Odisseia Cósmica de Jim Starlin e Mike Mignola: Novos Deuses e Velhos Monstros!

_0006_Infinitas Terras

ODISSEY

Revisitando a clássica minissérie “Odisseia Cósmica”, onde mais uma vez os Novos deuses de Jack Kirby mudam para sempre o destino dos mortais!

Contém Spoilers  Revelações sobre a história!

S_Final

ODISSEIA

Por Rodrigo Garrit

E quem bebeu dessa fonte foi o escritor Jim Starlin. Famoso por suas histórias espaciais e também por ter sido a mente por trás da memorável “Morte em Família”, onde Jason Todd, o segundo Robin é assassinado pelo Coringa. (Tudo bem que ele ressuscitou anos depois, mas por um longo tempo essa história teve um peso sobre toda a trajetória seguinte do homem morcego, sem contar no impacto que causou na época).

Mike Mignola? Você sabe; artista fantástico, criador do Hellboy, personagem de grande sucesso da Dark Horse nos quadrinhos e no cinema. Mas antes disso ele realizou trabalhos memoráveis, tanto para a Marvel quanto para a DC.

Mas, voltando à Odisseia, temos aqui uma legítima HQ de super-heróis que honra a memória do velho Kirby, e vale ter guardada na estante. Alguns dos acontecimentos ecoam no universo DC até hoje, inclusive dentro dos Novos 52, como o fato do planeta Xanshi ter sido totalmente destruído devido a arrogância do Lanterna Verde John Stewart e as sequelas emocionais que isso lhe causou.

Essa versão tem uma interpretação própria de Jim Starlin sobre a Antivida. Em sua visão, a mesma trata-se de um ser de poder absoluto que vive às margens da realidade; ele teria sido criado pela mesma guerra que destruiu o mundo dos velhos deuses, subsequentemente dando origem a Nova Gênese e Apokolips, lar de Darkseid.

odisseia cósmica mike mignola

A história tem uma premissa simples: Metron dos Novos deuses, com sua fome insaciável de conhecimento, encontra uma forma de entrar em contato com a Antivida, mas é surpreendido por sua aparente onipotência e consegue escapar dela por pouco, porém com sua mente  terrivelmente danificada. O problema é que ao escapar, ele abriu uma brecha nas dimensões, possibilitando a Antivida a enviar quatro espectros para a nossa realidade. Darkseid resgata  Metron e o leva para Nova Gênese, formando uma aliança improvável com os Novos deuses, pois eles descobrem que esses quatro espectros pretendem aniquilar quatro sistema estelares específicos, e conforme explica Darkseid: “A gravidade é o cimento que mantém todas as coisas coesas, inclusive as galáxias. A via láctea é uma joia de equilíbrio precário, milhões de estrelas interlaçadas e interdependentes. Dos quatro sistemas estelares  na tela… destrua dois deles e a via láctea irá ruir sobre si mesma”.

A destruição total possibilitaria então a livre entrada da Antivida na nossa realidade.

tumblr_lccm5b1ux21qbehk4o1_500 (1)

Para impedir essa tragédia, foram convocados os heróis da Terra e de outros planetas para deter a ação dos espectros e salvar o universo. Os escolhidos foram J´onn J´onzz, Estelar, Lanterna Verde (Stewart), Superman, Batman e Jason Blood, hospedeiro do demônio Etrigan (Outro legado de Kirby para a DC). Além disso eles tiveram apoio direto dos Novos deuses Órion, Lightray ( batizado no Brasil como “Magtron”), Forrageador e o aventureiro espacial Adam Strange.

Apesar da já citada premissa simples, a história prende. Jim Starlin estava em plena forma, os diálogos podem não ser geniais, mas convencem. E a arte de Mignola dá o toque sombrio que ela precisava. Temos alguns momentos tensos, como o sacrifício de Jason Blood ao aceitar se unir novamente a Etrigan, o duelo moral de Superman e Órion e a dinâmica bem construída entre Batman e Forrageador, que morre para salvar a Terra, e mesmo sendo um personagem praticamente desconhecido, causa impacto com sua partida.

01

Mesmo fugindo do conceito original de Kirby para a Antivida, essa minissérie merece todos os créditos por ser uma aventura divertida e bem feita, diferente de alguns recentes trabalhos de Jim Starlin com os Novos deuses, que deixaram muito a desejar. Esse conceito original idealizado por Kirby de que a Antivida seria uma forma de controle mental em massa, foi resgatada por Grant Morrison em sua “Crise Final“, que em sua essência nada mais é do que uma releitura da obra do mestre. Um retorno à Fonte.

Odisséia Cósmica, foi republicada pela Panini em um encadernado, contendo alguns extras.

Vale a pena reler sem compromisso e sem culpa. Está na minha lista de clássicos preferidos dos anos 80.

Leia também a resenha de outro clássico de Mike Mignola, desta vez da Marvel, onde juntamente com Roger Stern retratou como ninguém o Doutor Destino e o Doutor Estranho:  Triunfo e Tormento! 

Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! ;)
Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! 😉

Anúncios

14 comentários sobre “Odisseia Cósmica de Jim Starlin e Mike Mignola: Novos Deuses e Velhos Monstros!

  1. Gosto muito do Starlin,especialmente nas histórias do Thanos,e o Mignola tem um estilo de desenho pesado,sombrio,eu acho legal.Gostei muito dessa saga “Odisseia Cósmica”. Fond.James Fond.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s