Liga da Justiça – Resenha Sem Spoilers!

Por Henry Garrit

É o fim da Era das Trevas?

Nosso mundo está sendo invadido por seres de outro universo, liderados pelo Lobo da Estepe, que busca reunir as Caixas Maternas e liberar um mal inimaginável na Terra. O Superman está morto, e Bruce Wayne e Diana Prince tentam reunir um grupo de meta-humanos capazes de lutar contra essa invasão.

É uma premissa simples, mas eficiente. Me lembrou bastante a origem da Liga nos quadrinhos, com uma pitada do título Terra 2, ainda que guardadas as devidas proporções que a adaptação cinematográfica exige. Uma trama sem desdobramentos mirabolantes, provando que o excesso realmente prejudica ao invés de ajudar um roteiro a fluir. O filme aprofunda os personagens apresentados rapidamente em Batman vs Superman e aos poucos os une para formar aquela que está destinada a ser a maior equipe de super-heróis de todos os tempos.

Mas alguma coisa mudou.

Desde que a DC começou a lançar seu universo cinematográfico, eles vinham sendo definidos por um tom sombrio, amargurado, heróis quebrados em busca de redenção ou de seu lugar no mundo. Até mesmo o Superman, um símbolo de esperança e otimismo, fora infectado por esse sentimento, deixando um gosto amargo nos fãs, ainda que sempre deixasse margem para que alguma luz fosse permitida novamente. O filme solo da Mulher-Maravilha foi o grande catalisador dessa mudança, indicando novos caminhos a seguir, que levassem esses personagens ao local onde eles sempre mereceram estar.

Liga da Justiça é o ápice dessa virada, sob muitos aspectos, um recomeço para o panteão de heróis. Eles ainda são os mesmos, mas agora iluminados por novas nuances de cores e otimismo… O verdadeiro sentimento que sempre esteve intrinsecamente ligado a eles, ainda que por tanto tempo tivessem sido retratados sob uma ótica obscura.

A caracterização dos personagens está impecável; todos cativam, todos têm o seu lugar de destaque na história. E quando começam a atuar juntos, sentimos aquele doce sabor proporcionado pelos melhores episódios da animação Liga da Justiça sem limites, no melhor sentido. Isso não diminui a grandeza do filme, pelo contrário, é o que o faz grandioso. Simples e eficiente.

Achei incrível e fiquei muito feliz com a utilização do conceito do Quarto Mundo de Jack Kirby, assim como toda a representação de Atlantes e Amazonas. Espero que esses elementos sejam explorados cada vez mais no futuro.

O filme tem humor na dose certa, sem ser pedante. Diálogos afiados e certeiros, os quais eu (presumo) sejam obra de Joss Whedon, que trabalhou junto ao diretor Zack Snyder na finalização do longa. Temos também grandes cenas de ação… Coisa de arrepiar mesmo. Toneladas de referências aos quadrinhos, e quando digo toneladas, eu quero dizer descomunais, coisas que sinceramente eu não esperava ver na tela. Isso sem falar nas duas  – d u a s –  cenas pós crédito, que fizeram algumas pessoas gritarem na sala de cinema.

É claro que, existem alguns detalhes que poderiam ter sido melhor trabalhados, coisas que esperava ver e não vi… E espero, estejam presentes em um próximo filme da franquia.

No mais, o quesito “diversão” (que, vamos combinar, é o que importa), é excelente e deixa qualquer fã (ou não) de quadrinhos com a sensação de ter valido à pena cada minuto sentado assistindo a projeção.

Então sim, meus amigos. É o fim da Era das Trevas.

A Justiça foi feita!

 

Anúncios

4 comentários sobre “Liga da Justiça – Resenha Sem Spoilers!

  1. Ótimo texto, Rodrigo. Também gostei muito do filme porque teve ótimos efeitos, ação e humor, diferente de alguns filmes da DC que achei muito pesados. Mulher-Maravilha, Liga da Justiça e Esquadrão Suicida são os meus filmes favoritos da DC.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Oieee eu aqui.. Tem pseudo-spoliers.

    Concordo em praticamente td q vc disse, principalmente nas duas cenas pós, pq sim, eu gritei hahahaha. A química entre atores está excelente e isso faz os personagens brilharem mais.

    Achei, com devidas ressalvas, os personagens introduzidos muito bem trabalhados e formaram um conjunto excepcional. E vamos combinar, a Mulher Maravilha é tudo aquilo q o Aquaman diz e mais um pouco.

    Mas de novo, acho q a DC resvala no roteiro. Achei fraco e o vilão, o Lobo, mal trabalhado. Assim como a cena do retorno de vc-sabe-quem desnecessária. “Olha só, tava pensando e se colocassemos fulano quebrando a cara de todo mundo só pra mostrar q ele pode” “e dps resolvemos como a volta pra equipe?” “Ah, faz um cenão emotivo na Fazenda, dá um jeito”…

    Esses foram meus pontos negativos. Esperava um pouco mais, esperava a emoção q senti em WW. Talvez o Zack ñ seja boa influência. Esse q teve colaboração de outro, chegou bem perto de conseguiu ultrapassar a barreira, ainda.

    No conceito geral dou 7 pra filme, e 9 pra o desenvolvimento dos personagens.

    Adorei ler seu texto novamente 🙂
    Ótimo como sempre!

    Bjs da bruxa

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s