O Questão – O Soldado Vermelho

0013_segunda-vista

Img-de-CapaqdcContinuando a série de resenhas (resumos em vários momentos, tenho que admitir) dos encadernados  (TPB ou Tradepaperback nos EUA) de “O Questão” de  Dennis O’Neil (história), Denys Cowan e Malcolm Jones III (desenhos) e Tatjana Wood (cores). Peacemaker foi publicado pela DC Comics em Maio de 2010.

O Questão – criado por Steve Ditko

Por Carlos “hiatos contemplativos que me salvaram” Lenilton

Contém spoilers para os que ainda acreditam que lerão estas histórias em português.

O Pacificador – Na segunda história do último encadernado (Número #32 na numeração original) da série O Questão acompanhamos o segundo tenente reformado do exército e herói de na guerra do Vietnã, William Palmer, ser convidado a comandar o grupo civil de policiamento, a “guarda da vizinhança” (qualquer semelhança com as ideias de político Moroni Torgan do DEM é mera coincidência) que tem a intenção de ajudar o pouco efetivo policial de Hub City a manter a ordem na cidade. A mais nova iniciativa da prefeita para reorganizar a cidade pode ser um barril de pólvora pronto a explodir uma vez que civis destreinados e armados são um perigo para si e para os outros. O que podemos dizer de  um ex combatente do Vietnã cheio de neuras e traumas? E o que o Questão acha de tudo isto? Hub City parece mesmo um lugar sem redenção ou ainda podemos ter esperança de ver esta cidade ressurgir do estado caótico em que está afundada?

“De boas intenções o inferno está cheio” diz o ditado. E Myra Fermin parece que nasceu no inferno, tamanha sua vocação em transformar boas intenções em tragédias potenciais. Sua proposta de criar uma guarda civil de vigilância dos bairros tem tudo pra dar tão errado quanto sua ideia anterior de convocar guangues para policiar as ruas da cidade. Os grupos formados são os mais heterogêneos possíveis, um ponto em comum: amadorismo. É claro que o repórter Vic Sage parte para entrevistar a prefeita sobre esse plano. Myra que não é tola sabe dos riscos que corre, mas não encontra uma saída imediata para o baixo número de policiais no distrito de Hub City.  E enquanto o Questão continua fazendo suas rondas solitárias, um dos grupos de vigilância parte em busca de aventura…Ou algo mais.

Eis uma história que afirma a aura cult  em torno desta série. Temos aqui um Dennis O’Neil que costura conversas afiadas e uma boa construção de enredo como tanto lhe é habitual. A aventura começa trazendo um flashback do tenente W. Palmer no Vietnã e como perdeu vidas do pelotão que comandava por não dar ouvidos a um de seus soldados que avisara momentos antes de uma saraivada de balas atingirem-nos, que tinha avistado um homem na mata. Um homem de roupa vermelha.

Image237

Palmer vira um herói de guerra ao matar a partir daquele momento o máximo de inimigos possíveis, mas nunca encontrou o tal de roupa vermelha e isso o persegue até os dias de hoje.

O Questão nesta aventura é quase um coadjuvante de luxo pois o foco são os traumas de guerra e como certas condições podem reacende-los. E é exatamente isto que ocorre no ponto crucial desta boa história auto contida.  Ao ser “convocado”  por um grupo de moradores de seu prédio para comanda-los em rondas pelo bairro William Palmer sucumbe a pressão de ter outro “soldado” alvejado por um “fantasma” de vermelho. Palmer surta durante a ronda e vê tiros vindo de um prédio que só ele enxerga. Os colegas ficam atônitos e amadores que são permanecem paralisados diante do delírio de Palmer que apenas balbucia “desta vez será diferente, desta vez pegarei o homem de vermelho”.

O’Neil transforma as páginas finais deste número num sufocante conto de horror pós guerra. Tudo acompanhado pela bela arte da dupla D. Cowan e  M. Jones III. No fim o transtornado Palmer invade o prédio. Procura por um atirador que não existe. Encontra um garoto desarmado. O mata. Perturbado procura por uma arma que nunca existiu, percebe o trágico erro, pega sua arma, coloca-a em sua cabeça e diz: “Sim, hoje será diferente”. Bam!

Nenhum inimigo de vermelho.

Parabéns Mister O’Neil por uma história adulta como elas deveriam ser. Sem firulas, densas, fortes e sufocantes.

S_Final

1011956_552324618141902_366965219_n

Anúncios

13 comentários sobre “O Questão – O Soldado Vermelho

  1. E como não lembrar de um outro combatente do Vietnã que a gente conhece. Este já foi voltou, foi de novo, mas nem é o caso. Histórias assim: secas e sem rodeios também fazem o meu gosto. Só é uma pena que nos Novovos 52 este não vai ser o foco do personagem.

    Curtir

  2. O Questão é e sempre será um dos personagens dos mais necessários dentro do seu gênero. Ele é perfeito porque não é o Batman, uma criatura das trevas, nem o Arqueiro Verde o liberal politizado. Embora tenha traços de ambos, o Questão é único, porque ele faz justiça, ele defende os oprimidos, mas não é só isso. Ele quer respostas… e nos instiga a fazer a perguntas.
    Grande resenha, Carlos, deu gosto de ler!
    Parabéns!!!

    Curtir

  3. Questão para mím é um dos bons personagens do universo dc… Podia sair as antigas histórias dele que foram publicada em formatinhos, em um encdernado. Eu lia muito as suas aventuras e curtia seu visual… Viva Steve Ditko.

    Curtir

  4. EDITORIAL SANTUÁRIO:

    Segunda – Astro City #2!

    Terça – Fabulosos X-men #8!

    Quarta – O Questão!

    Quinta – Os 10 +

    Sexta – Monstro do Pântano # 0!

    Sábado – Umas Tiras da Pesada!

    Domingo – Promethea!
    s

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s