AQUAMAN REBIRTH #1 – A ponte sobre o mar entre os Novos 52 e o DC Rebirth

0009_primeira-impressao

por Venerável Victor Vaughan

Resenha sem spoilers

13595808_1013025938750505_976765985_nNascido para viver em ambos os mundos; o da superfície e o do oceano, Arthur Curry caminha pelos dois, mas não consegue se sentir em casa em nenhum. O rei da Atlântida busca agora reconciliar sua herança dividida enquanto embarca em uma missão que o fará ter que escolher entre um desses dois caminhos.

O roteirista Dan Abnett diz: “Sendo o líder de uma grande potência mundial, Arthur Curry, o Aquaman, acredita que chegou o momento da Atlântida se tornar parte fundamental da comunidade global. Ela tem estado de fora do cenário geo-político por muito tempo, temida, mistificada e alvo de preconceitos. Por isso a nova ordem do dia é fazer com que o mundo se acostume com a Atlântida… e vice versa.”

Mais conhecido por seu trabalho com a revista dos Guardiôes da Galáxia – e agora a dos Titãs após o Rebirth – Dan Abnett continua o trabalho que vinha realizando com o Rei dos Sete Mares ainda nos Novos 52, apresentando ao leitor um herói mais diplomático e propondo novos caminhos. Agora ele tem uma embaixada próxima a Boston que serve para aproximar o povo da superfície com os atlanteanos.

STL007328_9b4b0dd4-2f6f-4c5b-ba5e-92ea7cff6218_1024x1024

Essa é uma edição fantástica para o leitor, aquele que nunca leu nada antes sobre o herói e está embarcando nessa “canoa” agora. Abnett tem o cuidado de escrever muitos recordatórios que têm o alcance de mostrar o ponto de vista da humanidade sobre o herói aquático e porque ele tem cadeira cativa de direito na Liga da Justiça. Afinal, Aquaman é o soberano de dois terços do mundo… Isso faz dele um personagem único dentro do Universo DC.

A arte da revista fica por conta de dois profissionais; Scot Eaton e Oscar Jimenez – Jimenez também assume a arte final junto com o veterano Mark Morales. Ao passo que é fácil de reconhecer cada vez que os artistas se revesam nas páginas, não há da minha parte competência para dizer o quê é de quem na edição. Mas não seria imprudente afirmar que a arte passa de super detalhista, beirando ao estilo realista, para outra forma ainda com alguns detalhes, porém beirando a um estilo mais cartoon. Na maior parte das vezes, mesmo em qualquer um desses traços a revista se assemelha a uma edição oitentista e ambas são competentes.

aquaman-rebirth-1-3

Pra quem curtiu e acompanhou o trabalho de Abnett antes do “Rebirth” na revista do herói aquático, essa edição acrescentou muito pouco ou quase nada, ela recapitula e comprova porque o Aquaman é tão importante. Os vilões apresentados aqui são “buchas” que servem apenas para mostrar o quanto a embaixada do herói na superfície é importante e o quanto ela incomoda ao povo aquático, ou pelo menos a parte dele.

Mas quando o gancho para a próxima edição é mostrado na última página, você verá que a revista em questão é apenas um ponto de partida, uma introdução para a verdadeira história a ser contada daqui pra frente. Pode ser dito que esse mesmo gancho não é nada revolucionário, nem mesmo uma novidade para quem já acompanhava a fase memorável do outro roteirista do Aquaman, Geoff Jhons, porém o antagonista retratado no último quadro que assim como o nosso herói, de tempos para cá – principalmente após os Novos 52 – se mostra muito mais versátil, do que jamais antes houvera sido e isso é maravilhoso. Boas histórias estão por vir, vamos todos conferir, caros devotos do Santuário!

Aquaman_Rebirth_1_5

S_Final

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s