A Deusa do Trovão e a Garota do Futuro: O que eu sei sobre os X-Men?

Já mergulhou de cabeça na mais completa escuridão? Já enfrentou o desconhecido e deliberadamente se afastou de sua zona de conforto, buscando desafios maiores?

Valeu a pena?

Por Rodrigo Garrit

Certa vez tive contato com seres fascinantes, que embora marginalizados, era donos de um senso de moral inabalável, nunca desistiam dos seus amigos e eram capazes até mesmo de sacrificar as próprias vidas em prol dos ideais em que acreditavam. Eles eram mutantes. Eram X-men. E eu, um jovem de leitor de quadrinhos, ainda descobrindo todo aquele universo.

Ainda não havia os filmes de sucesso. O desenho animado estreou alguns anos depois. A pronúncia aportuguesada era “xis-men”. Eu estou falando dos anos 80, (mais especificamente do ano de 1988) então esqueça internet, fóruns e sites sobre quadrinhos. A gente escrevia cartas para as seções de correspondência das revistas, e com nosso nome e endereço publicados, outros fãs de quadrinhos entravam em contato. Assim fiz alguns amigos em várias partes do país, alguns dos quais mantenho contato até hoje, agora sim através das redes sociais.

Naqueles tempos em que a informação não era tão difundida, ficávamos meio que nas mãos das editoras e de fato não sabíamos o que esperar das próximas edições, não fazíamos ideia de quando um escritor ou desenhista deixaria ou adotaria um título, a não ser que isso fosse mencionado nas seções de cartas pelo editor ou algum (raro) leitor que acompanhasse as edições originais americanas.

Nessa época de descobertas, eu devorava todos os gibis que podia comprar. De todas as editoras e todos os estilos. Com o tempo, meu gosto foi se afunilando (que palavra feia) e tendendo mais aos quadrinhos de super-heróis, de modo que em certa época, eu era o feliz colecionador de um razoável acervo de gibis Marvel e DC publicados em formatinho pela editora Abril.

Eu poderia falar sobre centenas de personagens aqui, mas hoje escolhi voltar meu pensamento para esses desajustados heroicos que mexeram tanto com a minha mente, e que contribuíram de alguma forma para definir o caráter que eu viria a ter quando adulto. Os excluídos mutantes pupilos do professor Xavier.

E esse vai ser o meu desafio, a minha retirada voluntária da confortável poltrona acolchoada, e meu caminho pela tortuosa estrada do desconhecido. Porque, depois de tantos anos afastado, pegando apenas algumas referências da mídia e assistindo os filmes, mas completamente alheio a tudo o que têm acontecido nos quadrinhos dos mutantes, o que eu ainda sei sobre os X-Men? Será uma visão que corresponde a alguma coisa ainda existente hoje ou são conceitos envelhecidos e há muito tempo abandonados?

Os X-Men que conheci era odiados mas não pregavam o ódio. Estavam em constante conflito com seus poderes – são maldições ou bênçãos? Havia Ororo Munroe, que não tinha poderes, mas era uma guerreira implacável, linda, ostentava seu penteado moicano com orgulho. Ela tinha sido uma mutante poderosa, capaz de controlar os elementos. Mas eu nunca a tinha visto fazer nada assim. Eu já a conheci como a líder dos X-men, cargo obtido após derrotar Scott Summers em combate, provando que habilidade e perícia estão acima de poderes. Ororo tinha uma forte relação com um cara chamado Logan, que alguns conheciam como Wolverine. Ele era uma máquina de combate, mas desacelerava perto dela, baixava a guarda e se deixava levar. O professor Xavier era constantemente mencionado, mas estava desaparecido, perdido nas estrelas. O diretor da escola era um homem chamado Eric que jurou a Charles que cuidaria dos seus alunos. Além da equipe principal, havia um grupo de novos mutantes, e ele os treinava com afinco em situações de combate simulados num ambiente conhecido como “sala do perigo”, e seguidamente os derrotava. Certa vez um dos alunos mencionou algo como: “É impossível lutar com esse cara! Como os X-Men originais conseguiam vencer ele”? Foi então que descobri duas coisas: houveram outros X-men antes daqueles, e Eric foi um inimigo mortal deles, quando era chamado de Magneto.

Os Novos Mutantes tinham suas próprias histórias e eram a nova geração dos X-Men. Entre eles estavam, Míssil – que podia voar  protegido por uma energia propulsora, Mancha Solar, que retirava seus poderes do sol, era superforte, mas não invulnerável, Karma, com o dom de dominar mentes, Miragem que criava ilusões, Magia que podia gerar discos de teleporte e tinha conexão com uma dimensão infernal, Cifra, com o dom de falar e compreender todas as línguas e um alienígena tecnorgânico chamado de Warlock.

Foi nessa época que conheci então a personagem chamada Rachel Summers, caminhando pelas ruas escuras da cidade. Ela tinha poderes telepáticos e telecinéticos,  alegava ter vindo do futuro, e era a filha de dois dos X-Men originais: Scott Summers e Jean Grey. Scott era o Ciclope, mas e essa tal de Jean Grey? Eu nunca a tinha visto, mas fiquei sabendo que ela foi a Garota Marvel, e morreu depois de se tornar uma entidade poderosa chamada de Fênix. Rachel já era parte dos X-Men, era amiga da confusa Vampira, que tinha o dom de absorver os poderes e memórias dos outros temporariamente, mas isso sempre causava problemas a sua própria personalidade; ela podia voar e tinha superforça, mas esses dons foram roubados de forma permanente de outra mulher, a Miss Marvel. Por algum motivo os poderes dela permaneceram com a Vampira, assim como boa parte de suas lembranças, ocultas na mente dela. Além disso, boa parte do passado da moça se tornou uma página em branco em sua mente, não sendo desvendada nem pelos telepatas.  Os outros amigos de Rachel eram o elfo alemão Kurt Wagner, que podia se teleportar e era um ótimo espadachim, Peter Rasputin, um russo que tinha o dom de blindar o próprio corpo, e Kitty Pryde (que tinha uma queda por Peter), podia ficar intangível e caminhar no ar.

Tempestade, Ciclope, Colossus, Noturno, Wolverine, Rachel Summers, Vampira, Magneto e Lince Negra. Esses são os X-Men que tenho guardados na mente, o meu primeiro contato com a equipe, e a formação que sempre vou considerar a mais querida.

Tempestade, a Deusa de Trovão!

Como esquecer as guerras Asgardianas, quando eles entram em contato com os conterrâneos de Thor? Como esquecer o perverso Loki seduzindo Ororo com a promessa de poder, oferecendo a ela um martelo como o de seu meio irmão e o título de deusa da tempestade? Claro, dominando sua mente para servir aos seus propósitos… ele a obrigou a atacar seus próprios amigos, mas Logan foi até as últimas consequências para trazê-la de volta, mesma sendo irradiado pela energia do martelo dela, tendo sua pele queimada ao mesmo tempo que o fator de cura a regenerava, ele continuou avançado… até alcançar, Ororo, até trazê-la de volta…

A Fênix que veio do futuro!

Tenho muito vívida em minhas memórias o momento em que Rachel desiste de andar por aí usando colant de aeróbica e vai até a casa dos pais de sua falecida mãe Jean Grey, e encontra uma esfera que contém a essência dela… e reclama naquele momento para ela o poder e o nome de Fênix! Ela então assume a alcunha de sua mãe, para surpresa e desconfiança de Scott, que até então não sabia que Rachel era sua filha do futuro…

Falando de futuro, tive a oportunidade de ler algum tempo depois a saga “Dias de um futuro esquecido”, onde num amanhã onde os mutantes são aprisionados e obrigados a usar colares bloqueadores de poderes, e constantemente vigiados pelos imensos robôs sentinelas, Rachel consegue transferir a consciência de Kitty Pryde para o seu corpo no passado a fim de tentar evitar a catástrofe; ao mesmo tempo, as versões mais velhas dos mutantes remanescentes (inclusive um Magneto numa cadeira de rodas) travam uma batalha desesperada contra os sentinelas, o que resulta em mortes e mais tragédias… um verdadeiro épico produzido por Chris Claremont e Jonh Byrne, dupla que fez enorme sucesso com os X-Men, mas cujo trabalho acompanhei muito pouco, tendo pego a fase de Claremont com o desenhista John Romita Jr, que continua sendo a melhor de todas na minha humilde e leiga opinião.

Enfim, o que eu sei sobre os X-Men? Provavelmente algumas coisas a mais, escondidas na memória, misturadas com elementos dos filmes e das animações… mas o que realmente importa para mim, o que ficou de tudo, foi o que acabei de relatar. Essa foi a minha experiência pessoal com os personagens. Obrigado aos que chegaram até esse ponto do texto. Foi ótimo compartilhar isso com vocês.

Valeu a pena.

E depois dessa prolongada pausa, acho que agora é um momento interessante para voltar a ler de novo as histórias desses mutantes marginalizados que insistem em salvar o mundo…

Tenho muito a me atualizar, e tantas outras coisas a aprender…

Mal posso esperar para começar!

Ou seria recomeçar…?

LEIA MAIS SOBRE OS X-MEN CLICANDO AQUI! 

Anúncios

11 comentários sobre “A Deusa do Trovão e a Garota do Futuro: O que eu sei sobre os X-Men?

  1. sou apaixonado por essa fase dos x men , que pra mim é superior a fase byrne , uma fase cheia de mistérios , um “grupo b” elevado a grande equipe ,se não me engano tempestade foi a primeira mulher negra a comandar uma equipe , ou foi a capitã marvel ? E os novos mutantes , o que a marvel esperava ao colocar um artista com bill siencwicz como seu desenhista regular ? Grande fase… e como o romitinha desenhava hein ? !

    Curtir

  2. Foi mais ou menos nessa época que tive os primeiros contatos também… E lembro bem dessa disputa Ororo moicana sem poderes X Scott ‘Sempre pela liderança do grupo’ Summers. Era uma boa época e um time interessante. (Lembro muito do julgamento do Magneto também…). Não me aprofundei muito, no entanto, depois disso. Acompanhei desenho e filmes, mas pouco li dos quadrinhos depois. Por isso, a memória afetiva é mais dessa época mesmo. Valeu por trazer de volta…

    Curtir

  3. Nossa, viagei nesse texto. Bons tempos. Comecei a ler x-men na fase da Fênix Negra (antes da da entrada da Kitty na equipe) e deixei de ler agora, na atual fase, pois não suporto Brian Bendis. Quando ele sair do título volto a ler (mesmo que demore).
    Há anos sonho com a Panini lançando encadernados dessa época (a partir da primeira morte de Jean Grey, e de preferência no mesmo formato que A Era de Apocalipse) com x-men, novos mutantes e x-factor (incluindo os anuais). Acho que se os fãs se mobilizassem podia até rolar.

    Curtir

  4. Bem, minha história com os X-men é bem boba para dizer a verdade. Mas, pode-se dizer que o desenho dos anos 90 foi minha porta de entrada para o universo mutante e minha primeira revista foi a X-men Premium 1 da Abril

    Já faz um tempo que me afastei da franquia por não concordar com algumas das políticas mais recentes da Marvel, mas guardo um carinho especial pelo grupo.

    Curtir

  5. Bem. Eu também tenho muitas lembranças (algumas até coincidem com à suas), mas em detrimento ao que vem sendo feito hoje em dia no universo dos mutantes (e acredito que nos quadrinhos em geral), prefiro ficar com as lembranças e leituras do passado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s