A Espada Selvagem de… Thundarr, o Bárbaro!

1Quem se lembra? Thundarr, the Barbarian foi uma produção da Ruby-Spears que se parecia muito com as animações da Hanna-Barbera… 

Por Rodrigo Garrit

A animação foi produzida em 1980 para o canal ABC dos EUA. Desenvolvido por Steve Gerber (o “pai” de Howard, the Duck); tinha na equipe de criação o grande Alex Toth, que criou o visual dos heróis, e ninguém mais ninguém menos que Jack Kirby, que elaborou o visual dos vilões. Foram produzidos e exibidos apenas 21 episódios de meia hora para a série, que apesar de curta foi um dos desenhos mais bacanas exibidos nos idos anos 80.

A série animada foi fortemente influenciada pelo medo da humanidade de uma iminente guerra nuclear devido a guerra fria. Esse fim do mundo próximo perpetrou uma paranoia apocalíptica que acabou influenciando livros, filmes, seriados de tevê e quadrinhos (preciso mencionar Watchmen?).  O bom foi ver os ótimos filmes dessa safra, como “O Planeta dos Macacos”, “O Exterminador do Futuro” e “Mad Max”.

JACK KIRBY
Os personagens no traço do mestre Jack Kirby!

A HISTÓRIA: Em 1994, quando um planeta saiu de órbita, vindo a passar entre a Lua e a Terra, partindo a Lua ao meio, provocando uma destruição em massa sem precedentes. A raça humana é levada à ruína. Dois mil anos depois, a Terra renasce, mas um novo e estranho mundo ergue-se do caos, um mundo selvagem, dominado pela tecnologia e pela feitiçaria. A Terra agora é um planeta selvagem, ocupado por magos, mutantes, monstros e é dominada por tiranos que usam poder militar ou feitiçaria para dominar pequenas áreas territoriais (algo como uma segunda era medieval). Esses tiranos em algumas ocasiões lutam entre si para dominar outros territórios, ou tentam usurpar áreas dominadas por comunidades pacíficas sem fins bélicos. Eles impunham terror e dominação sobre os mais fracos, através de seus vastos poderes. Nessa sociedade, os humanos eram tratados como escravos e os mutantes e monstros se tornaram servos fiéis dos magos reinantes.

Thundarr

Os poucos grupos livres de humanos viviam escondidos, temendo ser capturados pelos bruxos. Embora os recursos tecnológicos fossem utilizados constantemente, era a magia a fonte principal de poder nessa era futurista.

Em todos os cenários era possível ver antigos monumentos como a Estátua da Liberdade e o relógio Big Ben. Também podiam ser vistos ruínas de navios, submarinos, aviões, carros, prédios destruídos etc. Pouquíssimas pessoas, em geral os magos, tinham algum conhecimento e acesso à “tecnologia dos antigos” melhorando-a em benefício próprio ou com propósitos de dominação e hegemonia.

Ookla

O bárbaro do título era um escravo do mago Sabian, mas foi libertado pela princesa Ariel, filha adotiva de Sabian. Thundarr – Corajoso, justo, um tanto selvagem e impaciente, era um bárbaro humano errante que se aventurava por várias terras. Aparentemente, a meta básica de Thundarr era sobreviver num mundo hostil. Entretanto, o seu senso de igualdade e liberdade o levaram a se envolver constantemente em lutas contra a opressão e tirania perpetrada pelos bruxos dessa Terra futurista.

Como arma possuía a SUNSWORD, uma espada mágica capaz de repelir ataques energéticos ou cortar elementos ultrarresistentes. Sua arma era claramente uma alusão ao Sabre de luz em Star Wars. O personagem foi inspirado no personagem Conan – O bárbaro. Sua marca registradas eram as expressões “Demon Dog!” e “Ariel, Ookla, ride!”

Entre os personagens principais, somente Ariel tinha um vasto conhecimento do mundo antes da hecatombe. A princesa Ariel era bela, culta e gentil,  e uma grande feiticeira humana, o contraponto de Thundarr, no que se refere à impaciência e brutalidade do amigo. Aliás, Ariel fazia questão de ser chamada de feiticeira e não de bruxa.

Ariel

Ela era filha adotiva do poderoso mago tirano que escravizou Thundarr no passado e abandonou a fortaleza de seu padrasto para acompanhar o bárbaro em suas aventuras. Detentora de diversas habilidades místicas, como criar esferas e pontes de energia, campos de contenção e escudos, tinha uma fraqueza: sua magia não funcionava se suas mãos estivessem presas. Tinha um grande conhecimento da tecnologia e da história antes da destruição da Terra, adquirido nas bibliotecas da fortaleza de seu padrasto. Sentindo pena do escravo Thundarr, Ariel deu-lhe um sabre mágico. Com a ajuda desta espada e de um mutante chamado Ookla (Ukla) o Mok, Thundarr e Ariel lutaram contra toda sorte de inimigos para manter a terra livre desses tiranos. Ookla – Da raça dos Moks , era uma alusão ao personagem Chewbacca. (Mais Star Wars).

Ookla não falava a língua dos humanos, emitindo vários grunhidos animalescos. Pelo que se nota, Thundarr e Ariel eram os únicos humanos que entendiam perfeitamente o que Ookla falava. O mok, por sua vez, entenda a língua dos humanos. Outras peculiaridades eram sua força sobre-humana, seus modos desastrados e uma leve influência felina em seus traços (chegando a ter uma juba aludindo um leão). Sua montaria era um estranho animal, diferente de Ariel e Thundarr que montavam cavalos normais.

CURIOSIDADE: O nome Ookla foi sugerido por Martin Pasko que ao dirigir, passou pela UCLA (Universidade da California, Los Angeles). E ele disse: “Por que não Ucla?”. Aliás, a inclusão do personagem Ookla foi uma exigência da produtora, pois o autor Esteve Gerber não gostava da ideia, por isso não havia criado um nome para ele.

As principais ameaças enfrentadas por Thundarr e seus companheiros eram os poderosos magos tiranos que contavam, além de sua magia, com a tecnologia do futuro e a ajuda de vários mutantes e monstros em seus propósitos malignos. Dentre muitos, podemos citar lobisomens, homens-bestas dos mais variados tipos, humanoides, robôs e outros. O inimigo mais memorável de Thundarr era Gemini: o único vilão a aparecer em dois episódios. O terrível feitiçeiro usava um capacete estranho que escondia suas duas faces que se alternavam entre uma feição humana normal e um rosto maléfico de voz cavernosa e assustadora. Gemini foi desenvolvido por Jack Kirby, lembrando em alguns aspectos o grande vilão da DC Comics, Darkseid.

3

Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! ;)

Anúncios

8 comentários sobre “A Espada Selvagem de… Thundarr, o Bárbaro!

  1. Quando criança sempre me vinha a dúvida. Teria o visual de Thundarr inspirado o criador de He-Man??? Eles se parecem um pouco não acham????

    Curtir

      1. He-Man e os mestres do universo também são um produto derivado do universo de Conan, porém diretamente. Em 1982, a indústria de brinquedos Mattel queria vender algo pegando carona no universo hiboriano, porém, as autoridades americanas o consideraram violento e sexista demais para entrar na vida das crianças e assim a Mattel realizou um grande esforço contratando pessoas competentes para criar um universo semelhante ao de Conan, para não perder o embalo e o apelo que o gênero ESPADA & FANTASIA tinham sobre a juventude da época. E assim nasceu o reino de Etérnia e seus defensores. Uma curiosidade: o gesto no qual o príncipe Adam levanta a espada para o céu e se transforma em He-Man foi inspirado na própria capa do filme CONAN – O BÁRBARO, de 1982, pintada pelo grandioso mestre FRANK FRAZETTA.

        Vejam a capa aqui: http://www.kievrus.com.ua/images/oboi/k/conan-the-barbarian-1982/conan-the-barbarian-1982-396565-1.jpg

        Curtir

  2. OMG! Eu via isso qdo era pequena!! Que delicia ler algo sobre. Não tenho como dizer se gostava ou não, mas as feições dos personagens sempre ficaram marcadas para mim!

    Adorei o texto =D

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s