I Wanna ser burro!

Bar da Barda

por Rodrigo Viegas

Img-de-CapainstagramNa realidade “confusão mental” de hoje, eu posso tentar compreender, mas nunca aceitar. Por que deveria aceitar?

“Um caos completo seria se tudo que fosse o seu correto se tornasse o meu correto”.

Do que falo exatamente? O que aceitar? Falo da burrice. Não sei se exatamente da sua burrice, caro leitor. Ou da burrice da loira-burra de Gabriel, O Pensador. Não falo desse estereótipo, ou de qualquer outro. Falo do fato: HOJE EM DIA É NORMAL SER BURRO (A). Mas se você está me lendo até agora, no terceiro parágrafo, você não se enquadra – teria parado antes.

Eu chamo carinhosamente de Geração Instagram. Nada contra o Instagram, ou quem o usa. Okay, mentira. Eu odeio Instagram, acho um aplicativo idiota, em que o usuário expõe a vida ainda mais do que expunha no Facebook. Não tenho realmente nada contra muitos que usam o Instagram, mas acho que tal aplicativo tem o talento de nomear uma geração em questão aqui neste texto.

A Geração Instagram – mas pode ter outro nome, JÁ ENTENDI A SUA RAIVA, USUÁRIO DE INSTAGRAM – não foi criada pra pensar. Então o que acontece? Eles não pensam. Simples. Eles vivem! Vivem “felizes”, completamente ocultados de realidade, de vivência. É uma cegueira ainda pior que a alienação. É, na verdade, uma opção de criação entre os papais e mamães do nosso Rio de Janeiro (deve ter no Brasil todo essa praga, quiçá no mundo). Ou seja, eles pegam os filhos e criam para não pensarem, não contestarem, não falarem alto, não se destacarem, para não serem gente, mas sim uma caricatura do que eles queriam ter sido, ou poderiam ter sido.

E os filhos (a Geração Instagram) caricaturam sua própria humanidade nas redes sociais, uma válvula de escape para os que querem ser alguma coisa – no fundo, todo ser humano tem uma racionalidade mínima, apesar de duvidar disto quando vejo televisão brasileira.

Historicamente, acho essa geração dos pais e mães aos 45 – 50 anos a pior da História do Brasil. Um dia explico o motivo, bateu uma preguiça. Mas, se você for interessado no tema, pesquise; não é difícil descobrir o porquê.

E o que acontece? As caricaturas de gente nada fazem, e nada tende a acontecer. Essa “felicidade” que as caricaturas de gente sentem não é real. Ela é ILUSÓRIA, cacete. Que nem o efeito de foto do Instagram. E o resultado de tal ilusão são os consultórios psicológicos/psiquiátricos lotados; ou a inconsequência com suas próprias vidas e atitudes; ou, o pior: a instauração de um ESTADO DE BURRICE.

No ESTADO DE BURRICE que volta e meia se instaura (daí vem a realidade “confusão mental” da primeira linha do texto), ser burrinha (o) é legal. Ser lenta (o) é normal, ninguém vai te detestar, ninguém vai cair em cima do burro, de quem tem “dificuldade” – mas não faz absolutamente nada para superá-la. Ele está ali, ele é legal, cool, vai às cachoeiras fumar um baseado no fim de semana e conversar um papo pseudo-cult (cult já é uma merda, assunto pseudo-cult deveria ser seguido de suicídio) com os outros imbecis pra aliviar a sensação de completa imbecilidade.

Falo isso porque no meio universitário tem muita gente assim, uma contaminação. Mas no profissional, não. Não se permite atores, atrizes e músicos burros (eles são execrados rapidamente). Muito pelo contrário, temos sempre que estar à frente, estudando o dobro. Falo até com certo receio este assunto, pois se não for assim, os advogados muito lidos processam a gente; ou os administradores e engenheiros começam a discorrer o quão difícil foi estudar dezessete anos coisas que eles odeiam com todo o coração, e só não vão cometer suicídio aos 50 anos porque sua casa em Búzios os reconfortará.

frase-invejo-a-burrice-porque-e-eterna-nelson-rodrigues-109564

O problema é cíclico: este camarada chegará aos 50 anos sem recheio, sem conteúdo, sem ter o que exteriorizar – só exterioriza quem tem interiorização, né? E terá filhos, ocasionalmente. E outra Geração Instagram (pode ser 2.0 ou BETA, escolhe aí) se formará. Pegaram a ironia? Tô bom nisso!
Falando de coisa boa agora. Hoje o Mengão tem que ganhar de 8 a 0 do foguinho-tristinho. Poupou jogadores (!!!) contra o gaylo, agora a obrigação é enfiar a pancada. Entrar sarrando, com bigode grosso e o caralho. Senão o bicho vai pegar. Semana que vem conto como foi o jogo. Ou não.

Rodrigo escreve regularmente para o site: HISTERIA

S_Final

Na semana anterior, aqui no Santuário

Img-de-CapaAngela#8

Anúncios

8 comentários sobre “I Wanna ser burro!

  1. Sabe quando mais sinto tristeza da burrice alheia? Cada vez que vai chegando perto do fim do ano (tá, o ano inteiro me entristece)… Mas talvez a proximidade do meu aniversário, Natal e Ano Novo me deixem mais melancólico e intolerante para essa geração “Instagram” e suas rotinas. A burrice é uma benção real no entanto, amigos e conhecidos conseguem em face dos maiores conflitos encontrar refúgio em atitudes e práticas que nem eu em um momento de maior abandono conseguiria… Seu texto me lembrou muito uma passagem do filme “B”, Krull (aliás uma das melhores películas de fantasia dos anos 80) onde um personagem extremamente tonto e sequelado pergunta para um Ciclope (uma criatura centenária e bastante experiente) o que ele mais desejava na vida . (antes disso todos os outros personagens já haviam contado seus sonhos de glória, fortuna e bem-aventuranças) A resposta dele: “Eu desejava ser ignorante…” Estou com o Ciclope… Belo texto Rodrigo, talvez seja isso no meu caso, eu sou um invejoso… Gostaria de ser burro…

    Curtir

  2. Não concordo de todo com seu texto, começando pelo fato de que uso o Instagram como uma ferramenta de fotografia. Mas sei de que tipo de pessoas tá falando, é muito comum encontrar desses, apesar de não jugá-los.

    Curtir

  3. Concordo que usam o instagran em exagero,com muitas fotos desnecessárias.Uma foto ou outra,até vai,mas desse jeito é triste…também conheço muita gente assim.Um abraço de Ferro!

    Curtir

  4. Sabe aquelas mães de garotas de 12 anos que ficaram 3 meses se revezando na fila pra assistir ao show do Justin Bieber e depois postaram fotos desfocadas nas redes sociais…então, para elas, para a geração coca-cola, para a geração instagram e para todas as próximas gerações eu só queria dizer uma coisa… Aloha!

    Curtir

  5. EDITORIAL SANTUÁRIO:

    Segunda: Crise Final – A história que não foi contada

    Terça: I wanna ser burro

    Quarta: Diablo III

    Quinta: Aquaman Anual #1

    Sexta: Quadrinhos

    Sábado: Umas tiras da pesada

    Domingo: Quadrinhos

    Tardis

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s