CASAMENTO NOS QUADRINHOS: até que a morte ou o reboot nos separem?

Arquivos do Cadmus

por Venerável Victor “tratador de macaco divorciado” Vaughan

Img-de-CapacasamentoPorque o importante é casar e casar e casar, nem que depois venha um reboot, uma incompatibilidade de gênios ou um demônio interdimencional muito do safado.Aí a gente separa e separa e separa.

“O casamento faz de duas pessoas uma só, difícil é determinar qual será.”

William Shakespeare

Em agosto, daqui há quase 2 meses comemoraremos um ano de reboot da editora de quadrinhos americana DC comics (e de Santuário também), que entre diversas mudanças bem-vindas e outras nem tanto, dissolveu em poeira estelar quase quinze anos de casamento entre Clark Kent e Lois Lane.

Enquanto na concorrente Marvel, uma poderosa dupla de heróis e imaginautas durante décadas, atravessa o universo conhecido ou não, literalmente em centenas de aventuras, de alguma forma conseguindo encontrar qualidade de tempo para gerenciar seu relacionamento.

O Senhor Fantástico e a Mulher Invisível parecem ter descoberto, talvez através de sua conhecida genialidade, a fórmula da harmonia e felicidade em uma vida a dois, apesar de seus nomes pouco politicamente corretos, aos olhos do movimento feminista da década de sessenta.

Visão e Feiticeira Escarlate, casar com andróide…pode!

Como é que eles conseguiram manter seu casamento relativamente intocado pela burrice e decisões comerciais equivocadas de editores e roteiristas, ao passo que Clark e Lois tiveram o botão de reset pressionado em sua relação antagônica de repórteres e amantes, ano passado.

Ao que parece o casamento, para personagens ficcionais é uma chance de crescimento entre os grandes heróis dos quadrinhos. É algo que acontece naturalmente e termina tão fácil quanto. Frequentemente, as uniões matrimoniais entre eles são desmanchadas sem muita consciência pelos profissionais que deveriam zelar pelo bem estar de seus protegidos, sem muita preocupação com as consequências para com a qualidade do desenvolvimento de suas histórias.

Já eram antes, mas após o casamento, Luke Gage e Jessica Jones se tornaram personagens ainda mais interessantes.

Não é nenhuma surpresa, apenas lembrar aqui de três escritores no passado recente da DC: Greg Rucka, Mark Waid e Kurt Busiek, que foram capazes de trabalhar os diversos percalços e conflitos de um casamento sem ter que apelar para o estilo novelão e exagerado de sempre, como o clichê de um deles estar em perigo enquanto o outro está cumprindo suas responsabilidades em patrulha, ou desenvolvendo o tema da falta de comunicação entre o casal até que um deles acabe em alguma instituição psiquiátrica. Lembrando do Elektron e Jean Loring, Visão e Feiticeira Escarlate e até mesmo Matt Murdock e Karen Paige. Desculpe Demolidor, você é sensacional com as mulheres, mas basta alguma realmente se aproximar emocionalmente de você, que coisas horríveis acontecem com elas em sua revista.

É alguma surpresa que os roteiristas citados acima atualmente não mais trabalhem para a editora? Além das divergências políticas e ideológicas entre eles e a DC, também esses três criadores não seriam muito realistas em sua escrita, para o gosto da empresa? Afinal, muitos de seus trabalhos provam que os super heróis são uma grande alegoria para o estilo de vida americano.

O casamento (não realizado) da Tia May e o Doutor Octopus…

Em sua passagem pela revista do Homem de Aço, Rucka fez com que Lois e Clark se afastassem por um bom tempo, simplesmente porque o Super-Homem estava tendo um bloqueio criativo como escritor e Lois foi selecionada para fazer a cobertura jornalística de uma guerra em outro país. Realístico, todos os dias coisas como tempo e distância separam casais. E a tristeza que os dois sentiam pela limitada comunicação que sofriam, era palpável.

Clark Kent & Lois Lane

A grande adversária econômica da DC não foi competente em conseguir fazer um de seus casais mais notórios, simplesmente funcionar como um casal funciona na vida real e ainda assim ser interessante. Pelos Infernos, provavelmente Joe Quesada além de se tornar um dos homens mais odiados da história dos quadrinhos, foi responsável por uma das mais impopulares decisões editoriais da história dos quadrinhos, ao separar Peter Parker e Mary Jane, a ruiva fatal mais famosa dos comics. E como ele fez isso? O casal fez um pacto com o maior demônio da Marvel. Mephisto prometeu salvar a vida da velha Tia May, que a partir de então iria viver uma longa vida (mais?) em troca da seguinte condição:

Diabolicamente, o que ele pediu em troca não é algo que nos espantemos, após anos em que os fãs presenciaram decisões estúpidas. Ao menos quando a versão glamourosa e metrossexual do diabo da DC, Neron, se meteu entre o amor de Wally West e Linda Park, além de custar mais caro para o chifrudo, teve a intervenção de um talentoso Mark Waid, que fez com que o jovem Flash, voltasse do paraíso dos velocistas, a dimensão conhecida (e criada pelo autor) como Força de Aceleração, onde estava perdido, por causa do amor de Linda por ele, que serviu como um farol, direcionando o herói de volta ao nosso mundo. Uma solução mais simplista e até infantil, porém condizente com o estilo dos contos de fada, de certa forma. E ainda tratando desse casal, mais surpreendente ainda, Waid fez com que Wally deixasse de ser esse cara…para ser esse cara.

Articulado, muitas vezes uma figura de inspiração para outros heróis e totalmente adorável no seu pedido de casamento. Aliás, nesse tempo, Waid teve muito apoio e ajuda de Mark Millar e Grant Morrison. Parabéns rapazes.

Após conseguir casar com linda, West viu sua esposa ser literalmente apagada da existência e colocada numa “dimensão compacta”por seu inimigo Abra Kadabra. (talvez chateado por não ter sido convidado para ser padrinho)

Aproveitando esse momento, vamos tentar pensar, qual seria a mais madura e corajosa decisão de uma pessoa, do que dedicar sua vida para apoiar, amar e proteger outro ser humano? Alguns até chamariam isso de verdadeiro heroísmo.

Nos quadrinhos os casamentos deveriam ser tratados tão seriamente como seriam na vida real, a partir do momento que as atitudes dos personagens nas histórias normalmente são retratadas como grandes metáforas, ou alegorias sobre o heroísmo de cada dia, realizado pelas pessoas comuns.

Esse casamento é complicado. Foi celebrado na história: Batman, O filho do demônio. Deixou de ser validado na continuidade, mas com a aparecimento de Damien (seu filho) pelo roteirista Grant Morrison, pode ser que agora valha…

Como por exemplo, quando a belíssima Canário Negro teve que matar seu marido em sua Lua de Mel, que por fim provou se tratar de um impostor, nenhuma consequência maior se mostrou importante, sorte para o Arqueiro Verde, a não ser claro, a impressão de que alguém matou o homem que acabara de casar horas antes. Esse enredo poderia roubar a validade do real desafio que é o compromisso do casamento, como algo muito mais importante e por vezes mais amedrontador que enfrentar um vilão? Na necessidade de provar que o heroísmo de um personagem é muito maior do que os leitores acreditam, os escritores frequentemente, criam falsos e desnecessários dramas nas vidas pessoais dos mesmos.

Canário Negro e Arqueiro Verde e a pior noite de núpcias do mundo.

Alguns relacionamentos podem sobreviver à ida de um dos cônjuges ao inferno e seu  inusitado retorno, mas não só conflitos violentos precisam ser construídos através da artimanha de se colocar impostores para morrerem no lugar do ser amado, nem todos os casamentos precisam ser destruídos pelo satanás ao invés de seguir o curso natural da vida e terminarem talvez pela falta de amor e exaustão, muitas vezes causados por escolhas erradas na vida de cada um dos envolvidos. Deixando claro que o divórcio faz parte do caminho natural de muitos relacionamentos, também nos quadrinhos nem todo herói tem que estar casado para ser interessante.

Barry Allen, o Flash da Era de Prata (e agora), decidiu casar com Iris West e não contar que era o herói, apenas que trabalhava até tarde.

Mas o departamento de marketing tanto da DC quanto da Marvel parece acreditar que os leitores médios de quadrinhos não conseguem lidar com a complexidade das relações humanas verdadeiras. Ao contrário de lidar com os desafios do coração, eles enveredam pelas soluções fáceis e batidas como mortes, identidades trocadas, maldições, etc. Evitando reais conflitos entre dois seres humanos na maioria das vezes. Nós cada vez mais estamos dependentes da tecnologia para nos conectar como indivíduos e a arte não precisa inventar tantos recursos absurdos para justificar a incapacidade de duas pessoas estarem juntas.

Para se ver como o amor é cego, Donna Troy, linda, poderosa e bem sucedida financeiramente, casou com Terry Long, velho, chato e falido.

Gostar de garotas ou ter qualquer tipo de dependência emocional ou sexual por quem quer que seja, não importando a sua orientação sexual em qualquer caso, leva para um compromisso e muitas vezes mostrado na indústria, uma falta de ação nas revistas desses heróis, que muitas vezes são tratados como agora desinteressantes pelos próprios editores que antes haviam votado por essas uniões.

Ciclope escolheu o óculos mais feio de sua coleção para o seu casamento com Jean Grey.
O casamento de Bruce Banner & Betty Ross, o pai da noite entra as pressas na cerimônia e atira no padrinho, fora isso, foi lindo!

O que faz com que o Senhor Fantástico e Sue Storm funcionem talvez tenha muito a ver com o fato de eles estrelarem uma revista dedicada em mostrar as estranhas famílias que construímos para nós mesmos, todos os dias, com nossos amigos e amores, independente da radiação cósmica que os torna super poderosos e que são o base da nossa segurança emocional. Por causa da decisão desses heróis de permanecerem juntos como uma família, personagens fortes foram criados e o casamento caiu como uma luva nessa equipe, sendo para a grande estrela dessa revista.

O casamento de Satúrnia e Relâmpago, da Legião dos Super Heróis, sobrevive até hoje após dois reboots.

Seria maravilhoso poder ver mais disso acontecendo, poder presenciar mais relacionamentos passando pelo stress, hora inevitável de um relacionamento e saindo fortalecidos dessa experiência. Consequências místicas e cósmicas por maiores que sejam podem ser desenvolvidas por qualquer autor, mas os bons roteiristas nos provam porque esses personagens são importantes e merecem o nosso amor, com desafios corriqueiros da nossa rotina, nos inspirando a fazer como os mesmos e superá-los diariamente.

Mas você não vê isso normalmente, na maioria dos casos os amantes que não mais interessam as editoras acabam se tornando “detetives fantasmas” ou pior, tendo suas vidas reiniciadas com todo um novo conjunto de bizarras circunstâncias.

O casamento pode ser atrativo para qualquer herói e tão cheio de desafios como uma armadilha mortal de seu arqui-inimigo, vide Aquaman e Mera que continuam apaixonados até hoje enquanto enfrentam eco terroristas todas as quartas-feiras, Reed e Sue que se aventuram por diversas novas dimensões enquanto criam seus filhos pequenos ou o Homem Animal e sua mulher Ellen Baker que salvam o mundo todo mês de ameaças bizarras enquanto passam sufoco para pagar a hipoteca de sua casa de subúrbio. Essas pessoas provam isso, superando obstáculos, fazendo com que seus sentimentos uns pelos outros sejam mais épicos que qualquer invasão alienígena.

Estre Polar e Kyle Jinadu

Ao sobreviverem ao maior desafio humano, que é o de coexistir em harmonia com suas convicções, desejos e promessas, os roteiristas tornam esses campeões ainda mais adoráveis, complexos e aventureiros. Sob essa luz, desfragmentando o conceito do casamento, ou tornando essa instituição insignificante, através de um reboot (nada contra a ideia do mesmo) podemos ter todo um novo universo de oportunidades desperdiçados. Esperemos que a Marvel não destrua o belo trabalho que vem fazendo com o Estrela Polar e Kyle Jinadu ou a DC se lembre disso quando no futuro, Clark novamente pedir Lois em casamento.

O casamento do Senhor e Senhora Fantástico contou com diversos heróis convidados, além do direito a ser atacado pelo Doutor Destino, Mandarin, O Toupeira, Fantasma Vermelho e seus Super Macacos, Kang, O Gárgula Cinzento, Pensador Louco, Attuma,Super-Skrull, Encantor e Executor, Mestre dos Bonecos Electro,Mr. Hyde, Cobra, o Besouro… além de aparições especiais de Stan Lee e Jack Kirby!

O CASAMENTO DO ESTRELA POLAR, AQUI.

1013039_628535273838483_343201070_n

Anúncios

61 comentários sobre “CASAMENTO NOS QUADRINHOS: até que a morte ou o reboot nos separem?

  1. acho q o casamentos de personagens como Gage e Jones duram por serem personagens ”secundarios” , n tendo tanta mobilização nas historias…Os escritores da Dc ainda n conseguiram equilibrar a parte de relacionamentos nas historias, n sendo tao real quanto esperamos…Ja a Marvel faz um otimo trabalho com sue E Reed.

    Parabens pela materia, muito boaa

    Curtir

  2. Belo texto mesmo Venerável! Demonstrando como sempre grande conhecimento histórico de hqs, algumas coisas colocadas eu não sabia/lembrava. Realmente, é raro um casamento ser tratado de maneira digna nos quadrinhos de heróis, assim como tantos outros assuntos tratados superficialmente e absurdamente (alô Mephisto!). É o preço a ser pego por termos 200 hqs de heróis todos os meses, muitas histórias não tão boas. Abraço!

    Curtir

  3. Adorei o texto,Venerable!Me deu até vontade de casar com a Pepper…bem,o Reed e a Sue mantem mesmo um sólido casamento(apesar do “mala sem alça”do Namor viver rondando a Sue…cara chato),o Quesada é mesmo o pior inimigo do Aranha,fazer umarco daquele…é um idiota…

    Curtir

  4. Bom artigo Victor!
    O casamento do Reed e da Sue funciona porque eles praticamente já nasceram casados para os quadrinhos.
    Mas na realidade tens razão, eles acham os leitores demasiados estúpidos para entenderam de relações humanas! Isso exigiria mais do leutor, pperceber todas as nuances emotivas de um casamento, e também do argumentista, que teria muito mais trabalho ao fazer a história.
    Na Europa os casamentos entre personagens de HQ normalmente são duradouros, e os reboots inexistentes… exemplo: Thorgal e Aarícia. Casaram e vivem juntos, já velhos (na Europa tem o mau costume de envelhecer…) até ao presente número!
    😉

    Curtir

  5. Quando uma personagem casa, ela meio que se aproxima da vida real e o mundo real é chato para o leitor médio de quadrinhos que vai ler uma hq atrás de aventuras fantásticas, irreais. Fora que casar/descasar/morrer/ressuscitar funcionam como fortes estratégias de marketing para se vender, gerar discussão. Isso vai ser usado até a exaustão pelas editoras, pois o público ainda cai nessa.

    Curtir

  6. Baita post como sempre cara.
    Também concordo que o Super e a Maravilha só vão ficar juntos pra satisfazer os fetiches nerds de ver eles assim. heheh
    E para mim a maior cag… neste quesito foi a separação do Aranha com o pacto dos infernos hehe As histórias melhoram em comparação as últimas, mas ainda não me desceu esta separação heheh
    Normalmente não sou um nerd chato, mas desta vez não gostei:p heheh
    Valeu cara.
    Abração

    http://www.palitosnerds.blogspot.com

    Curtir

  7. Acredito que o que fez o casamento de Reed e Sue funcionarem é que o conceito dá ênfase a ideia de que eles são uma família. No caso dos outros heróis, parece que os editores/roteiristas tem o conceito primitivo de que os leitores não vão se identificar com os heróis casados.

    O outro lado é que me parece que alguns tem “birrinha” de certos casais e aproveitam o poder para apagá-los e assim impor o casal que ELES queriam ver. Esse caso do Superman e da Mulher Maravilha, simplesmente os roteiristas satisfazendo o “fetiche” de ver os dois juntos, mesmo o Super já tendo um par romântico bem estabelecido e a Mulher Maravilha ainda tendo o que resolver com o Steve Trevor.

    Já no caso do Aranha, tudo o que aconteceu foi ridículo ainda mais para um personagem que era rotulado como o “mais humano dos super heróis”. A história em que ele se casa com a MJ é sensacional e é uma pena ver isso apagado simplesmente por causa dos caprichos de um editor-chefe que queria culpar o conceito ao invés de reconhecer a própria incompetência em conseguir alguém para fazer boas histórias com os personagens.

    Curtir

  8. No fundo mesmo, todo mundo sabe que e uma questao de tempo ate que qualquer idiotice editorial aconteça e separe o que fora, ate agora, um casamento perfeito, um felizes para sempre, que no mundo desses herois, nunca verdadeiramente existe, por um motivo ou outro e que torna, querendo ou nao, mais divertido! Espere, sera que eu sou tao mau a ponto de ficar feliz com isso…. X_x

    Curtir

  9. E por que as pessoas se casam mesmo?

    Para correr perigo, para perder o conforto egoísta, a individualidade, para dividir os problemas, compartilhar as aflições… para salvar a si mesmas…

    O amor é isso tudo, um reboot interminável, precisa de caos, paixão, precisa de paz.

    As pessoas se casam, se divorciam, erram, aprendem novas formas de errar … e seguem com tudo o que têm, no amor e na guerra vale tudo, vale sofrer, vale se sacrificar, vale sentir a maior felicidade possível, vale lutar.

    Parabéns pela matéria incrível, Victor!

    Curtir

  10. Mais uma bela matéria sobre um assunto interessante, V V V! Casamento é um tema muito delicado e o exercício dele, a cada dia que passa , mais difícil. É assim na vida real, imagine com personagens ficcionais que arriscam suas vidas. Neste momento especialmente, em que muitos de meus amigos casados tem enfrentado dificuldades em seus relacionamentos, que a leitura deste possa ser divertida.

    Curtir

  11. Como sempre, com uma visão única e especial sobre o assunto ^^
    Muito interessante mesmo ^^ …
    Sobre a relação casamento fictício x casamento real: acho q é possível chegar a um meio termo, onde a realidade seja retratada sem prejudicar a “fantasia” da história, até porque as pessoas gostam de ler, justamente, para esquecer um pouco a realidade, e mergulhar naquele universo incrível que chamamos de imaginação ^^.

    Curtir

  12. A instituição casamento está indo por água abaixo, ou reinventamos ela ou vai simplesmente virar coisa do passado. Saiu no diário oficial de hoje o registro de uma “união estável poliafetiva”, entre um homem (de sorte) e duas mulheres no sul, que simplesmente chegaram no cartório e registraram que são um casal, OS TRÊS.

    Se os casamentos nos HQs desmoronam isso não tira da nona arte o papel de reflexo do “american uei ovilaife”, já que hoje cada vez mais celebridades e endinheirados casam com toda pompa para se separar alguns meses, dias ou horar depois.

    Além disso, se é burrice alguns roteiristas acabarem com alguns casamentos, também é burrice muitos deles que começam na vida real hahahahaha.

    Viva o amor, independente da forma que assuma! Viva os quadrinhos! Viva o Santuário! Viva a Camila Pitanga!

    Curtir

  13. É tudo uma questão de visão da instituição matrimônio com o passar dos anos. Na Era de Ouro ela era respeitada e a arte imitava mesmo a vida real (vejamos a maioria dos casos da Terra 2 antes da Crise nas Infinitas Terras da DC). A Era de Prata transformou esse conceito com a influência das idéias dos anos 70 totalmente incorporados na Marvel. O que fez a DC mudar suas idéias prá acompanhar as vendas da concorrente. Dos anos 90 prá cá, tudo virou puro consumismo onde não se respeita sentimento e tudo é mega ação de marketing semanal prá garantir uns trocos. Existem casos isolados como os Incríveis, Invencível, Tom Strong e tantos outros mas o consumismo e sensacionalismo é o que manda agora!

    Curtir

  14. Muito bom o post, camarada. Lamentavelmente, tivemos que relembrar o bendito caso do aracnideo e sua continuidade. Mas fazer o que, sao ossos do oficio! Parabens meu caro!

    Curtir

  15. Gostei muito da materia de casamento, ainda mais quando se retratou o casamento Gay nos Quadrinhos, é uma forma de aceitação né ?!!
    – Acho difico algum super heroi se casar e ter paiz pra cuidar de sua familia !

    Curtir

  16. Serio ? A Feiticeira Escarlate casou com o Visao ? Sabia de casos de pedofilia, necrofilia, zoofilia, mas, “robofilia” eh o primeiro !

    Curtir

  17. “Procuramos independência, acreditamos na distância entre nós!!!” 🙂 Hoje em dias esses jovens editores não entendem a importância da instituição casamento! Só quero deixar claro uma coisa, acho lindo a Susan e o Reed, mas ninguém me convence que ela já deu uma escapolida com o peixão do Namor!!! (eu escapolia fácil…ali) Só pra aliviar a tenção, afinal seu marido elástico por diversas vezes foi ausente na relação que eu sei…eu acompanhava o Quarteto… MAKE MINE MARVEL!!!

    Curtir

  18. Olha, casamento é um tema muito recorrente em hq, mas também não dá muito certo. Aliás, só a Marvel tem conseguido manter os casais e olhe lá! Muito bem escrito Venerável, meus parabéns. Conheci casais que eu nem sabia e relembrei os bons casamentos hqueísticos. Gosto muito do casamento do quarteto e do homem aranha(O divórcio é que foi uma catástrofe)!

    Curtir

  19. Quantos casamentos! como deixei de ler quadrinhos de Super herois ha um tempão só me lembro dos casamentos do Super, do Senhor Fantástico e do Spidey! Pra uma das mais escabrosas misérias foi essa do trato com o capeta de Mary Jane e Peter !!ptz!!

    Curtir

  20. O casamento do homem animal era foda! As vezrs o trampo de heroi não ajudava nas despesas! O casamento do super foi um puta evento! Isso me faz lembrar a fodaralhaça crise de identidade! E o apolo e meia que estão juntos faz tempo! Boa sorte a o estrela polar e seu cônjuge!

    Curtir

  21. Como não posso deixar de citar que os textos no V3 são sempre impecáveis!
    Mas voltando aos casamentos dos nossos queridos heróis, sempre achei a maior besteira do mundo! Sei lá, muda o foco de salvar o mundo para salvar o parceiro amado…
    Nunca curtir hehe’

    Curtir

  22. ótimo texto VVV ! quando o quesada separou o peter da MJ fiquei puto da vida porque os dois se complementavam , ambos nasceram para ficar juntos e isso que era uma das coisas mais legais da hq do aranha mais o quesada so faz merda e tirou essa magia que encantava a muitos fãs de quadrinhos…

    Curtir

  23. Como sempre um bom trabalho. Acho, na minha pequena opinião que este tipo de trabalho deveria ser entregue a roteiristas mais qualificados. Esses assuntos mais mundanos deveriam ser levados mais a serio, pois alguns querendo ou não, os quadrinhos podem ser uma ferramenta de inspiração, de influencia sobre a garotada. Assim quem sabe podemos com os quadrinhos ter familias no futuro melhores, aprendendo a sobreviver com dificuldades, que todas tem.

    Curtir

  24. Entre todas essas historias algumas foram realmente boas; o de Sue e Reed foi uma das melhores historias do casamento mais sólido dos quadrinhos, o de Mary e Peter coroou uma fase legal do Aranha num casamento em que todos torciam mesmo que sempre tenha achado que Gwen seria a mulher da vida do Peter e Donna &Terry tenha sido o mais proximo da realidade (afinal o pensamento da maioria dos meus amigos na época em que essa historia foi publicada foi: o que ela viu nele?… servia como consolo afinal as mais belas garotas de escola nunca davam bola pra gente, quem sabe poderiamos ter a mesma sorte rsrsrsrsr). Bem no mais parabens Veneravel grande materia como sempre.

    Curtir

  25. Então, eu sempre defendi as histórias onde o herói não é movido por algo como o amor, acho muito chato, por exemplo, se você pegar os 3 filmes anteriores do Homem Aranha (falo destes porque não vi o último :/), nos 3 filmes o Aranha tem que salvar a Mary Jane, as histórias vão ficando repetitivas e sem graça, ele sempre tem que salvar a mocinha…
    Um personagem que eu gosto muito e que é um exemplo claro de que não precisa ter um par romântico para se criar histórias fantásticas, é o Timtim do Hergé.
    O romance nos quadrinhos, assim como os casamentos, podem até acontecer, mas numa dose homeopática, para o herói ganhar mais flexibilidade nas histórias e não ser dependente e movido pelo seu par a vida toda.

    Curtir

  26. Lembrei de uma vez que o Mauricio de Souza disse que não ia deixar a Mônica e o Cebolinha namorarem firme pois toda vez que um personagem famoso se casava praticamente as histórias deles acabavam… Ele citou vários exemplos mas me lembro agora só do Fantasma….

    Curtir

  27. Na minha opinião (e eu não percebo nada de BD/Quadrinhos) não deveriam haver casamentos entre super-herois, a não ser que, quando os super-herois foram criados já o fossem como casados e com a/o respectiva/o companheira/a.
    E porquê? perguntas tu.
    Porque os casamentos dão IDADE aos heróis, logo se o casamento dura 15 anos (por exemplo) o herói terá de aparentar estar mais velho 15 anos, o que também significa que, sendo assim, o heroi envelhece. E se envelhece MORRE.
    O Spiderman nunca deveria ter casado, nem ele nem os outros, pelos motivos supra mencionados. Ou então assumam logo de uma vez que eles são todos imortais e que não envelhecem.
    Ou é normal que o Spiderman, no início dos idos anos de 1960 já fosse criado como um adolescente a acabar o liceu (ou no início da faculdade), e hoje continue com aquele ar jovem e musculado? Malta, o senhor anda perto (se não tiver mais) dos 70 anos.
    Se os não querem envelhecer, não lhe podem dar/fazer coisas que os envelheçam e os façam “mais humanos”. Nós gostamos deles exactamente porque eles não são comuns mortais.

    Desculpa o longo comentário. mas tinha de transmitir a ideia.

    Curtir

  28. Tenho até hoje a edição numero 100 da revista do Homem aranha da editora abril que mostra o casamento entre Peter e Mary Jane, apesar de estar em uma fase ruim a edição para mim foi histórica, tenho um carinho especial com ela, agora convenhamos Bruce e Selina fazem um casal que sempre todos torceram, e Kal-el e Diana já é desrespeito pois temos uma história com o sempre bundão Clark e seu sofrimento de ser um dos homens mais poderosos do universo e não conseguir nem olhar para ela direito, Arqueiro e Canario são perfeitos, agora não posso ficar sem falar deles o casamento de Donna e Terry também foi ótimo e os titãs estavam em sua melhor fase, uma pena o Dick e a Kory (que para mim são o casal mais perfeito de todos) nunca ter dado certo torço demais por eles, agora vamos torcer para que nesse reboot da Dc eles se casem e deem certo pq a editora só esta dando bola fora, quem sabe eles façam mais essa por nós.

    Curtir

  29. Há heróis que nunca deviam casar (não faz parte do perfil deles) mas os outros que casaram e até haveria potencialidade nos casamentos alguns autores divertiram-se a estragar tudo por fracas capacidades em escrever estórias em que o casamento fosse presente, talvez porque eles próprios não tenham um bom casamento… O cúmulo foi mesmo o aranhiço! Terminar um casamento para prolongar a vida uma velha que devia ter morrido 50 vezes?? LOL
    Também não gostei da maneira com que acabaram com o casamento da Wanda com o Visão… eram um casal giro em que alguém decidiu um “divórcio” forçado…
    Quanto ao Superman… aqui concordo! A Lois era uma chata, nunca gostei dela.
    😀
    Bom texto!

    Abraço

    Curtir

  30. Parece-me a mim muito bem que os quadrinhos queiram reproduzir o mundo real, trazendo para si os costumes de um planeta em constante evolução (ou involução, em alguns casos). É natural que se concentrem nas questões que nos movem como indivíduos singulares ou massa comum, coletiva. Apenas que há caminhos que se tomam e que depois não se sabe como sair deles com o mínimo de coerência; e é quando se recorre ao fantasticamente absurdo.

    Curtir

  31. Concordo com muita coisa que você disse, afinal você pode dissolver uma união sem precisar recorrer a essas desculpas ridículas, claro que sem esquecer que num reboot, tornar alguns personagens novamente solteiros pode propiciar novos caminhos para eles. Apesar de que no caso do Homem Aranha, não encontro de forma alguma nada que defenda a lambança que a Marvel fez.

    Até que aconteça o casamento do Galactus com o Surfista Prateado…MAKE MINE MARVEL!

    Curtir

  32. O casamento dos X-men Ciclope e Jean é um dos poucos que teve uma abordagem mais “humana”: romance adolescente, casamento, traição, rompimento, mágoas… E no fim todos amaram (pelo menos eu, sim) essa abordagem! Pena que com a Tempestade e o vingador Pantera Negra eles preferiram simplificar o fim… #palhaçada.

    Curtir

  33. Na minha opinião o casamento do Peter e da MJ era a melhor visão de um relacionamento saudável! Sem mentiras, mas com ação e sexo!

    Só não entendo porque as editoras tem tanto medo de desenvolver seus personagens! Enquanto os Novos Titãs cresciam, transavam, se drogavam, casavam, divorciavam, transavam de novo e tal… os grandes personagens da DC pararam no tempo! Diana ficou pra titia (mas pegou geral nas HQ), Batman não firmou com nenhuma mulher e o Superman não conseguiu se impor no casamento (pra mim era a Lois que punha ordem na casa)! Tantos personagens simplesmente foram apagados/mortos por que deixavam a Trindade velha de mais: Bobby (filho da Donna), Lian (filha do Arsenal), Cerdian (filho do Tempest), Arthur Jr. (filho do Aquaman) e por aí vai!

    Que medo de encarar o passar do tempo!

    Curtir

  34. Flash casado. Isso deve ser estranho.

    Ótima matéria.

    Qdo Batman 3 estreou, eu e a Thais ficamos conversando muito sobre essas mudanças, reboots, paralelos e ela estava me contando sobre o casamento dele.

    Curtir

  35. gosto do casamento nos quadrinhos mas meus heróis preferidos não tiveram muita sorte o aranha até que estava legal mas depois ficou estranho pra caralho o batman nem se fala. e acho que a Sue ainda tá com o reed por que ele tem algo que estica heheheh….. o matt murdock deveria se pego pela maria da penha por que não tem uma que dure na mão dele. gostei do que o mark millar fez nos supremos entre o hank pym e a jan mostrando a seriedade das hqs e o trabalho do brad meltzer em crise de indentidade muito foda. em resumo casamento só sabe quem convivi e isso vale atá no mundo dos quadrinhos………. vlw veneravel.

    Curtir

  36. Casamento nos quadrinhos servem para ganhar dinheiro. Ou seja, eles iventam uma cerimônia vendem um monte de gibis com a história do caamento depois não sabem o que fazer com o casal.

    Acho que o casamento do Reed e da Sue dura tanto tempo, por que os roteiristas se abtuaram a sempre olhar o Quarteto como um família, não fazendo sentido separa-los.

    Quanto ao Pacto de Peter com o Mefisto, bom…….Detesto esse negócio,

    Curtir

  37. Umberto Eco fala sobre isso no Mito do Super Homem… Não li quase nada de quadrinhos, mas vim parar nesse artigo através do face justamente por ser uma faceta citada pelo Eco, que foi uma das fontes da minha monografia xD Lá ele fala que o Super Homem nunca poderia casar que isso determinaria e marcaria, como um timer, o fim do mito… Daria ao mito um prazo de validade… Enfim, pra vcs que curte e acompanham vale a pena a leitura, até mesmo pra discordar, eu como falei, não li quase nada de quadrinhos então nem tive um olhar tão critico quanto poderia ao ler o texto dele…
    Mas parabéns pelo artigo, gostaria de te-lo lido antes…

    Curtir

  38. Eu adorava o Peter Parker casado com Mary Jane. Isso rendeu uma das histórias mais legais do Aranha. Um encontro entre ele e o Fera feito por Erik Larsen em que o casal discute a possibilidade de ter um filho mutante, e os riscos que isso poderia trazer para MJ. Infelizmente Quesada acredita que heróis casados não interessam a adolescentes, sem pensar por um segundo que seja em Guku, por exemplo.

    Curtir

  39. O melhor texto que li do Venerável(até agora,o cara vive se superando).Verdades foram ditas nesse texto,além de muitas informações sobre o casamento de vários Heróis.Realmente as Editoras preferem as decisões mais fáceis(separações)quando querem inovar na vida dos personagens.Que o Sr Fantastico e Sue storm continuem casados,enfrentando e vencendo seus obstáculos.Parabens pelo texto,Venerável!

    Curtir

  40. Ótimo..ótimo… só senti falta de um casal que leva o vínculo amoroso à sério: Katar Hol e Shayera… com suas infindáveis encarnações. (porém nota-se que preconceituosa, pois em nenhum deles houve um caso homossexual entre eles). No demais até eu me casava com Reed Richads…kkkk
    E confesso, o melhor casamento rpa mim foi assistir o de Donna e Terry… Momento impar!!

    Curtir

    1. Maninho, realmente o casamento da Donna com o Terry foi emocionante!!! George Perez conseguiu tirar uma suave lágrima do meu olho esquerdo com sua narrativa visual… S2

      Curtir

  41. Realmente tirando o casamento do Senhor e Senhora Fantástico, (e olha que ele já passou por tudo o que um casamento pode passar nos quadrinhos), não vi nenhum outro perdurar tanto tempo.
    O que será que faz o casamento dos heróis soar tão desinteressante que volta e meia eles precisam ser anulados?
    Concordo com tudo o que o Victor falou, mostrar que uma união sobrevive ao maior desafio de todos, que é o tempo por si já seria digna de méritos, mostrar que essa união perdura enquanto se salva o mundo então…
    Acho que nos quadrinhos o certo a se dizer durante a cerimonia é: Até que os roteiristas o separem.

    Curtir

  42. Sabe de uma coisa que não aceito é o Super Homem não ter casado com a Mulher Maravilha. Meus olhos infantis acreditava nesse casal perfeito.
    Mas hj em dia minha mente suja e mais barata que rosquinhas Mabel entende que da fruta que ele gosta Mulher Maravilha minha diva engole a casca,chupa o caroço e mija o sumo.
    Ótima matéria 😉

    Curtir

  43. O problema é que parece que os escritores só sabem escrever histórias de herói dando porrada no vilão. Algo mais sério, como um casamento, eles não conseguem. Afinal, se no mundo real já é difícil definir um casamento, imagine nas hq’s?
    Agora, sobre as histórias ruins de casamento nas hq’s, me lembrei de um “Superpowers” onde o Asa Noturna se casava com a Estelar, aí, no meio da festa aparece uns vilões, e eu terminei de ler a história, mas não entendi se eles se casaram, ou não. hahahahaha

    Curtir

  44. EDITORIAL SANTUÁRIO:

    Segunda – Brainiac VS Ultron – Quem vence?

    Terça – Mulher Estupenda!

    Quarta – Doctor Who, quem???

    Quinta – Casamentos nos quadrinhos

    Sexta – Capitão Átomo # 12

    Sábado – Umas Tiras da Pesada

    Domingo – Destino: Crônica de Mortes Anunciadas!
    o

    Curtir

    1. Sempre achei que o Superman se casaria com Lois Lane e teriam o Super Boy e que o Batman se casaria com a Mulher Maravilha e teriam a Super Morcega que seria Namorada do Robin ,mas antes a Mulher Maravilha brigaria com a Mulher gato pelo Morcegão.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s