Liga da Justiça # 12 – No AMOR e na GUERRA!

0009_primeira-impressao

CAPAResenha de Liga da Justiça #12, de Geoff Johns (roteiro), Jim Lee, Ivan Reis, Joe Prado e David Finch (desenhos)

Contém spoilers revelações amorosas sobre a história

Por Rodrigo Garrit

JusticeLeague_12_TheGroup_004

No topo do Monte Sumeru, as almas atormentadas retornam e querem reivindicar os seus vivos… no caso dos membros da Liga da Justiça atraídos até ali por David Graves, isso pode significar o fim da maior equipe de super-heróis de todos os tempos… a menos que consigam enxergar além do véu e encontrar o caminho de volta.

Os fantasmas da Liga!  Clique para ampliar!

Geoff Johns desistiu da sua história? Aparentemente sim. Aqui se encerra o que parecia ser um promissor arco em que os heróis teriam que lidar com mistérios sobrenaturais. Scott Trevor tem grande destaque na história, mas tudo serve ao propósito de aproveitar o personagem nos planos vindouros do autor.

Superman e Mulher Maravilha! Clique para ampliar!

Aquaman, outro personagem aos cuidados de Johns em seu título próprio, toma as rédeas da situação e se comporta como um verdadeiro líder não declarado, o que causa atrito com Batman. Claro que existe a batalha, cenas de ação bem exploradas pela arte de Jim Lee, e um ou outro diálogo válido. Mas os mesmos eventos poderiam ter acontecido com um grupo de turistas explorando o lugar. Nada ali justifica a presença dos maiores heróis do planeta, é apenas uma finalização previsível onde tudo acontece apenas para preparar o terreno para os próximos eventos e uma nova formação da Liga da Justiça. Sem dar muitos spoilers, posso dizer apenas que tudo de interessante que a história tinha a oferecer foi desperdiçado, empacotado e guardado no fundo da gaveta, como se tudo tivesse que ser terminado ali mesmo, às pressas, sem muito esforço para ser algo especial. Espero que um dia esse tema seja trazido de volta e conduzido com mais atenção. Ver tudo terminar assim foi decepcionante, mas ainda poderia piorar, quando numa das situações mais forçadas dos últimos tempos temos o inicio do romance entre Superman e Mulher Maravilha.

Superman e Barda! Clique para ampliar!
Superman e Máxima! Clique para ampliar!

A vida amorosa de Clark Kent, ao contrário do que muitos pensam, foi bastante movimentada no universo pré-reboot, desde seu namoro adolescente com Lana Lang, (e que ganhou muito destaque graças a série de tevê Smallville), passando pela sereia Lori Lemaris, e até o quase casamento com a alienígena Máxima, por exemplo… mas o fato é que ele sempre foi apaixonado apenas por Lois Lane, e depois dela, nunca mais conseguiu se envolver com ninguém. Mesmo em clássicos como  “O Reino do Amanhã” e “O  Cavaleiro das Trevas” e sua continuação, o romance entre Diana e Clark só acontece nesses futuros possíveis porque Lois Lane está morta.

Em história escrita por Joe Kelly, (publicada no Brasil em Superman Premium # 3 da editora Abril) ele e a Mulher Maravilha vão parar em um outro mundo, e passam uma pequena eternidade juntos por lá, pois como se tratava de um reino mágico, o tempo corria de forma diferente. Eles ficaram o equivalente a mil anos juntos e em todo esse tempo ele resistiu a princesa amazona, mantendo-se fiel a Lois.

Superman e Lois Lane! Clique para ampliar!

Juntar Superman e Mulher Maravilha agora foi uma jogada arriscada, mas nada que não pudesse ser trabalhado de forma mais interessante, como feito no passado por John Byrne e George Pérez quando alardearam o “romance do século” entre Clark e Diana. Só que Geoff Johns e Jim Lee não foram tão felizes quanto Pérez e Byrne. Por mais que o tema tenho o apelo de vender mais revistas, a dupla de veteranos o trabalhou com calma, com cuidado e dedicação… não é o que vemos na versão atual, onde tudo é artificial, robótico demais. Pelo menos essa foi a minha impressão. Se daqui por diante essa relação vai ser trabalhada de modo a nos fazer acreditar que seja mesmo possível um romance entre esses dois ícones, eu não sei… confio muito mais no trabalho de Brian Azzarello que cuida dos roteiros da revista da Mulher Maravilha para isso, sem desmerecer Geoff Johns, que em outras ocasiões conseguiu alavancar muitos personagens da DC, como a Sociedade da Justiça, Flash, Os Novos Titãs e o Lanterna Verde por exemplo. Sua atual fase na Liga não é  ruim, não é algo desprezível, mas vem com o peso da expectativa, e isso é algo que poucos conseguiriam estar a altura. O mercado de quadrinhos passa por altos e baixos, e mudanças de última hora e intervenções editoriais acabam sendo inevitáveis, uma vez que apesar da visão lúdica que os fãs têm sobre os quadrinhos (eu incluso), eles ainda são um produto e precisam gerar lucro.

Independente disso tudo, será que Geoff Johns desistiu da sua história? Eu espero que não…

Lana e Clark na série Smallville. Clique para beij… ampliar.

Criar histórias mostrando o romance entre dois ícones tão populares pode ser um golpe certeiro ou um terrível tiro no pé. Grant Morrison nos mostrou a profundidade do sentimento entre Lois e Clark em seu “Grandes Astros Superman”, e mesmo Alan Moore brincou com isso em sua lendária história “Para o homem que tem tudo”, quando Diana abraça Kal-el em sua fortaleza, no dia do seu aniversário: “Por que não fazemos isso mais vezes?” pergunta o Homem de Aço, ao que a princesa responde: “ Eu não sei. Muito previsível?”.

Cena do clássico “Para o homem que tem tudo” de Alan Moore e Dave Gibbons.

Considero esse número de Liga da Justiça como uma edição de despedida… de muito do que vinha sido feito até agora com a Liga (ou pelo menos ensaiado), e o início de uma nova fase, com mais promessas… que esperamos, sejam todas cumpridas. Nesse número não tivemos a continuação da espetacular história secundária com Shazam, (uma dessas grandes promessas) que retorna na próxima edição.

Uma ausência muito sentida.

Diana, Clark… e o artigo com mais beijos da história do Santuário… Clique para… bom, você já sabe…

Resenha anterior de Liga da Justiça? Não seja tímido! Abra o seu coração e clique AQUI!

Anúncios

20 comentários sobre “Liga da Justiça # 12 – No AMOR e na GUERRA!

  1. gostei do novo desenho da liga da justiça o trono de atlãntida e pricinpalmente um beijo de mulhe maravilha e supermen ela tem que fica com ele nao um batma chega de lois lane

    Curtir

  2. Resenha interessante…

    Confesso que ainda esperava por um pouco mais de desenvolvimento nesse relacionamento, embora estivesse bastante consciente, desde o seu surgimento, de que tudo não passaria de algo temporário para efetivar de vez os reencontros de Diana e Steve, e Lois e Clark.

    Creio que a reação do público, em geral, não foi das mais calorosas à união, quando anunciada. Talvez isso tenha feito a DC reconsiderar a proposta e , por assim dizer, voltar atrás. Assim é o mercado…

    De todo modo, espero que o prenunciado – e precoce – rompimento não abale demais o convívio entre os dois. Se havia algo que eu gostava muito de ver durante a era prévia a New 52, era a amizade genuína que estes mantinham entre si. Ela, obviamente, vivia um amor platônico por ele, que nunca deixou de evidenciar seu amor exclusivo por Lois. Para mim, era um conflito interno e velado muito ‘realista’. Essas coisas acontecem muito entre amigos, não é verdade? Seria interessante ver novamente um pouco disso, nesse UDC reformulado.

    Bem, vejamos o que há de vir por aí.

    Curtir

  3. Rapaz, toda esta fase do Geoff Johns está meio… sei lá, como disse o amigo lá em cima. Mas não estou achando ruim, principalmente os números seguintes à esse (achei “O Trono de Atlantis” uma das coisas mais legais feitas com a liga em tempos). Aliás, bela resenha Rodrigo! Também achei o romance muito artificial, assim como aquela invasão do Darkseid no primeiro arco… faltou alguma coisa.

    Curtir

  4. Eles só querem beijar. Beijar, beijar, beijar…..ops, deixa voltar o raciocínio. MM e SH juntos com certeza foi um golpe marketeiro econômico prá alavancar as vendas da LJ. Mas de apenas um número pois a grande massa curiosa (em qualquer lugar do mundo) levada pelo frisson do fato (sabemos muito bem que um evento desses foge do nosso universo Big Bang Theory e cai até no ouvido do funkeiro) vai dar uma olhaadinha. Só que menos de 1% se sente atraído a ficqr de ves. Tá, levando do ponto de vista gerencia se a DC acredita que isso é vender, o problema é dos empresários que infelizmente não tem um pensamento igual ao do cliente fiel que é o alvo da indústria e fica em segundo plano levando editores a medidas bruscas e escritores a mostrar sua indignação com histórias medianas. Sai perdendo todo mundo.

    Curtir

  5. EDITORIAL SANTUÁRIO :

    Segunda – Fabulosos vingadores #5

    Terça – Fabulosos X-men #5

    Quarta – O Questão IV

    Quinta – 10 poderosos Vilões Marvel

    Sexta – Liga da Justiça #12

    Sábado – Umas tiras da pesada!

    Domingo
    o

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s