GUERRA CIVIL DA MARVEL! Porque existem os certos, os errados, e os que vencem!

_0004_Midgard

3Resenha do encadernado “Guerra Civil” publicado pela Salvat/Panini, reunindo as sete edições da minissérie original.

Roteiro de Mark Millar, desenhos de Steve McNiven e arte-final de Dexter Vines, Mark Morales, John Dell e Tim Townsend.

 

2

Por Rodrigo Garrit

Os Novos Guerreiros nunca pertenceram ao primeiro escalão dos heróis Marvel, mas ao participarem de um Reallity Show com consequencias desastrosas, acabaram desencadeando uma onda de eventos que culminaram na criação da lei de registro para heróis mascarados, obrigando todos os vigilantes fantasiados a se apresentar para o governo, revelando suas identidades secretas e se colocando a serviço da Shield. Encabeçada por Tony Stark, Reed Richards e Hank Pym, respectivamente o Homem de Ferro, Senhor Fantástico e Homem Formiga (ou seja qual a identidade dele nessa semana), a lei de registro tinha a melhor das intenções, mas de boas intenções, o inferno está cheio.

Muitos heróis aderiram a nova norma de imediato, como o Homem Aranha que revelou sua identidade em cadeia nacional pela televisão. Mas alguns outros não concordaram com essa iniciativa, acreditando ser imoral obrigar um vigilante a se expor e a ter que se reportar ao governo, sem mencionar nos perigos aos seus entes queridos, uma das maiores razões para um fantasiado querer que sua identidade seja secreta.

Liderados pelo Capitão América, esses heróis se uniram contra o que eles consideraram  uma lei opressora, e bateram de frente com a equipe liderada pelo Homem de Ferro.

Assim começou a Guerra Civil.

civilwar208

Mark Millar é um roteirista que dispensa apresentações aos fãs de quadrinhos. Com diálogos ácidos e histórias inovadoras e muito estruturadas, já fez sua fama na ramo. Ele provou sua competência em redigir enredos para super equipes, vide seus trabalhos em The Authority da DC/Wildstorm, e no universo ultimate da Marvel com seus “Supremos” e a versão ultimate dos X-Men por exemplo, com esse estilo de heróis mais “realistas”, dentro dos limites de um gibi de super-heróis, obviamente.

Embora envolva todos os personagens fantasiados da Marvel,  a Guerra Civil é essencialmente uma história dos Vingadores. Ácida e inovadora sim, apesar da ser possível reconhecer ali alguns elementos já utilizados antes na própria Marvel, envolvendo o registro de mutantes nas HQs dos X-Men, ou mesmo na concorrência, na aclamada obra de Alan Moore, Watchmen, que também tratou de uma lei governamental, mas em vez de recrutar, proibindo a ação dos vigilantes mascarados. Tendo isso em mente, Guerra Civil ainda surpreende, principalmente pelo teor radical mostrado em sua páginas… diferente de uma aventura normal dos Vingadores (ou qualquer outro gibi de super-heróis) onde prédios ou quarteirões inteiros são colocados à baixo para que o vilão seja preso, exceto por raras ocasiões, desta vez nos ficamos depois que a poeira baixa e vemos as consequências dos atos desses seres superpoderosos… é quando dá para se perguntar se esses indivíduos realmente existissem, seria possível dormir tranquilo confiando em seu heroísmo ou seria mais sensato ou até mesmo óbvio que eles fossem agentes registrados e seus rostos fossem conhecidos pelo público a fim de transmitir segurança… por outro lado, seria justo obrigar alguém que doou sua vida numa cruzada de altruísmo, abrindo mão de uma vida pacata e se sacrificando diariamente pelo bem estar de estranhos, que se submetesse contra a vontade aos desmandos de um governo ou agência federal que, embora tecnicamente seja benigna, estivesse prestes a se tornar poderosa como nenhuma outra, sem qualquer precedente, e portanto totalmente suscetível a corrupção?

Guerra Civil Marvel (37)

Algo que pode ter desapontado os leitores nessa história é a caracterização dos personagens. Um desafio e tanto, considerando que era preciso colocar pessoas do mesmo time jogando umas contra as outras. Uma boa alternativa usada pelo autor é o fato de que alguns deles trocaram de lado durante a saga, como acontece na vida real, reconsiderando seus atos e mudando de ideia… enfim, algo próximo da psicologia humana. Se isso faz com ele acerte nas caracterizações, deixo aos leitores decidirem, até porque outro mérito dessa história é fazer os fãs se posicionarem… não existem “vilões” e “mocinhos”… apenas pontos de vista diferentes, pelos quais seus defensores lutarão com todas as forças.

A arte de Steve McNiven acrescenta vivacidade ao texto de Millar, um texto que devo mencionar, tem toda a minha admiração por se esforçar continuamente a colocar palavras que são ditas no dia a dia rotineiro da vida real na boca de pessoas usando fantasias coloridas detentoras de super-poderes e que os usam para lutar entre si na maior parte do tempo.

Os quadrinhos são uma arte em constante evolução. Eu não sei se a saga Guerra Civil em si representa a tendência que se seguiu e continua se adaptando aos novos tempos, mas certamente existe nela algo de embrionário, que a concede jovialidade permitindo que seja lida hoje fora de qualquer contexto de modo atemporal.

E no final, como em toda guerra, existe o lado vencedor e lado perdedor. Mas quem realmente é vitorioso depois de toda a morte e destruição causada? Os fins justificam os meios?

Talvez a mais relevante observação a ser feita sobre a Guerra Civil, é de que ela é finalizada com um desfecho claro sobre quem ganhou, mas não sobre quem está certo.

É uma história de questionamentos, sobre os quais se deve ponderar e decidir qual a melhor resposta.

Como na vida real.

marvel-civil-war
CLIQUE PARA AMPLIAR

Olha aqui

Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! ;)
Clique AQUI para curtir nossa página no Facebook! É gratuito e sempre será! 😉

 

 

 

 

Anúncios

9 comentários sobre “GUERRA CIVIL DA MARVEL! Porque existem os certos, os errados, e os que vencem!

  1. Que resenha otima. Pena nao ter encontrado ela anteriormente. Dava para fazeR um paralelo legal com essa guerra no Brasil entre esquerda e direita.

    Curtir

  2. Adorei o texto,rodrigo!Claro que EU estava certo ao querer registrar essa turma…sou um visionário,um futurólogo!

    Curtir

    1. Caríssimo Sr. Stark, sabe que sou fã e que nossa amizade é inabalável… mas nesse caso especial, eu ficaria no time do Capitão América! (A resenha já acabou, agora não preciso mais ser imparcial…. rsrsr) Sem ressentimentos! Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s