American Horror Story: Coven. – Pois a Magia é um caminho sem volta…

1481393_579817182071385_2064760960_n

horrorCineSant´s: Uma resenha psicografada de uma das séries de terror e magia mais bem sucedidas da atualidade: AMERICAN HORROR STORY: COVEN.

Contém Spoilers revelações sobre a história.

coven-ep-interna

Por Rodrigo Garrit

american_horror_story_coven

Nada de bom vem com a bruxaria. Nada além de excelentes histórias.

A terceira temporada de American Horror Story nada tem a ver com a história da segunda temporada, assim como a segunda nada teve a ver com a primeira. Basicamente os mesmos atores reencarnam em novos personagens, sempre dentro do mesmo tema. E se você acha que esse tema em comum entre essas histórias é o terror, saiba que você está coberto de razão.

Primeiro, eles usaram a tradição de assombrações em casas amaldiçoadas. Depois pularam para uma viagem vertiginosa nas entranhas da loucura com “Asillum”, onde a sanidade era o item mais improvável dentro da trama. E agora, alterando novamente o rumo do enredo, a série encontra-se em sua fase “Coven”, onde a bruxaria é levada até as últimas consequências.

Como sempre, a série surpreende, tendo a cortesia de nos enganar logo de cara, ao nos fazer pensar que o mote da história seria uma escola secreta em New Orleans, a Acadêmia para Excepcionais Jovens Garotas da Miss Robichaux, com poderes especiais, para aprenderem a lidar com seus dons de nascença e praticar a convivência pacifica entre humanos e bruxas. Assim como os mutantes das histórias dos X-Men, cada bruxa nasce com um ou mais dons naturais diferentes, poderes que se manifestam na adolescência e geralmente são rapidamente reprimidos pela sociedade, que as tranca em manicômios, deixando-as dopadas e tratadas como loucas, ou mortas por fanáticos religiosos que veem nelas as marcas do demônio, ou ainda são exterminadas por caçadores de bruxas, humanos que foram prejudicados por elas e ficaram sabendo de sua existência, organizando-se e encontrando meio de se infiltrar entre elas e mata-las.

Ódio, vingança e magia. Uma péssima combinação.

AHS_0106-1024x682

Entre a nova leva de alunas, temos Madison Montgomery (Emma Roberts), uma estrela de cinema telecinética e capaz de atear fogo nos objetos com a mente; Nan (Jamie Brewer), capaz de ler pensamentos e tem um limitado dom de premonição. Queenie (Gabourey Sidibe) com a habilidade de ferir o próprio corpo, mas em vez de sofrer danos, transferir a dor e as sequelas dos ferimentos para outrem, e Zoe Benson (Taissa Farmiga) cujo dom é…. causar não intencionalmente a morte de qualquer um que faça sexo com ela. O que se torna um grande problema quando ela se apaixona por Kyle Spencer (Evan Peters), o que certamente não trará bons momentos para rapaz… afinal, um relacionamento mal acabado pode deixar qualquer um em pedaços…

Também vive na mansão, o mordomo Spalding (Denis O’Hare), cuja língua foi encanta para que ele nunca fosse capaz de mentir. Sabendo do peso das consequências disso e do fato dele saber demais, preferiu mutilar o órgão.

Independente desses dons naturais, elas podem realizar rituais e feitiços, embora os resultados sejam na maioria das vezes catastróficos.

Existe também uma bruxa rondando os arredores da série, mas ela prefere não fazer parte da escola e viver em contato com a natureza. Seu nome é Misty Day (interpretada pela espetacular Lily Rabe ) e ela tem o raro dom da ressureição. Tanto para ela mesma quanto para os outros. Uma magia poderosa, que a coloca em pé de igualdade com uma Suprema.

A diretora da escola é Cordelia Foxx (interpretado pela espetacular Sarah Paulson ), mulher serena e paciente, e está pronta a ajudar suas alunas a enfrentar o mundo lá fora. Mas não se deixe enganar, caro leitor, isso é apenas uma cortina de fumaça que esconde o que de pior a magia negra pode oferecer.

As bruxas são uma espécie em extinção, desde Salém quando começaram a ser queimadas, elas vivem em segredo, escondem sua existência do resto do mundo preferindo viver o conforto da era moderna. Seus poderes são dádivas, mas também representam maldições. Elas podem fazer o bem, mas de uma forma ou de outra, sua bruxaria sempre é atraída para o mal. Mesmo querendo ajudar, elas podem simplesmente destroçar as vidas de quem se aproxima, e entre elas mesmas.

AHS_0422-1024x682

Existe uma antiga rixa entre as bruxas africanas que teriam trago seu conhecimento vodu desde a época da escravidão e as bruxas fidalgas, as antigas senhoras de escravos que hoje vivem como respeitadas damas da sociedade. A magia das bruxas africanas é muito poderosa, incrementada por velhos rituais desconhecidos pelas bruxas fidalgas. As bruxas africanas e as brancas se odeiam mutuamente há tempos. Além dos motivos óbvios, sendo o pior deles a escravidão infringida a elas no passado, elas alegam que essas “novas bruxas” roubaram o conhecimento ancestral trazido por elas, usurpando seu poder para seus interesses mesquinhos. O poder das africanas é mais puro, rústico, primitivo e inegavelmente maior do que o das brancas. Entretanto, entre essas novas bruxas, a cada geração, surge uma que estará destinada a liderar todas as outras. Ela é a chamada Suprema, e possui todos os dons naturais das bruxas de uma só vez. Só pode existir uma bruxa suprema por vez, mas embora possua vasto poder, ela não é imortal, e sabe que chegará a hora que seus dias terminarão e uma nova suprema deverá assumir o seu lugar.

A trama de “Coven” é centrada na mãe da diretora da escola, Fiona Goode, (interpretada pela espetacular Jessica Lange), que herdou sua herança de forma duvidosa e atravessou os anos derrubando tudo e todos que se colocaram em seu caminho. Fiona é amoral, sem escrúpulos… e extremamente carismática. É o tipo de vilã que apesar de cometer as piores atrocidades ainda nos faz torcer para que ela se dê bem no final. Ela nunca deu muita importância para as responsabilidades do cargo de bruxa “suprema”, preferindo passar seus dias apenas usufruindo de seus poderes e sua influência. Mas um inimigo imbatível está consumindo-a de forma irreversível: o tempo. Fiona está envelhecendo, e sabe que em breve uma nova Suprema deverá surgir para tomar o seu lugar. Ela acredita que a próxima na linha de sucessão é uma das alunas da escola, o que coloca cada uma das garotas em perigo. Embora Fiona defenda ferrenhamente o direito das bruxas, ela não hesitará em cortar a garganta da sua sucessora e roubar para si sua força vital. Mas primeiro ela tem que saber qual delas carrega essa benção, esse fardo.

AHS_0334-1024x682

Em sua busca pela imortalidade e eterna juventude, Fiona cravou suas mãos em uma sujeira enterrada há séculos, e que, para o bem de todos, nunca deveria ter sido libertada. A Madame LaLaurie, (interpretada pela espetacular Kathy Bates), uma antiga senhora de escravos que compartilhava a busca pela imortalidade e não tinha o menor pudor em torturar e mutilar seus serviçais em rituais macabros a fim de atingir seu objetivo. Inclusive um bebê renascido, fruto da união de seu marido com uma escrava. Mas o maior erro da Madame LaLaurie no entanto foi aprisionar e barbarizar um escravo comprometido com  Marie Laveau (interpretada pela espetacular Angela Bassett ) uma poderosa bruxa africana, que como vingança, concedeu a ela seu maior desejo na forma de seu pior horror.

Marie Laveau tornou a Madame LaLaurie  imortal, como ela tanto queria. Mas, para que serve a imortalidade sem que exista alguma felicidade para se desfrutar?

Laveau matou as filhas da Madame LaLaurie, pendurando seus corpos na pátio de sua casa, a vista de todos. Em seguida, ela a colocou em um caixão, enterrando-a viva. Viva e imortal, condenando-a a passar o resto da eternidade na escuridão, tendo como uma última lembrança a imagem de suas filhas mortas…

AHS_0099

Mas a eternidade acabou se provando ser tempo demais. Nos dias atuais, Fiona, nossa adorável Suprema que amamos odiar libertou a Madame de sua prisão, fazendo dela sua serviçal, a fim de descobrir o tão sonhado dom da imortalidade. Mas esse ato não passou desapercebido por Marie Laveau, que ainda está viva e jovem, dona de um salão de beleza e ainda detentora dos grandes mistérios da magia negra vodu. Como se já não bastassem as crises internas dentro do próprio conselho das novas bruxas, composto principalmente por Myrtle Snow (interpretada pela espetacular Frances Conroy ), depois de anos de trégua, uma nova guerra começa a surgir no horizonte, quando a bruxas africanas originais decidirem retomar das bruxas brancas o poder ancestral que lhe é de direito… uma guerra que não poupará crueldade, e os piores feitiços já lançados há anos; a ressurreição dos mortos, (algo que nunca dá completamente certo), zumbis, criaturas bestiais e velhos fantasmas de assassinos psicopatas ressurgindo muito interessados em tornar a vida das bruxas um inferno ainda maior.

1376332_479217572177152_1395441926_n

Na minha opinião, é a melhor temporada da série (embora a segunda seja imperdível). Com um roteiro inteligente, cheio de reviravoltas e com a preocupação de surpreender o telespectador, o que pode ser o seu melhor feitiço até então, numa realidade onde a grande maioria das séries (salvo exceções) estão cada vez mais aderindo aos clichês e as saídas mais previsíveis e confortáveis, visando mais a audiência do que a qualidade do produto… o que acaba sendo uma contradição, porque se um produto tem qualidade e souber ser bem conduzido, terá audiência.

American Horror Story é criação de Ryan Murphy e Brad Falchuk  os mesmos autores de “Nip/Tuck” e “Glee”, o que surpreende ainda mais pela versatilidade de suas mentes criativas.

A terceira temporada ainda está em curso… então agora só resta assistir até o fim e desvendar o mistério dessas criaturas mágicas, e descobrir se sobrará alguma delas de pé depois de tanto ódio, vingança e magia. Uma péssima combinação.

Nada de bom vem com a bruxaria. Nada além de excelentes histórias.

American Horror Story Coven e suas simbologias ocultas e Illuminati002

S_Final

Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! ;)
Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! 😉
Anúncios

3 comentários sobre “American Horror Story: Coven. – Pois a Magia é um caminho sem volta…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s