Super-Homem Jr & Batman Jr – ”É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar na verdade não há!”

Por Venerável Victor  “Gorilla Grodd Jr.”  Vaughan

Img-de-CapasupermanbatmanFuturo alternativo? Simulação de computador? Ou Terra paralela?

A princípio parece que Bob Haney criou os Super-Filhos (Super-homem & Batman Jr.) apenas como uma desculpa para escrever as aventuras dos maiores ícones DC como se eles fossem adolescentes, exatamente iguais suas maiores criações, os Novos Titãs, mas as dezenas de histórias que foram criadas para eles posteriormente se tornaram algo muito maior.

Para começar, todas essas aventuras tem a marca indelével das histórias loucas e surreais de Haney, sua marca registrada – Super-Homem Jr vibra seu corpo e consegue tornar toda uma cidade e seus habitantes intangíveis na primeira revista – e a partir daí nós temos cowboy imortais, cidades Inca perdidas, Super-Pais levados a julgamento por seus filhos e um vírus que transforma pessoas em gigantes gordos.

Essas histórias também exploram o relacionamento entre pais e filhos. As mães – anônimas o tempo todo – dos Super-Filhos não os querem nessa vida perigosa, mas nada que seus experientes e poderosos pais façam consegue impedir com que eles se envolvam mais e mais na luta contra o crime. Mesmo quando os jovens se revoltam contra estarem vivendo na sombra de seus famosos pais, eles alternam o tempo todo entre rejeitar as ideias ultrapassadas de seus progenitores e abraçar seus legados de direito. Até mesmo a filha desconhecida do vilão Lex Luthor aparece em uma edição.

Clark Jr. e Bruce Jr. se tornam melhores amigos rapidamente e partem pela América em suas motocicletas ajudando qualquer um em necessidade, muitas vezes deixando de lado os super-sopros e batarangues de seus pais. Super-Homem Jr. tem metade do nível de poder de seu pai, mas ainda os está desenvolvendo. O visual geral de seus uniformes é praticamente idêntico aos de seus pais – salvo alguns detalhes – e essas histórias originalmente foram publicadas na revista bimestral “Os Melhores do Mundo” durante o intervalo de cinco anos ininterruptos, praticamente toda desenhada pelo veterano Dick Dillin.

Os Super Filhos são desintegrados

E então, Denny O’Neil – responsável por uma das melhores fases da revista Green Lantern & Green Arrow e da do Batman –  apareceu na jogada e matou eles. Não, não matou eles… APAGOU eles. Isso aconteceu em “Os Melhores do Mundo” #263 (1980). O’Neil escreveu uma safada história – para alguns uma justa e coerente forma de solucionar uma “presepada” dos anos 60 – onde é revelado que os Super-Filhos eram simulações de computador, feitas pelo “super lap top” da Fortaleza da Solidão pelo Super-Homem e Batman.

Os filhos super-heróicos desconfiam de toda situação – quase um conto de Philip K. Dick – em que estão inseridos logo após lutarem contra o vilão Dr. Sivana, eles descobrem que o vilão na verdade não existia nos eventos até o momento em que eles chegaram para resolver o problema. Os melhores adolescentes do mundo, voam até Metrópolis, encontram uma porção de pessoas lá que achavam que os conheciam de verdade – como por exemplo Lois Lane – que não os reconhece, e entendem que suas vidas são uma grande mentira. Suas mães não eram anônimas porque Haney estava brincando de testar nossa paciência em descobrir quem realmente seriam, O’Neil diz, elas eram anônimas porque realmente não eram fatores importantes na simulação de computador.

Como desgraça pouca é bobagem, para fazer com que as coisas sejam ainda piores, as duas anomalias estão de alguma forma criando desastres naturais em todos os lugares por onde andam a partir do momento que a realidade está rejeitando suas existências e seus “pais” os convencem a entrar na câmara de desintegração para serem atomizados, o que nossos heroicos adolescentes fazem sem pestanejar. Senhor O’Neil, me poupe…

ELSEWORLD &  a  homenagem de Haney aos Super-Filhos

Super Jr entende que nunca irá superar seu velho pai, o “Homem de Aço”, então ele decide abandonar sua identidade heroica. Batman Jr. fica desolado, mas logo depois, acontece um acidente no espaço e o Super-Homem pai morre!

Mas desastres não esperam e nem dão trégua. Um avião comercial cai no polo Artico e o destemido Batman Jr. vai esquiando e usando uma parka por cima do uniforme para salvar os ocupantes da aeronave. Ele não consegue localizar o local do acidente, mas subitamente Super-Homem Jr. aparece! Já determinado de que deverá carregar o legado de seu pai, ele retorna para a carreira heroica.

Vocês, caros devotos, nunca adivinharão o que aconteceu depois! Tudo não passou de uma “pegadinha”, o Super-Homem pai estava vivo o tempo todo e literalmente rindo da cara de seu filho. Como podemos ver, tudo não passou de uma ideia de Batman Jr., para fingir a morte de seu pai e fazer com que o filho pensasse melhor sobre sua decisão tomada de cabeça quente. Ao invés de ficar furioso, Clark Jr também começa a rir e os felizes pais e filhos voam pelos céus de Washington. Final feliz!

Em 1999, na série fantástica da DC “Elseworlds”, algo parecido com “O que aconteceria se” da Marvel, mas com conceitos extremamente melhores trabalhados e tratamento editorial primoroso, o agora senhorzinho Bob Haney retorna, juntando forças com o desenhista Kieron Dwyer para uma última história, ignorando a bizarro estratagema de O’Neil. Os Super-Filhos vivem uma vez mais! Como se trata de um “Elseworld”, uma realidade alternativa, suas realidades se tornam uma possibilidade, agora vivendo em alguma Terra paralela do multiverso, nossos poderosos adolescentes podem ser felizes de novo. E nunca mais vamos falar de “Melhores do Mundo #263” novamente!!!

S_Final

EDITORIAL SANTUÁRIO:

Segunda – Astro City #2!

Terça – Fabulosos X-men #8!

Quarta – O Questão!

Quinta – Super-Homem Jr & Batman Jr!

Sexta – Superman, O Homem de Aço Assassino!  Culpado ou inocente?

Sábado – Umas Tiras da Pesada!

Domingo – Monstro do Pântano # 0!

1011956_552324618141902_366965219_n

Anúncios

29 comentários sobre “Super-Homem Jr & Batman Jr – ”É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar na verdade não há!”

  1. LOL
    Não conhecia!
    Mas poderia ser muito divertido se fosse bem orientado. Se fosse apenas para a palhaçada… acharia estúpido. Isto com um bom background até que seria interessante!
    😉

    Curtir

  2. O’Neil presepando em mais uma série. kkkkkkkkkkkkkkkkkk. Não conhecia os mancebos mas achei-os bem divertidos. Teria virado fã na minha infância.

    Curtir

  3. “Não era parte do plano que vocês tivessem mães!”

    Santa babaquice, Batman! Sério, como o O’Neil escreve um negócio desses?

    De qualquer forma, não sabia que da existência desses personagens. Vivendo e aprendendo…

    Em tempo: pena a Mulher Maravilha ter ficado de fora da história. Queria ter visto uma MM Jr. rsrsrsrs

    Curtir

  4. A DC tinha histórias com um charme único de absurdos, que perderam seu contexto conforme o universo evoluiu. Hoje é dificil imaginar uma hitória como essa rolando na “cronologia”. Se por um lado da pra dizer “felizmente”, por outro é de se lamentar. Era o tipo de coisa que dava uma cara distinta à editora.

    Curtir

  5. Achei bem legal a maneira como O’Neil consegue planejar um fim, ao mesmo tempo horando os juniors, mas tambem acabando com o que, para maioria, é uma loucura meio louca. É legal tambem de ver que a DC nao perde tempo em relaçao a marvel, fazendo um tipo de “o que aconteceria se…”. Bem legal essa resenha tbm.
    Bom, valeu

    Curtir

  6. isso saiu no Brasil, lembro de visto pelo menos uma capa dessa piração no tempo da Ebal. importante é a análise contextual e literária, havia as histórias mais sérias escritas para público juvenil e adulto, por bons roteiristas como Len Wein e o próprio O’Neil, e havia as palhaçadas infantis como existem hj nos desenhos animados, tipo o dos titãs, e já nos anos 70 no desenho dos “superfriends”!
    também é legal ver q a saída encontrada pelo O’Neil é parecida, embora menos realista, com aquela utilizada pelo Alan Moore com o Marvel/Miracleman, q tinha histórias ingenuas ao extremo e elas foram explicadas por uma ficção philipkdickiana, onde as histórias mais absurdas não passavam de sonhos induzidos nas mentes dos heróis pelo arquiinimigo dr garzunga (ou algo assim, nem vou no google ou na minha estante por causa disso. rs). essa parada de as mães não serem importantes seriam lapsos das memórias artificiais, q aparecem em filmes inspirados na obra do Dick, como cidade das sombras e Truman Show; Dick havia explorado os inevitáveis lapsos das memórias implantadas artificialmente em vários romances, como Time out joint, the man who japed e do androids of eletric sheps q originou o filme Blade runner. Muito legal o artigo, Victor!

    Curtir

    1. Erick, você deu uma aula a parte, eu que agradeço brother! Muito bom a galera que leu a matéria dar uma olhada no que você disse e temos a net aí mesmo para quem quiser, buscar todas essas referências que você citou ! Valeu muito! 🙂

      Curtir

      1. é um prazer, victor. a Ebal e a DC eram o meu país das maravilhas, e esses artigos que aparecem nos blogs são como wormholes, grandes buracos de minhoca pra eu espiar um pouco, mas sem poder cair de novo no oco da árvore pq aquele já foi aterrado! Mas sempre descobrimos outros portais pra novos universos, como esse da dc atual que simplesmente descende daquele. Abraço!

        Curtir

  7. “…os Super-Filhos eram simulações de computador, feitas pelo “super lap top” da Fortaleza da Solidão pelo Super-Homem e Batman.”

    Tá tudo explicado nessa singela frase:

    Fortaleza da solidão, os dois heróis mais cheios de mimimis, só não queria ficar forever alones… lol

    *esperando pelo raio laser na testa*

    Joke XD

    Eu fico cada vez mais encantada com esse mundo, tanta coisa que não conheço, pode serem bizarras, mas não deixam de ser interessantes.

    Parabéns pelo texto =D

    Curtir

  8. MUITO BOM O SITE..CONFESSO QUE AINDA NÃO HAVIA ENTRADO EM UM SITE TÃO BEM ORGANIZADO E PRODUZIDO!…ESTÃO DE PARABÉNS…

    Curtir

  9. Super-poder é isso aí, bota filho no mundo sem mãe pra pedir pensão, depois quando fica adolescente e dá problema o moleque SOME! Seria perfeito se não fosse a falta que a mulher faz na concepção… Ruemai diria que é um absurdo e uma perda de tempo, mas eu adoro fofocar sobre o passado negro dos nossos ícones…. Pode me chamar de iconoclasta!

    Curtir

  10. Não sabia disso. Mas a solução de serem simulações eu achei legal. Coisas da DC.
    Sou mais a Marvel, que em vez de criar um Wolverine Jr botou no mapa o tal do Daken. Não gosto do sujeito, mas pelo menos não é ridículo.

    E uma revelação: sou um Ulisses Jr.

    Abs.

    Curtir

  11. Essa é uma tentativa de ganhar dinheiro com versões adolescentes dos ícones DC, só que com outra desculpa? O uniforme é idêntico, mau dá pra distinguir quem é quem, só pelo corpo mais franzino do Super-homem filho e o sorrisão idiota o tempo todo na cara do Batman Jr.!!!

    Curtir

    1. lembrando q nessa época havia uma versão adolescente idêntica ao superman, o superboy, yourself youngest, mais verossímel. Mas hoje as palhaçadas continuam, vide as inúmeras versões de desenhos animados, tanto dc qto marvel, como se fossem a continuidade das infinitas terras q causaram a Crise original de 1985. tem até o desenho do kripto e o batcão, então, dá um desconto pros superjúniors… rs!

      Curtir

  12. “Pois, ante o Santuário, a blogosfera sucumbirá.” Mas uma estratégia “marketeira” para atrair o público. Mas isso não quer dizer que a qualidade seja questionável. As histórias da Era de Ouro e Prata, possuem uma sutileza incrível.

    Curtir

  13. Estava lendo muita coisa do material do Bob Haney com os Titãs dessa época e sim gente, haviam muitas coisas loucas com ele e outros roteiristas da Era de Prata. E sempre fui contra essa maldade do Batman com o Robin, o Super-Homem sempre se usou disso pra não levantar suspeitas com a relação dele e do Morcego, Esse Mês tivemos um casal homo-sexual com seu filho recém nascido, tendo sua paternidade reconhecida pela justiça, Nos anos setenta era mais difícil, mesmo nos EUA, tinham que dizer mesmo que era simulação de computador para acalmar o povinho neurótico e obtuso americano… 🙂

    Curtir

    1. hahaha. q maldade! eu prefiro a saída profética do Denny O’Neil: eles já tinham supercomPUTAdores e geraram cyberfilhos virtuais, como a piazada nerd faz hj com seus games e/ou aplicativos tipo the sims 4 ou afins… hehe.

      Curtir

  14. Olha, não queria dizer isso para vocês mas… Super-Homem e Batman Juniors eram filhos de Clark com Bruce……com certeza, repararam que eles não tinham mãe??? TENSO!

    Curtir

  15. Ótimo material de pesquisa… Mas sinceramente tenho até medo que a diretoria da DC veja isso de novo e queiram uma nova Terra… quem sabe com o nome Trash Earth… O som já parece como um vômito. Realmente: Desgusting!

    Curtir

  16. Olha ainda estou na dúvida se Denis O’Neil fez um bem ou um mal como os fãs das antigas acham, quando apagou esses dois aí! rsrsrsrsrsrsr

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s