Aberrações no Coração da América: As estranhas faces da amizade.

_0017_Cidade-do-Pecdo

CAPAResenha do álbum “Freaks of the Heartland” (Aberrações no Coração da América), de Steve Niles (roteiro) e Greg Ruth (desenhos).

Este artigo contém spoilers revelações sobre o roteiro.

Por Rodrigo Garrit

capa[3]

De onde nascem os lendas, os mitos que habitam a imaginação das pessoas, unindo-se em uma intrínseca teia de histórias fantasiosas contadas de geração à geração, fazendo-nos ter pesadelos ao dormir ou nos inspirar a mais sonhos… onde se origina essa centelha? O quanto de realidade foi preciso para moldar a matéria prima dos sonhos?

Da mente do autor de “30 Dias de Noite“, Steve Niles, nasce essa fábula contemporânea sobre os segredos sombrios guardados nos recantos longínquos da América, publicada pela Dark Horse. Embora a trama como um todo encerre um tema recorrente, ganha seu mérito pela forma como é trabalhado, com sensibilidade e humanidade. Tem um pouco dos filmes “Os Goonies” e “Conta Comigo“. E fascina tanto quanto. Uma obra autoral muito diversa de seu trabalho com os vampiros, mas repleto de qualidade em sua diferença. Para completar o texto simples – porém incisivo – de Niles, temos a belíssima arte de Greg Ruth, que nos transporta para universo interiorano e nos convence de sua veracidade, graças ao sentimento emprestado pelo artista aos personagens e a exuberância dos painéis espetaculares que compõem o cenário da história. Esse foi o primeiro trabalho de Ruth para a Dark Horse, onde ele viria a ilustrar o título do Conan.

022

Normalmente, quase nada acontece no pacato Vale de Gristlewood, interior dos EUA. Mas alguns anos atrás algo aconteceu, e agora algumas famílias guardam um doloroso segredo nos porões de suas casas ou em suas consciências pesadas.

Anos atrás, todas as mulheres do lugar ficaram gravidas ao mesmo tempo, dando à luz a crianças especiais. Diferentes. Não o tipo de bebê que aquelas pessoas estariam preparadas para compreender. Eles simplesmente não sabiam como lidar com elas. Muitas discussões acaloradas foram feitas, até que se decidisse que o “erro da natureza” deveria ser corrigido. Terminado o julgamento, cada pai deveria ser responsável pela execução da pena pela qual as crianças foram consideradas culpadas: a morte. Seu crime: Nascer.

Existe um mistério envolvido sobre o surgimento das crianças especiais na cidade… algo sobrenatural ou fruto de manipulação alienígena… mas a história não está preocupada em explicar esses fatos, não é exatamente um conto de terror ou suspense, embora tenha seus momentos. É um drama humano sobre monstros.

Sobre como alguns humanos podem ser monstruosos.

Não é possível encontrar rostos felizes no Vale de Gristlewood, mesmo depois de anos do ocorrido. Mas alguns túmulos infantis não contém cadáveres de bebês. Alguns deles foram poupados em segredo, e mantidos escondidos e em segurança, longe dos olhos vingativos daqueles que tiveram que sacrificar seus filhos. Mas poupar a vida não é sinônimo de criar com amor. A maioria fica trancada no escuro, sendo alimentado como um animal. E presos com fortes correntes, dada a natureza de sua diferença.

Para o jovem e ingênuo Trevor Owen, que era muito novo quando seu irmão Will nasceu, cabe a tarefa de alimentar seu irmão no celeiro afastado da propriedade da casa, e ali ele estabeleceu seu vínculo de amizade e cumplicidade com seu irmão, indiferente as alterações físicas de seu caçula.  A vida seguiu sua rotina até que um onde de mortes despertou um velho medo no coração da população, colocando a vidas das crianças novamente em perigo. Numa tentativa desesperada de salvar seu irmão, Trevor rompe as correntes que os prendem (correntes de metal e também as invisíveis) e os dois fogem, numa busca por outros que sejam como Will e um lugar onde eles possam simplesmente viver em paz… um lugar onde o ódio insensato e a ignorância não podem alcança-los… se é que tal lugar existe.

Trevor estará diante do começo de uma jornada que o levará de encontro a si mesmo e definirá o ser humano que ele deverá se tornar. Para Will, será o começo de sua liberdade e primeiro passo rumo ao seu grandioso destino… seja ele qual for.

018

Um conto terrivelmente belo, sobre esperança e principalmente, o verdadeiro amor… aquele que não nutre preconceitos e enxerga as pessoas como realmente são e não como elas se parecem.

Aberrações no coração da América foi publicado no Brasil pela Devir em um encadernado reunindo todas as seis edições da minissérie em 152 páginas, deixando no ar uma pergunta que deveríamos nos fazer todos os dias: quem são as verdadeiras aberrações?

aberrac3a7oes1

EDITORIAL SANTUÁRIO:

Segunda – Guardiões da Galáxia #3

Terça – Cavaleiros Demoníacos #21

Quarta – Alguns fatos sobre ler HQs

Quinta – As 12 naves espaciais mais legais da cultura pop

Sexta – O Gigante acordou! Muda Brasil!

Sábado – Umas Tiras da pesada

Domingo – Manual de Magia para Iniciantes: Novos Feitiços!

TARDIS

Anúncios

12 comentários sobre “Aberrações no Coração da América: As estranhas faces da amizade.

  1. Graças a Deus eu sou uma das aberrações que tem um exemplar de “Aberrações no coração da América”… Na verdade lá tem bastantes, aqui no Brasil temos por sinal muito mais… Se algum dia essas crianças de fato encontrarem seu “santuário”, é pra lá que vou. Ah, em tempo, Steve Niles é muito bom e Greg Ruth é maior que a vida.

    Curtir

  2. Eu lembro quando essa revista foi lançada por aqui. Por causa do preço, nunca comprei. Depois, numa das “feiras de hq’s em promoções” da vida, achei, mas não comprei, por causa de um certo preconceito cotra o Niles. Tentei ler uma história dele, que não lembro o nome, e odiei. Parei no 1º capítulo.
    Mas depois de ler seu texto, mudei de opinião, e espero que na próxima “Virada Nerd” da Devir, ainda tenha algum exemplar…

    Curtir

  3. Tenho esta e já li duas vezes… é maravilhosa! Uma das melhores hq’s que já pus os olhos. Fiquei realmente com lágrimas nos olhos em algumas passagens. Belíssimo texto Rodrigo!

    Curtir

  4. Eu tenho essa coleção encadernada e admito que é uma história cativante… Deixa o leitor com um ar de saudade das tardes da infância, na mesma medida que Os Goonies mesmo.

    Curtir

    1. Por incrível que pareça, não fiz essa ligação de imediato, até porque Goonies tem uma forma muito mais bem humorada de se apresentar, contrastando com a história de Aberrações… mas fora isso, são inegável as semelhanças…

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s