gosto do público por culpa deles.

Como redefinir o Hulk? Ele iria se transformar de noite, estilo a música do Lenini: “A lua me chama eu tenho que ir pra rua!”, será? Ele iria se transformar através de uma máquina, ou um “morphador dos Power Rangers”?

A mudança seria imediata? Levaria tempo? Parcial? Ele quer ajudar a humanidade ou apenas ter raiva dos homenzinhos idiotas? Ele vai recitar Camões para nós ou apenas esmagar tudo o que ver pela frente? O Hulk que conhecemos nessa época, era um completo caos editorial.

Na época, Banner era querido, o Hulk nem tanto – totalmente o contrário de hoje em dia. Pode-se gostar dos dois, como no caso de Peter e o Aranha, mas quando se gosta mais do cientista nerd e introspectivo do que do seu alter ego heroico, alguma coisa está muito errada.

Admitidamente o Hulk não é o super herói arquetípico que estamos acostumados. Algumas vezes é muito bom desconstruir velhas fórmulas engessadas e propor novos desafios. E isso vamos ver no Hulk nos anos seguintes com certeza, mas não nessa época.

Essa edição foi um adeus, parcial e temporário. Apenas para que seus criadores tivessem tempo viável para descobrir o que fazer com essa monstro maravilhoso que esses Frankensteins da nona arte criaram.

http://http://www.youtube.com/watch?v=yLqybjCYRlQ

S_Final

Anúncios

35 comentários sobre “O Incrível Hulk #6 – O velho tem que acabar para que o novo possa começar!

  1. Tem que levar em conta que as histórias eram fracas mesmo. Stan e Kirby também erram. Veja que conceitos criticados acima(transformação a noite) foram bem usados por outros roteiristas. Mas independente disso, Hulk é o personagem que mais foge dos lugar comum dos tipos heroicos. Talvez ele nem seja herói e muito menos vilão, ele habita uma zona cinzenta. Ele é um monstro no máximo tolerado e constantemente perseguido, por ser diferente e por ser poderoso o suficiente para escapar do controle da humanidade, o grande temor de muitos.

    Curtir

  2. ” Não me irrite sr. MacGee o senhor não vai gostar de me ver irritado!” celebre frase de Bill Bixby na série. Era o medico e o monstro radioativo. Boa definição para o que realmente era o nosso querido Monstro Verde V 3!!!

    Curtir

  3. Belo texto meu amigo. O que fazer com o Hulk nos anos sessenta do século passado? Encontrar um local onde ele possa ser apreciado, conquistar fãs e vender gibis.

    Isso aconteceu em Tales to Astonish, no TA foi um local onde Stan Lee conseguiu desenvolver bem o personagem, criar vilões bem mais interessantes do que os Homens-Sapos ou Mestre dos Metais.

    Quanto aos roteiros, penso que Bill Mantlo sempre será o maior, mas a fase atual do Hulk é bacana, Waid tem feito um trabalho muito, tornando o Hulk um dos melhores títulos da Marvel Now.

    Curtir

  4. Matou a pau quando mencionou a série de TV.
    Ela conseguia definir bem o fardo que era ser o Hulk e como isso afetava o Banner. O drama e o suspense acompanhavam a ação direto.
    Muitos erros nos quadrinhos até conseguir os acertos. É um personagem complexo, difícil de escrever quando se quer fugir do lugar-comum.
    E por isso tem essa quantidade absurda de fãs e é um ícone.
    Vida longa ao Gigante Esmeralda!!!

    Curtir

  5. O Hulk sempre foi um personagem complexo e poucos aproveitaram tudo o que o gigante cinza/esmeralda pudesse fazer. Nao conheço essa historia mas o desenho de Ditko nao ficou legal. O Rick ficou igualzinho o Peter rsrsr vou procurar o scan. Mas um excelente post sr Vaughan.

    Curtir

  6. O Hulk é um personagem sensacional,que não começou muito bem,mas depois foi se tornando um dos grandes da Marvel!Dos cinco que formavam os antigos desenhos desanimados,Hulk,Thor,Cap.America,HOMEM DE FERRO e Namor,so o ultimo anda meio sumido(talvez por ser muito azedo)!Est´´a nevando,que beleza!

    Curtir

  7. Bem, o principal que eu teria a dizer já foi dito pela matéria: não sabiam o que fazer com o Hulk e tentaram várias coisas, sendo algumas bizarras, como quando o Hulk simplesmente ganha o poder de voar sem qualquer explicação.
    É realmente um personagem difícil de se escrever, talvez por isso tenha tido tantas mudanças ao longo dos anos. Muitos Hulks diferentes não obedeceram apenas uma necessidade da história, mas também da capacidade do roteirista, que mudando o Hulk tornou o personagem mais próximo de suas habilidades como escritor. Alguns escritores inventaram um Hulk para poder escrevê-lo.

    E uma coisa: Peter David passou muito tempo com o Hulk, mas não é tão genial quanto dizem. Algumas vezes ele parecia escrever no piloto automático, muitas vezes fazendo lixo mesmo, como o Hulk do universo 616 durante Heróis Renascem (que só andava pra lá e pra cá se sentindo vazio) ou um pouco antes, quando o Hulk enfrentava o Omnibus achando que era o Líder (ou mentalmente controlado pelo próprio Líder, isso nunca foi explicado) e andava acompanhado daquele grupo de pessoas que tiveram suas cabeças implantadas em corpos superpoderosos pelo Líder. Histórias confusas e vagas “agraciadas” com a arte do execrável Angel Medina.

    Curtir

  8. Eu comecei a ler Hulk na época em que ele era um cafetão dono de um cassino e respondia por outro nome, mas esqueci, nesse tempo ele era cinza, o Hulk pelo jeito sempre foi um personagem difícil de emplacar como deu pra perceber na sua matéria, e eu nem sei mais quantas cores existem, até te perguntei isso outro dia hahahha, abço!!!

    Curtir

  9. Matéria “esmagadora”!Quando o personagem é bom,ele sobrevive e vence(até mesmo um começo ruim e maus argumentistas)!Foi o caso do Hulk:No começo nunca ficou definido se ele era Herói ou Vilão,com o tempo o personagem foi se definindo,se firmando no Universo Marvel!

    Curtir

  10. Completando:

    Sabe o que eu faria se fosse um dos criadores desse personagem??
    Eu colocaria o tal de Bruce Banner como sendo um adolescente … porque essa coisa da “raiva” tem tudo haver com a fase da adolescência … daria muito certo … pode apostar ^^
    até porque o “povo” (leitores) ía se identificar com o personagem …

    Curtir

    1. Assim ele ia ser um eterno adolescente, com o Aranha, só que birrento. Prefiro sendo adulto, tem muita coisa com raiva interior por aí.

      Curtir

  11. É triste ver que um personagem com tanto potencial foi meio que “maltratado” por tantos anos …
    É como dizem: o personagem é bom, os criadores que não souberam “explorar” …

    Curtir

  12. Concordo com o que disse,Venerável!No começo não sabiam muito bem o que fazer com o personagem,mas com o tempo ele foi se firmando e hoje,por causa do filme dos Vingadores,voltou a ser um dos principais heróis da Marvel!Eu assisti esse desenho (des)animado em que o Hulk vence o mestre do Metal!Muito bem-bolado!

    Curtir

  13. Quando o Hulk se destransforma, onde vai parar todo aquele tecido que ele criou pra ficar daquele tamanho? Sempre achei que ele devesse descascar, perder os dentes, enfim… que a destransformação fosse algo bem traumático.

    Ótima matéria! Criar um personagem inconsistente é o medo de todo autor que se preze, e que personagem maltratado é o Hulk!

    Curtir

  14. Acho que a situação do Hulk só ficou realmente interessante agora de alguns anos para cá. Gostava da fase da “Encruzilhada”, mas ela precedia aquele momento de todo o universo Marvel contra ele… Também mais recente a fase do “Senhor Blue””Senhor Greem” foi interessante, Jason Aaron mais recentemente (na época do Byrne, com ele meio Savage Dragon) nunca achei o caminho, ele era só um genérico. Talvez o Mark Waid tenha achada o tem certo…. Já nessa época, nem se fala., ela um caos mesmo, Venerável.

    Curtir

  15. Parabéns pela matéria V³!! Sempre tive dó do 4ever alone, ele não é o meu herói favorito, ele é angustiante. Esperando os próximos capítulos, será que o nosso verdinho, conseguirá se manter em alta e finalmente receberá um Obrigado, você é o nosso Herói? 😉

    Curtir

  16. Essa época com certeza não foi acompanhada por nenhum de nós “in loco”, mas temos pesquisadores em nosso meio que resgatam o material e o exaltam prá podermos fazer comparações com outras fases e até o atual, como o Victor fez nessa matéria. Prá mim o Hulk que sempre vai marcar é o do Bill Mantlo (que outros já comentaram aqui). Sua fase não foi de toda perfeita (a intersecção com a Tropa Alfa que ele não escrevia bem é uma prova disso!), mas é a que tem mais essa emoção e o trabalho do “medo” do homem e o domínio da “fera”.
    Essa primeira fase do Hulk na matéria deixa bem claro que o personagem estava em seu período de construção e afirmação da “marca”, por isso mais do que normal trabalhar e aceitar as mudanças. Zerar o título, iniciar novamente e ressocializar o personagem. Ninguém é perfeito (mas o Venerável com o pouco que conhece foi a “cara da nobreza lógica”), mas é preciso conhecer bem a história e ter certeza de onde vai chegar para efetuar as mudanças e a dupla Lee e Ditko sabia bem disso. Espero que os dirigentes tanto da Marvel ou da DC possam se lembrar dessas coisas para tomarem decisões acertadas e que vão marcar de maneira positiva nas mentes dos consumidores.

    Curtir

  17. Eu gosto muito do Hulk, assim como Ironman foi um sh que acompanhei qdo criança e hoje é um dos que mais gosto no cinema. Mas já deixei de ler tem séculos.

    Porém, a matéria está bem legal, deu até saudadinhas de ler. ^^

    Curtir

  18. Hulk Esmagaaa, no filme dos Vingadores ele foi fantastico, e a surra que ele deu em Loki, até hj n saiu da minha cabeça. Mas não saindo do foco, Hulk é poderoso, mas muitas vezes não parece ser bem aproveitado. Mas é legal ler uma história de um personagem que pode se descontrolar a qualquer momento 😀
    Vlw pela matéria Victor 😀

    Curtir

  19. Uma das coisas que me fez abandonar o Hulk há décadas foi precisamente o mau trato editorial… Algumas boas fases, mas depois inventavam outra vez!
    Só peguei no Hulk novamente em Planet Hulk. Livro lindo desta fera!
    Onde o equilíbrio entre o monstro que esmaga e o altruista está super bem construido por Greg Pak. Depois disso ainda gostei de WWH, caindo novamente a partir daí… a inconstância tem sido determinante no monstro verde.

    😉

    Curtir

  20. Haverá mais interessante Hulk do que na época em que comecei a ler as suas aventuras e desventuras? Não creio. Para mim Hulk era aquilo; a fera destruidora. O autocontrole do racional que, quando perdido e solto toma conta dos nossos gestos e emoções. Hulk era aquilo, baba e pedra partida. Perdi o interesse quando fizeram com que ele conseguisse domar a fera. Ora, domar uma fera é castrar-lhe a essência. Fera domesticada não é fera, é leãozinho de circo, que até o domador põe a cabeça dentro da sua boca. E SORRI!! Experimentasse a fazê-lo no tempo em que Hulk era…HULK!!

    Curtir

  21. Só mesmo essas histórias que fazem parte desse passado, na maioria das vezes constrangedor, para trazer como vilão chave um sujeito chamado “O Mestre do Metal”. Bem, gosto do Hulk, ele não é um “Ah” nem um “Oh”, mas pode surpreender e fascinar em alguns momentos. Se tratando da concepção do personagem, isso não é algo complexo. Digo, um “Hulk esmaga” aqui, ou “Hulk não gosta de um certo Vaughan” ali, ou até mesmo “Hulk não gosta, Hulk esmaga”, são coisas que podem, se tratando do verdão, fechar com “chave de ouro” uma determinada história. Mas, mudando de assunto: só o VVV mesmo para trazer essas pérolas. A Série?! Uma série de tevê do Hulk?! Eu poderia ter passado o resto da minha semana (que já não está lá essas coisas) sem os fragmentos de imagens/concepções dessa série obscura. Deus! Em seguida, esse sistema bizarro que o Banner fazia uso para chegar à sua fase grotesca; é simplesmente patético. Fico feliz por conta da mudança, pois a magia do Hulk está ligada a situações improváveis: incontrolável, raiva, transformação e destruição. O Vaughan erra!!!! Eh, saudade do MDM!!! Acho que essa coisa nem existe mais. Agora, é Santuário pra cá, Enxutos pra lá. Vai entender esse público moderninho.

    Curtir

  22. De longe o hulk é meu personagem favorito da editora que não deve ser pronunciada o nome(milagre né), teve sempre muitos altos e baixos e o Stan para mim é um dos maiores genios criadores em todas as artes (respeitando é claro o Dr Walter Bishop) amo ele devido a essa sacrificio de tentar se controlar, amar parece impossivel, e sempre caminhando sozinho, é muito triste a história dele, mas para mim a melhor fase se encontra quando ele estava enfurecido e ninguém o controlava, e foi mandado a encruzilhada, a melhor fase de todas, amo o gigante verde, e continua nevando na pagina, e qual será a programação de amanhã de fim do mundo???? grande abraço e ótima matéria como sempre e não podia deixar de falar, WAGNER ESMAGAAAAAAAAAAAAAAAAA

    Curtir

  23. gosto muito do hulk pelo o john byrne mas peter david é quase imbativél mas infelizmente sempre um personagem de altos e baixos e faz tempo que não o acompanho….. vlwwwwwww victor!!!!!!!

    Curtir

  24. EDITORIAL SANTUÁRIO:

    Segunda – Fabulosos Vingadores #1

    Terça – Cavaleiros Demoníacos

    Quarta – Arrow

    Quinta – O Incrível Hulk

    Sexta – Frankenstein Agente da S.O.M.B.R.A.

    Sábado- Novos Deuses de Jack Kirby

    Domingo – Arte do devoto
    TARDIS

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s